terça-feira, 28 de junho de 2016

Com déficit de R$ 151 bilhões, um Brasil falido!

Enquanto os portais de agora apresentam o Resultado Primário do Governo Central com números divergentes, ficamos então com os dados da própria Secretaria do Tesouro Nacional:

Déficit de R$ 151,5 bilhões nos últimos doze meses a preços de maio de 2016, o que equivale a -2,42% do PIB

Neste maio de 2016 o resultado foi deficitário em R$ 15 bilhões, o pior desde a série histórica com início em 1997.  

Ou seja, o Brasil está falido!!!

Fontes:
http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2016/06/1786494-deficit-do-governo-central-atinge-r-145-bi-em-12-meses-o-pior-ja-registrado.shtml
http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,contas-do-governo-federal-tem-rombo-recorde-em-maio,10000059712
http://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/246449/Apresenta%C3%A7%C3%A3o+RTN_Mai2016.pdf/3375fa65-2006-432d-8f6f-bb2d703e0767

BACEN: revista queda no PIB 2016 de 3,5% para 3,3%.

A projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, incorporando os resultados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) para o primeiro trimestre do ano e estatísticas disponíveis para o segundo trimestre, foi revisada de -3,5%, no Relatório anterior, para -3,3%. O PIB recuou 3,8% em 2015
Estima-se recuo de 1,1% para a produção agropecuária, ante expansão de 0,2% em março, reversão decorrente de revisões para baixo nas projeções do IBGE para as safras de soja, cana-de-açúcar e milho, que deverão diminuir 0,4%, 2,6% e 14,1%, respectivamente, no ano. 
A projeção para a retração da indústria diminuiu de 5,8%, em março, para 4,6%. A melhora reflete o desempenho acima do esperado para o setor no primeiro trimestre e a evolução de indicadores coincidentes no segundo trimestre. Destaque para as revisões nas projeções para os segmentos indústria de transformação (de -8,0% para -6,1%) e distribuição de eletricidade, gás e água (de 1,0% para 4,1%). A estimativa para o recuo na indústria extrativa aumentou de 4,7% para 4,8%, enquanto a taxa esperada para o setor de construção civil passou de -5,0% para -5,5%, alteração consistente com o aprofundamento da distensão no mercado de trabalho, com a piora das condições no mercado de crédito e com o patamar reduzido da confiança dos agentes econômicos. 
A estimativa para o recuo no setor terciário em 2016 manteve-se em 2,4%, com recuos mais pronunciados para as atividades comércio (6,5%), transportes, armazenagem e correio (5,0%) e outros serviços (2,3%). Apenas o segmento atividades imobiliárias e de aluguel não deverá apresentar desempenho negativo no ano, mas estabilidade. 
No âmbito dos componentes domésticos da demanda agregada, projeta-se recuo de 4,0% para o consumo das famílias (-3,3% em março), piora consistente com o desempenho do componente no primeiro trimestre e com o processo de distensão em curso no mercado de trabalho. O consumo do governo deve recuar 0,8% (-0,7% em março) e a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), 11,6% (-13,0% em março), terceira retração anual consecutiva, impactada pelos desempenhos negativos projetados para a construção civil e para a absorção de bens de capital. 
As exportações e as importações de bens e serviços devem variar 7,5% e -14,0%, ante 6,0% e -15,0%, respectivamente, no Relatório de março, alteração em linha com os resultados do primeiro trimestre e com indicadores coincidentes referentes ao segundo trimestre. A evolução projetada para as exportações, em ambiente de retomada moderada da atividade econômica global, reflete o desempenho positivo das categorias de produtos básicos e de industrializados, este influenciado pelos ganhos de competitividade decorrentes da depreciação do real. O desempenho das importações é consistente com o ambiente de retração da atividade interna. Nesse cenário, as contribuições da demanda interna e do setor externo para a evolução do PIB em 2016 estão estimadas em -6,3 p.p. e 3 p.p., respectivamente (-6,4 p.p. e 2,9 p.p., na ordem, no relatório de março).

XXII FÓRUM BANCO DO NORDESTE DE DESENVOLVIMENTO e XXI ENCONTRO REGIONAL DE ECONOMIA.



CONVITE

XXII FÓRUM BANCO DO NORDESTE DE DESENVOLVIMENTO
E XXI ENCONTRO REGIONAL DE ECONOMIA


O Banco do Nordeste, em parceria com a Associação Nacional de Centros de Pós-Graduação em Economia (Anpec), realizará o XXII Fórum Banco do Nordeste de Desenvolvimento e o XXI Encontro Regional de Economia para marcar as comemorações do 64º de sua criação. Os eventos ocorrerão nos dias 7 e 8 de julho de 2016, conforme programação anexa, e têm como objetivo mobilizar a comunidade acadêmica e política em torno de questões relevantes para o desenvolvimento regional, além de buscar o fortalecimento da interlocução institucional com a sociedade, a academia e as entidades de classe.

Na oportunidade, convidamos Vossa Senhoria para participar da abertura do evento, que terá início às 9h30, do dia 7 de julho de 2016, no Centro Administrativo Presidente Getúlio Vargas – sede do Banco do Nordeste, localizado na Av. Dr. Silas Munguba, 5700 – Passaré, em Fortaleza.

Agradecemos sua valiosa participação.


MARCOS COSTA HOLANDA
Presidente



segunda-feira, 27 de junho de 2016

O instável PIB da agropecuária brasileira.

Apesar de recentes indicadores fortalecerem o otimismo com vista a economia brasileira iniciar no segundo semestre deste 2016 um processo gradual de recuperação, fato é que o Brasil continua em crise. 

E avaliando especificamente o desempenho do PIB agropecuário no período de 2007 a 2017 (estimado), a tendência confirma, infelizmente, uma década de crescimentos e quedas, sinal de um país, no mínimo, sem direção!

Boletim Focus: base 24/06 e o PIB em queda de 3,44%.

No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado fez alguns ajustes em suas projeções, com destaque para o aumento do IPCA e da taxa básica de juros. 

Em síntese: 
PIB: manteve a queda de 3,44%;
Inflação: subiu de 7,25% para 7,29%;
Dólar: manteve a previsão para R$ 3,60;
Taxa básica de juros (Selic): subiu de 13% para 13,25%.

domingo, 26 de junho de 2016

Barry Eichengreen: o Brasil sempre foi o país do futuro. E continua a ser!

No ESTADÃO deste domingo de inverno brasileiro, o economista Barry Eichengreen, professor da Universidade da Califórnia em Berkeley, avalia questões relevantes da nossa economia e confirma a velha máxima que o Brasil é o eterno país do futuro. Até quando? 

O Brasil tem um problema de mercados excessivamente regulados, empresas estatais ineficientes e competição inadequada entre diferentes setores. Abrir a economia ao comércio internacional e a cadeias globais de produção é um dos caminhos para enfrentar esses problemas. O melhor seria que as autoridades brasileiras lidassem com essas questões de maneira direta, por meio de reformas estruturais em casa. Depender do comércio para obter esses resultados pode ser menos eficiente agora do que no passado, se de fato o crescimento do comércio global estiver diminuindo.

A nova equipe econômica propôs a adoção de limites ao crescimento dos gastos públicos. Esse é um caminho adequado? Quão dolorosa será a saída da crise?
Será dolorosa, mas o Brasil não tem escolha. O que complica a situação é o fato de a inflação continuar razoavelmente alta. Em tese, o Banco Central poderia compensar ao menos em parte o corte em gastos público com o corte na taxa de juros, mas não há espaço para isso no caso brasileiro. Isso significa que é difícil ser otimista em relação ao Brasil no curto prazo. No longo prazo, tudo depende de reformas estruturais. O novo governo tem uma boa retórica, mas ainda temos de ver se será capaz de implementá-la. A fragmentação do sistema político brasileiro torna difícil ser otimista. Mas o Brasil sempre foi o país do futuro. E continua a ser.


Trópicos Utópicos - Eduardo Giannetti da Fonseca.


Trópicos Utópicos, o novo livro do  economista Eduardo Giannetti da Fonseca, é uma luz para o atual momento econômico e político brasileiro.  

sexta-feira, 24 de junho de 2016

Brasil: 1.781.906 desempregados nos últimos 12 meses.


O emprego formal apresentou recuo, em maio, na trajetória de perda de postos de trabalho que vem ocorrendo desde o início do ano passado. No mês, a retração na geração de postos de trabalho foi de 0,18%, na comparação com o mês anterior, com saldo negativo de 72.615 vagas. A perda, porém, foi muito menor que em maio de 2015, quando foi registrado o fechamento de 115.559 vagas formais.

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta sexta-feira (24) pelo Ministério do Trabalho. O saldo de maio foi oriundo de 1.209.991 admissões contra 1.282.606 desligamentos. No acumulado do ano, o nível de emprego formal apresentou declínio de 1,13%, correspondendo à perda de 448.011 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses, o recuo foi de 1.781.906 empregos, retração de 4,34%. Com o resultado, o estoque de emprego para o mês alcançou 39.244.949 trabalhadores com carteira de trabalho assinada no país.

Segundo o ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, os dados demonstram que, apesar das perspectivas de maiores perdas previstas nas análises econômicas, o mercado está começando a reverter o quadro de supressão de postos formais. “Acredito estarmos iniciando um processo de recuperação gradativa. Começamos a reverter essa curva e, podemos, no segundo semestre, ter resultados bem melhores”, avaliou.

Segundo o levantamento, a Agricultura gerou 43.117 postos de trabalho em maio, comportamento mais favorável que em abril, quando foram criados 8.051 postos. O dado ainda é superior na relação com o mesmo mês de 2015, quando foi registrada a criação de 28.362 postos. O crescimento, segundo o Ministério do Trabalho, se deve à sazonalidade ligada ao cultivo do café, principalmente nos estados de Minas Gerais, responsável por 20.308 postos, e São Paulo, com saldo positivo de 4.273 vagas.

Além da Agricultura, a Administração Pública também apresentou saldo positivo, com geração de 1.391 postos. Já o setor do Comércio teve perda de 28.885 vagas em maio, o que representa um arrefecimento na comparação com abril, quando foram suprimidos 30.507 postos. Também a Indústria de Transformação registrou recuo no ritmo de queda do nível de emprego, com a perda de 21.162 postos contra 60.989 em abril (-0,28%). No setor dos Serviços foi verificada a maior queda no mês, de 36.960 postos.

Dados estaduais - O emprego formal apresentou resultado positivo em Minas Gerais (9.304), Espírito Santo (1.226), Mato Grosso do Sul (562), Goiás (153) e Acre (147). Nos demais estados houve perda de postos de trabalho. No Rio Grande do Sul foi registrada a maior queda (-15.829), influenciado pelo fator sazonal da Agricultura (-3.723 postos). Houve também perda de vagas em São Paulo (-12.177 postos) e no Rio de Janeiro (-15.688).

Fonte: Ministério do Trabalho. 

23/06/2016: um triste dia por uma Europa em paz, unida e próspera.

Diversos líderes visionários inspiraram a criação da União Europeia. Sem a sua energia e motivação, não estaríamos a viver na esfera de paz e estabilidade que tomamos como garantidas. De combatentes da resistência a advogados, os fundadores foram um grupo diverso de pessoas que acreditavam nos mesmos ideais: uma Europa em paz, unida e próspera

Nossa homenagem a um dos maiores e que tanta falta faz hoje:  Konrad Adenauer: um democrata pragmático e um unificador incansável.

O primeiro Chanceler da República Federal da Alemanha, que se manteve à frente do novo Estado alemão entre 1949 e 1963, contribuiu, mais do que qualquer outra pessoa, para alterar a história da Alemanha e da Europa do pós-guerra.


A reconciliação com a França foi um pilar fundamental da política externa de Adenauer. Em 1963, sob os auspícios de Adenauer e do Presidente francês Charles de Gaulle, é assinado um Tratado de amizade entre a Alemanha e a França, outrora acérrimos inimigos, que assinala um ponto de viragem histórico e constitui um dos marcos do processo de integração europeia.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

Em 20/06/2016 o inverno chega ao Brasil ou o Brasil chega ao inferno?

Que a situação brasileira é dramática e reconhecida por quase todos, é fato. Os que ainda sonham que somos o país do futuro, realmente é porque continuam no passado, pois o presente já foi negociado em tenebrosas transações.  

Neste início de inverno brasileiro, apenas três notícias conseguem evidenciar a borda do buraco que está a economia brasileira e a ausência de bom senso por parte de gestores públicos e privados.

Senão, vejamos:

1 - A operadora de telefonia OI pediu recuperação judicial de R$ 65 bilhões. Como chegou à essa situação?

2 - A renegociação da dívida dos estados com a união terá um impacto nas contas fiscais até 2018 de R$ 50 bilhões. Até quando os gestores públicos não farão controle de suas contas? 

3 - O governo do estado do Rio de Janeiro, oficialmente em estado de calamidade pública,  realizou licitação de mais de R$ 378 mil para compra de alimentos tipo framboesa, cereja chilena, picanha, salmão, robalo etc etc. A compra foi cancelada após a divulgação do fato pela rádio CBN Rio. É por fatos como esse e outros mais que os estados estão na condição 2 acima citada. Afinal, quem paga esta conta?    

Na tentativa de unir os três assuntos, recordo de uma frase do sempre atual economista Roberto Campos:

"No Brasil, a empresa privada é controlada pelo governo.
A empresa estatal não é controlada por ninguém." 

E apenas para complementar, um país que consegue em apenas dois anos (2015 - 2016) registrar uma queda estimada de quase 7% no seu PIB, tem algo muito errado por aqui.   

Sinfrônio: Rio de Janeiro falido!


O genial Sinfrônio, no cearense Diário do Nordeste, sempre consegue nos fazer rir mesmo no meio da diária tragédia econômica e política brasileira. 

Boletim Focus: base 17/06 e o PIB em queda de 3,44%.

No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado fez alguns ajustes em suas projeções, com destaque para o aumento do IPCA, queda do dólar e melhora no PIB.   

Em síntese: 
PIB: melhorou de -3,60% para -3,44%;
Inflação: subiu de 7,19% para 7,25%;
Dólar: caiu de R$ 3,65 para R$ 3,60;
Taxa básica de juros (Selic): mantida em 13,00%.

2015: o pior ano da história da economia empresarial brasileira.

Segundo dados do anuário MELHORES E MAIORES da revista EXAME, 2015 foi o pior ano da história para o o grupo das 500 maiores empresas instaladas no Brasil

Para estas 500 empresas avaliadas neste conhecido levantamento anual:

- O faturamento caiu 4,6%.

- Prejuízo somado de US$ 19 bilhões.

- A rentabilidade sobre o patrimônio teve queda de 4,9%.

- O faturamento de R$ 1,6 trilhão para 316 empresas de capital aberto teve uma queda de 5,4% em relação a 2014.   

Sem empresas sustentáveis financeiramente, a recuperação econômica brasileira caminha a passos de tartaruga. 

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Ata da 199ª Reunião do Copom - 7 e 8 de junho de 2016 - 14,25% a.a.

30. O Copom considera que o ainda elevado patamar da inflação em doze meses é reflexo dos processos de ajustes de preços relativos ocorridos em 2015, bem como do processo de recomposição de receitas tributárias observado nos níveis federal e estadual, no início deste ano, além dos choques temporários de oferta no segmento de alimentação, e que fazem com que a inflação mostre resistência. Ao tempo em que reconhece que esses processos têm impactos diretos sobre a inflação, o Comitê reafirma sua visão de que a política monetária pode, deve e está contendo os efeitos de segunda ordem deles decorrentes.

31. O Comitê reconhece os avanços na política de combate à inflação, em especial a contenção dos efeitos de segunda ordem dos ajustes de preços relativos. No entanto, considera que o nível elevado da inflação em doze meses e as expectativas de inflação distantes dos objetivos do regime de metas não oferecem espaço para flexibilização da política monetária.

32. Dessa forma, o Copom decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 14,25% a.a., sem viés. Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Alexandre Antonio Tombini (Presidente), Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Luiz Edson Feltrim, Otávio Ribeiro Damaso, Sidnei Corrêa Marques e Tony Volpon.

terça-feira, 14 de junho de 2016

Roberto Campos: profético em 1964 para o Brasil de 2016.

Em 23 de abril de 1964, Roberto Campos expôs ao presidente Castello Branco sua avaliação sobre “a crise brasileira e diretrizes de recuperação econômica”.

Na época, eram quatro as características pelas quais o Brasil estava em crise:

1 - Inflação acelerada

2 - Paralisação do crescimento

3 - Crise cambial

4 - Crise de motivação

Decorridos 52 anos do diagnóstico e observadas as devidas proporções econômicas e políticas, nota-se que o país continua com 75% dos mesmos problemas.

Brasil 2016, um país em busca de solução!   

segunda-feira, 13 de junho de 2016

Ilan Goldfajn: discurso de posse no Banco Central.

Trechos do discurso de posse de Ilan Goldfajn no Banco Central do Brasil, em 13 de junho de 2016:

"Não há crescimento sustentável e bem-estar social duradouro sem inflação baixa e estável. Pelo contrário, a literatura econômica já refutou por diversas vezes o falacioso dilema entre a manutenção de inflação baixa e crescimento econômico. Nossa história recente bem demonstra que níveis mais altos de inflação não fomentam o crescimento econômico, pelo contrário, desorganizam a economia, inibem o investimento, a produção e o consumo e impactam negativamente a renda, o nível de emprego e, por fim, o bem-estar social. A manutenção de um nível baixo e estável de inflação reduz incertezas, eleva a capacidade de crescimento da economia e torna a sociedade mais justa, por meio de um menor imposto inflacionário, um dos mais regressivos. O regime de metas para a inflação é um robusto arcabouço de política monetária que já provou sua confiabilidade e eficácia nos mais diferentes cenários, mesmo em situações de estresse, no Brasil e no resto do mundo".

Boletim Focus: base 10/06 e o PIB em queda de 3,60%.

No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado fez alguns ajustes em suas projeções, com destaque para o IPCA e a Selic.  

Em síntese: 
PIB: melhorou de -3,71% para -3,60%;
Inflação: subiu de 7,12% para 7,19%;
Dólar: caiu de R$ 3,68 para R$ 3,65;
Taxa básica de juros (Selic): subiu de 12,88% para 13,00%.

Fonte:

domingo, 12 de junho de 2016

Thomas Elliot Skidmore: 1932 - 2016.


Um triste dia com o morte de Thomas Elliot Skidmore, um dos maiores brasilianistas, autor de diversos livros sobre o Brasil e intelectual referência para quem gosta de ler sobre a história brasileira. "Uma história do Brasil" é um dos meus favoritos.   

É possível localizar no Brasil de 2016 um novo Celso Furtado?

Lendo o excelente ELIO GASPARI na FOLHA DE S. PAULO, num trecho onde é citado o nome de Celso Furtado, volto a perguntar: é possível ainda existir no Brasil de hoje um nome com a honestidade de Celso Furtado, independentemente da visão econômica e política? 

Celso Furtado viveu 84 anos, foi superintendente da Sudene, ministro do Planejamento e da Cultura e nunca teve seu nome envolvido no sumiço de um só alfinete. Em 2011, o comissariado petista lançou ao mar o petroleiro que leva seu nome, e Dilma Rousseff discursou festejando a obra da Transpetro: "No Brasil, muita gente dizia que dava para crescer, mas que poucos ficariam ricos. Celso Furtado disse que crescimento era uma coisa e desenvolvimento era outra, que país só se desenvolvia se o povo crescesse junto".

Em 2015, o estaleiro de onde saiu o "Celso Furtado" fechou, desempregando 2.000 trabalhadores, mas uns poucos maganos ficaram ricos. A memória do presidente da Transpetro, Sérgio Machado, mostrou a distância que há entre as teorias de Celso Furtado e a prática da criação de polos navais no Brasil. Desde 1955, os contribuintes financiaram três, e todos quebraram.

Machado contou que a construção do "Celso Furtado" atrasou e que ele embolsou um capilé para aliviar o valor da multa. Em 2011, a Transpetro contratou a construção de oito navios, metendo Sérgio Buarque de Holanda e o economista Rômulo de Almeida na fantasia. O contrato ficou em US$ 536 milhões. A lasca de Machado foi de US$ 1,5 milhão. 

quinta-feira, 9 de junho de 2016

The Economist: How to make a good teacher - June 11th 2016.


Matemático Marcelo Viana do IMPA: Grande Prêmio Científico Louis D 2016.

Le Grand Prix scientifique 2016 de la Fondation Louis D.-Institut de France, doté de 450 000 €, sur le thème « géométrie, géométrie algébrique, géométrie differentielle, systèmes dynamiques », est attribué conjointement à François Labourie (Université Nice-Sophia Antipolis) et Marcelo Viana (Unité mixte internationale CNRS - IMPA).


Marcelo Viana a toujours eu de très bons professeurs de mathématiques, ce qui explique peut-être qu’il a toujours aimé cette discipline. Son interêt pour les systèmes dynamiques remonte la fin de ses études universitaires. Une visite à l’ENS à Paris, en 1985, était à l’origine de son premier article de recherche, qui lui a aussi ouvert les portes du doctorat à l’IMPA (Instituto de Matemática Pura e Aplicada, Rio de Janeiro). Il travaille sur plusieurs aspects de la théorie des systèmes que l’on dit chaotiques, c’est-à-dire, dont l’évolution est sensible à des petites variations de l’état initial. Ses travaux lui ont valu plusieurs distinctions académiques, notamment de faire un exposé plénier au Congrès international des Mathématiciens en 1998. Il a dirigé plus d’une trentaine de thèses doctorales et joue un rôle important dans la coopération franco-brésilienne en mathématiques. Il est actuellement directeur général de l’IMPA et président de la commission organisatrice du prochain Congrès international des Mathématiciens, prévu à Rio de Janeiro en 2018.

Brasil = corrupção + crise econômica.

Hoje, um dos melhores títulos de editoriais do ESTADÃO que li nos últimos dias. Corrupção e crise econômica”, resume com inteligência a situação do nosso atual Brasil.

Conforme o jornal, o Banco Mundial passou de 3,9% para 4% a contração econômica prevista para o Brasil em 2016. O crescimento de 1,3% estimado em janeiro para 2017 foi substituído por uma retração de 0,2%. Pelas novas contas, a produção só voltará a aumentar em 2018, com um modesto avanço de 0,8, bem menos de metade da expansão média de 2,1% projetada para a América Latina e o Caribe.


O cenário de contas públicas desarrumadas, baixo investimento e inflação elevada é o mesmo apresentado na maior parte das análises de instituições oficiais e privadas.

Copom mantém a taxa Selic em 14,25% ao ano.

O Copom decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 14,25% a.a., sem viés.

O Comitê reconhece os avanços na política de combate à inflação, em especial a contenção dos efeitos de segunda ordem dos ajustes de preços relativos. No entanto, considera que o nível elevado da inflação em doze meses e as expectativas de inflação distantes dos objetivos do regime de metas não oferecem espaço para flexibilização da política monetária.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Alexandre Antonio Tombini (Presidente), Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Luiz Edson Feltrim, Otávio Ribeiro Damaso, Sidnei Corrêa Marques e Tony Volpon.

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Inflação de 0,78% em maio/2016 é a maior desde 2008.

Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA de maio apresentou variação de 0,78% e superou o índice de abril (0,61%) em 0,17 ponto percentual (p.p.). Foi a taxa mais elevada para os meses de maio desde 2008 (0,79%). Assim, o acumulado no ano (4,05%) foi inferior aos 5,34% registrados em igual período de 2015. O acumulado nos últimos doze meses (9,32%) ficou pouco acima dos 9,28% relativos aos doze meses imediatamente anteriores. Em maio de 2015 o IPCA fora de 0,74%.


A publicação completa sobre o IPCA pode ser encontrada aqui.

Ilan Goldfajn por Ilan Goldfajn: sem mistérios e invenções, direto ao ponto.

Trechos do discurso do competente Ilan Goldfajn na sabatina de sua indicação, agora devidamente aprovada, para a presidência do Banco Central do Brasil. 

O cenário atual é desafiador, com níveis de instabilidade econômica e política superiores à média histórica.
A situação econômica exige grande atenção. Atravessamos a pior recessão da história brasileira, com desemprego em alta e relevante desafio fiscal. Há problemas conjunturais e dificuldades estruturais. A incerteza econômica paralisou o investimento e sequestrou a esperança de muitos.
Ao mesmo tempo, nos encontramos em ambiente internacional desafiador. O período de ventos favoráveis na economia global ficou no passado e a era de juros nulos ou negativos está perto de seu fim, pelo menos nos EUA. Mas tenho absoluta confiança na reversão do atual quadro interno.
Há que se buscar uma economia mais produtiva, competitiva e justa, uma economia que volte a crescer e criar empregos. Uma economia que o Brasil precisa e merece.
Para recuperar a economia, ela precisa ser gerida de forma competente, responsável e previsível. Só assim poderemos estimular o investimento e o crescimento.
Os esforços atuais e as políticas recém-anunciadas têm a direção correta, o que tem permitido o início da recuperação da confiança, essencial para a retomada da economia.
A credibilidade das políticas e dos gestores é essencial, em especial neste momento.
O governo está claramente imbuído do esforço de levar à frente reformas estruturais que, a partir de amplas negociações na sociedade, terão a capacidade de alterar definitivamente o ambiente no país, com profundos e duradouros benefícios para a população.
Mais especificamente, no que tange à política fiscal, a administração do Ministro Henrique Meirelles está consciente e mobilizada para devolver ao país a credibilidade fiscal perdida nos últimos anos.
A eficiência da política monetária do Banco Central será tanto maior quanto mais bem-sucedidos forem os esforços na implantação de reformas e na recuperação da responsabilidade fiscal.
A atuação harmônica e autônoma entre o Ministério da Fazenda e o Banco Central será um fator-chave de sucesso para a recuperação econômica sustentável que todos queremos ver à frente.
Considero haver praticamente consenso de que é preciso reconstruir o quanto antes o tripé macroeconômico formado por responsabilidade fiscal, controle da inflação e regime de câmbio flutuante, que permitiu ao Brasil ascender econômica e socialmente em passado não muito distante.
Todos os brasileiros esperam que a equipe econômica, com o importante apoio do Congresso Nacional, tenha a capacidade de assegurar a retomada de uma trajetória sustentável da dívida pública através da implementação, entre outras medidas, de um teto para o crescimento do gasto público.
Do lado do Banco Central, apoiaremos esse esforço pela via do controle da inflação, que ajudará na redução do risco país, na recuperação da confiança e na retomada do crescimento, e pelo respeito ao regime de câmbio flutuante vigente, que mostrou seu valor para o enfrentamento de crises externas no passado e para o equilíbrio interno e externo da economia brasileira.
O Banco Central também tem o trabalho contínuo – em conjunto com outras instituições – de aprimorar o sistema financeiro. Um sistema mais eficiente permite melhor intermediação dos recursos da sociedade e uma política monetária mais eficaz, que reduz os custos das ações do Banco Central.  

terça-feira, 7 de junho de 2016

Brazil is forecast to contract 4 percent in 2016!

WASHINGTON, June 7, 2016 - The World Bank is downgrading its 2016 global growth forecast to 2.4 percent from the 2.9 percent pace projected in January. The move is due to sluggish growth in advanced economies, stubbornly low commodity prices, weak global trade, and diminishing capital flows.


Brazil is forecast to contract 4 percent in 2016, and its recession is expected to carry over into 2017, amid attempts at policy tightening, rising unemployment, shrinking real incomes and political uncertainty.

Previsão da taxa de câmbio para 31/12/2016: R$/US$ 3,65?


Estimar indicadores como o PIB, a taxa de juros, a taxa de inflação etc é trabalho complexo e, em se tratando de taxa de câmbio, nota-se que especialmente não é tarefa fácil. Pior ainda quando um colega em preparação para viagem ao exterior quer saber se deve ou não comprar a moeda hoje ou deixar para outro momento. Por mais que tenhamos uma pronta resposta, o nosso desconforto pela incerteza pode nos levar até a perder uma quase amizade. Neste tipo de situação a racionalidade de Mario Henrique Simonsen prevalece ao dizer que “em matéria de câmbio, não é pecado mentir”. Isso posto, ao compararmos durante o período de 2001 a 2015 a taxa de câmbio nominal com a taxa de câmbio efetiva, ousamos prever com a melhor das intenções que em 31/12/2016 a nossa taxa de câmbio R$/US$ estará no valor de R$ 3,65

Neste caso, já anotamos para posterior conferência. 

E boa viagem ao nosso estimado colega pernambucano!

Ilan Goldfajn: Presidente do Banco Central do Brasil.


Com inteligência, Ilan Goldfajn, novo Presidente do BACEN, entende que não precisa reinventar a roda e que o tradicional tripé macroeconômico (regime de câmbio flutuante, responsabilidade fiscal e controle da inflação) será devidamente observado, aliada à defesa pela autonomia do Banco Central.

Relevante destacar que o foco de sua gestão será cumprir plenamente o centro da meta da inflação

Sucesso ao competente Economista, mesmo ciente que não terá tarefa fácil pela frente!

segunda-feira, 6 de junho de 2016

Brasil: um país sem poupança, sem presente e sem futuro!



A caderneta de poupança completou o quinto mês consecutivo de saques. Em maio, as retiradas superaram os depósitos em R$ 6,591 bilhões, o pior desempenho já registrado para o mês. Os saques líquidos no ano totalizam R$ 38,888 bilhões, no pior acumulado de cinco primeiros meses da série histórica compilada pelo Banco Central (BC) desde 1995.
Fontes: http://www.bcb.gov.br/?IMPRENSARELPOP
http://www.valor.com.br/financas/4590765/poupanca-tem-maior-saque-para-maio-desde-1995

Macroeconomia do Desenvolvimento - Uma perspectiva keynesiana.



Lançamento de "Macroeconomia do desenvolvimento - uma  perspectiva keynesiana", de José Luis Oreiro, na Livraria Travessa, da Voluntários da Pátria, no próximo 20 de junho de 2016, das 19h às 21h30,  seguido de coquetel.