quarta-feira, 4 de março de 2015

Taxa Selic 12,75% a.a.: este é o Brasil real.

Copom eleva a taxa Selic para 12,75% ao ano.

04/03/2015 20:03 

Brasília – Avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,50 p.p., para 12,75% a.a., sem viés.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Alexandre Antonio Tombini (Presidente), Aldo Luiz Mendes, Altamir Lopes, Anthero de Moraes Meirelles, Luiz Awazu Pereira da Silva, Luiz Edson Feltrim e Sidnei Corrêa Marques.

A alternativa de Delfim Netto.

ANTONIO DELFIM NETTO continua na FOLHA com seus textos sempre necessários ao leitor leigo, mas, principalmente, aos colegas Economistas.   

Não é preciso ser um sofisticado economista "ortodoxo" ou "heterodoxo", classificação que, às vezes, apenas esconde duas igrejas secretas que guardam para si e seus sacerdotes "verdades" que a outra não vê e que, legítima e reciprocamente, colocam em dúvida, para saber que qualquer medida de política econômica tem, necessariamente, dois efeitos:

1-) sobre o nível da atividade, um aumento ou uma subtração do PIB, isto é, do valor adicionado pela combinação do capital e do trabalho e 2-) sobre como se distribuirão os benefícios (no caso de aumento do PIB) e os custos (no caso da subtração) do valor adicionado apropriado, respectivamente, pelo capital (lucro) e pelo trabalho (salário).

No momento em que, pressionados pelas circunstâncias, os países têm de fazer ajustes fiscais, que, até para efeito de "credibilidade", precisam ser acompanhados de reformas estruturais, como é o caso do Brasil, um país em rápido envelhecimento e com péssimas perspectivas para o seu sistema de seguridade social, o sucesso exige tanto arte política quanto competência técnica.

O novo programa do governo não pretende ser "ótimo", mas apenas o mais razoável possível dentro do espaço político disponível. Ele leva em conta os dois efeitos acima mencionados e tenta calibrá-los sem comprometer o nível de igualdade de oportunidade que já atingimos (efeito catraca). O seu grande problema é acordar as esperanças de todos os agentes e mostrar-lhes que a distribuição dos seus custos tem uma proporcionalidade que lhe garante o mínimo de moralidade para que não seja politicamente rejeitada. Como é óbvio, a tarefa só será executada com a compreensão, aprovação e forte apoio de toda a sociedade.

Honestamente, é preciso deixar de lado a hidrofobia, enfrentar todos os preconceitos, dar claro apoio ao programa do governo e confiar na capacidade de execução de seus ministros.

Deixemos de tentar saber se há gasolina no tanque, iluminando-o com um fósforo aceso. Há! Por mais que seja desagradável, é preciso reconhecer que a perspectiva da tempestade perfeita continua a nos espreitar. A alternativa que resta ao Brasil, se não tiver ânimo e forças para restabelecer, de fato, a sua credibilidade fiscal, é aceitar a perda do seu grau de investimento.

A partir daí, ainda que as agências de risco estejam meio desmoralizadas, será uma questão de tempo (não de se...) sermos vítimas de um turbilhão pelo qual, acreditem ou não os "heterodoxos", os famosos mercados dos "ortodoxos" vão nos impor o seu "ajuste", pouco se importando com seus custos ou com os seus efeitos. Nos meus 87 anos, já vi muito leão virar gato...


segunda-feira, 2 de março de 2015

Forbes 2015: os mais ricos do mundo.

                  1º Bill Gates       $79.2 B 59           Microsoft            United States
                #2           Carlos Slim Helu               $77.1 B 75           telecom               Mexico
                #3           Warren Buffett $72.7 B 84           Berkshire Hathaway      United States
                #4           Amancio Ortega              $64.5 B 78           Zara       Spain
                #5           Larry Ellison        $54.3 B 70           Oracle   United States
                #6           Charles Koch     $42.9 B 79           diversified          United States
                #6           David Koch         $42.9 B 74           diversified          United States
                #8           Christy Walton  $41.7 B 60           Wal-Mart            United States
                #9           Jim Walton         $40.6 B 67           Wal-Mart            United States
                #10        Liliane Bettencourt         $40.1 B 92           L'Oreal  France
                 #11        Alice Walton      $39.4 B 65           Wal-Mart            United States
                #12        S. Robson Walton           $39.1 B 71           Wal-Mart            United States
                #13        Bernard Arnault               $37.2 B 65           LVMH   France
                #14        Michael Bloomberg        $35.5 B 73           Bloomberg LP   United States
                #15        Jeff Bezos           $34.8 B 51           Amazon.com     United States
                #16        Mark Zuckerberg            $33.4 B 30           Facebook            United States
                #17        Li Ka-shing          $33.3 B 86           diversified          Hong Kong
                #18        Sheldon Adelson             $31.4 B 81           casinos United States
                #19        Larry Page          $29.7 B 41           Google United States
                #20        Sergey Brin        $29.2 B 41           Google United States
                 #21        Georg Schaeffler             $26.9 B 50           ball bearings      Germany
                #22        Forrest Mars, Jr.              $26.6 B 83           candy    United States
                #22        Jacqueline Mars              $26.6 B 75           candy    United States
                #22        John Mars          $26.6 B 78           candy    United States
                #25        David Thomson                $25.5 B 57           media   Canada
                #26        Jorge Paulo Lemann      $25 B     75           beer      Brazil
                #27        Lee Shau Kee    $24.8 B 87           real estate          Hong Kong
                #28        Stefan Persson $24.5 B 67           H&M     Sweden
                #29        George Soros    $24.2 B 84           hedge funds      United States
                #29        Wang Jianlin      $24.2 B 60           real estate          China
                 #31        Carl Icahn            $23.5 B 79           investments      United States
                #32        Maria Franca Fissolo      $23.4 B 97           Nutella, chocolates        Italy
                #33        Jack Ma               $22.7 B 50           e-commerce     China
                #34        Prince Alwaleed Bin Talal Alsaud              $22.6 B 59           investments      Saudi Arabia
                #35        Steve Ballmer   $21.5 B 58           Microsoft            United States
                #35        Phil Knight          $21.5 B 77           Nike      United States
                #37        Beate Heister & Karl Albrecht Jr.              $21.3 B -              supermarkets   Germany
                #38        Li Hejun               $21.1 B 47           solar power equipment               China
                #39        Mukesh Ambani              $21 B     57           petrochemicals, oil & gas             India
                #40        Leonardo Del Vecchio   $20.4 B 79           eyeglasses         Italy
                 #41        Len Blavatnik     $20.2 B 57           diversified          United States
                #41        Tadashi Yanai    $20.2 B 66           retail     Japan
                #43        Charles Ergen    $20.1 B 62           Dish Network    United States
                #44        Dilip Shanghvi   $20 B     59           pharmaceuticals              India
                #45        Laurene Powell Jobs      $19.5 B 51           Apple, Disney   United States
                #46        Dieter Schwarz $19.4 B 75           retail     Germany
                #47        Michael Dell       $19.2 B 50           Dell        United States
                #48        Azim Premji       $19.1 B 69           software             India
                #49        Theo Albrecht, Jr.           $19 B     64           Aldi, Trader Joe's             Germany
                #50        Michael Otto     $18.1 B 71           retail, real estate             Germany
                 #51        Paul Allen           $17.5 B 62           Microsoft, investments               United States
                #52        Joseph Safra      $17.3 B 76           banking               Brazil
                #53        Anne Cox Chambers      $17 B     95           media   United States
                #54        Susanne Klatten              $16.8 B 52           BMW, pharmaceuticals Germany
                #55        Pallonji Mistry   $16.3 B 85           construction      Ireland
                #56        Ma Huateng      $16.1 B 43           internet media China
                #57        Patrick Drahi      $16 B     51           Telecom              France
                #58        Thomas & Raymond Kwok          $15.9 B -              real estate          Hong Kong
                #59        Stefan Quandt  $15.6 B 48           BMW    Germany
                #60        Ray Dalio             $15.4 B 65           hedge funds      United States
                 #60        Vladimir Potanin              $15.4 B 54           metals  Russia
                #62        Serge Dassault  $15.3 B 89           aviation               France
                #62        Robin Li                $15.3 B 46           internet search China
                #64        Donald Bren      $15.2 B 82           real estate          United States
                #65        Francois Pinault               $14.9 B 78           retail     France
                #66        Shiv Nadar          $14.8 B 69           information technology               India
                #67        Aliko Dangote   $14.7 B 57           cement, sugar, flour      Nigeria
                #68        Mikhail Fridman               $14.6 B 50           oil, banking, telecom     Russia
                #69        Hinduja Brothers             $14.5 B -              diversified          United Kingdom
                #69        Ronald Perelman            $14.5 B 72           leveraged buyouts         United States
                 #71        Cheng Yu-tung $14.4 B 89           diversified          Hong Kong
                #71        Alisher Usmanov             $14.4 B 61           steel & mining, telecom, investments   Russia
                #73        Henry Sy             $14.2 B 90           diversified          Philippines
                #73        Viktor Vekselberg           $14.2 B 57           metals, energy Russia
                #75        Masayoshi Son $14.1 B 57           internet, telecom           Japan
                #76        James Simons   $14 B     76           hedge funds      United States
                #77        German Larrea Mota Velasco    $13.9 B 61           mining  Mexico
                #77        Rupert Murdoch             $13.9 B 83           media   United States
                #77        Johanna Quandt              $13.9 B 88           BMW    Germany
                #80        David & Simon Reuben $13.7 B 72           investments, real estate             United Kingdom
                 #81        Dhanin Chearavanont   $13.6 B 75           food      Thailand
                #82        Iris Fontbona     $13.5 B 72           mining  Chile
                #82        Lui Che Woo      $13.5 B 85           casinos Hong Kong
                #82        Lakshmi Mittal  $13.5 B 64           steel      India
                #85        Abigail Johnson                $13.4 B 53           money management    United States
                #85        Luis Carlos Sarmiento    $13.4 B 82           banking               Colombia
                #87        Lei Jun  $13.2 B 45           smartphones    China
                #87        Charoen Sirivadhanabhakdi       $13.2 B 70           beverages          Thailand
                #89        Alexey Mordashov         $13 B     49           steel, investments         Russia
                #89        Marcel Herrmann Telles              $13 B     65           beer      Brazil
                 #91        Gerald Cavendish Grosvenor    $12.6 B 63           real estate          United Kingdom
                #92        Hans Rausing     $12.5 B 88           packaging           Sweden
                #92        Jack Taylor          $12.5 B 92           Enterprise Rent-A-Car  United States
                #94        Charles Butt       $12.3 B 77           supermarkets   United States
                #94        Gina Rinehart    $12.3 B 61           mining  Australia
                #96        Vagit Alekperov               $12.2 B 64           Lukoil    Russia
                #96        Harold Hamm    $12.2 B 69           oil & gas               United States
                #96        Patrick Soon-Shiong       $12.2 B 63           pharmaceuticals              United States
                #99        Stefano Pessina               $12.1 B 73           drugstores         Italy

                #100      Richard Kinder  $12 B     70           pipelines             United States

A miséria da política - FHC 2015.

Leio hoje no EL PAÍS mais um artigo do sociólogo Fernando Henrique Cardoso, comentando com melancolia o triste momento por que passa este Brasil. 
Otimista por temperamento com os necessários freios que o realismo impõe, raramente me deixo abater pelo desalento. Confesso que hoje, no entanto, quase desanimei: que dizer, que recado dar diante (valham-me os clássicos) de tanto horror perante os céus?
Na procura de alento, pensei em escrever sobre situações de outros países. Passei o Carnaval em Cuba, país que visitava pela terceira vez: a primeira, na década de 1980, quando era senador. Fui jurado em um prêmio Casa de las Américas. Voltei à Ilha como Presidente da República. Vi menos do povo e dos costumes do que na vez anterior: o circuito oficial é bom para conhecer outras realidades, não as da sociedade. Agora visitei Cuba como cidadão comum, sem seguranças, nem salamaleques oficiais. Fui para descansar e para admirar Havana, antes que o novo momento econômico de relações com os Estado Unidos a modifiquem muito.
Não fui, portanto, para avaliar a situação política (sequer possível em sete dias) nem para me espantar com o já sabido, de bom e de mau, que lá existe. Não caberia, portanto, regressar e fazer críticas ao que não olhei com maior profundidade. Os únicos contatos mais formais que tive foram com Roberto Retamar (poeta e diretor da referida Casa de las Américas), com o jornalista Ciro Bianchi e com o conhecido romancista Leonardo Padura. Seu livro El Hombre que amaba los perros — sobre a perseguição a Trotski em seu exílio da União Soviética — é uma admirável novela histórica. Rigorosa nos detalhes, aguda nas críticas, pode ser lida como um livro policial, especialidade do autor, que, no caso, reconstitui as desventuras do líder revolucionário e o monstruoso assassinato feito a mando de Stálin.
Jantei com os três cubanos e suas companheiras. Por que ressalto o fato, de resto trivial? Porque embora ocupando posições distintas no espectro político da Ilha mantiveram uma conversa cordial sobre os temas políticos e sociais que iam surgindo. A diversidade de posições políticas não tornava o diálogo impossível. Eles próprios não se classificavam, suponho, em termos de “nós” e “eles”, os bons e os maus. Por outra parte, ainda que o cotidiano dos cubanos seja de restrições econômicas que limitam as possibilidades de bem-estar, com todos os populares com quem conversei, senti esperanças de que no futuro estariam melhores: o fim eventual do embargo, o fluxo de turistas, a liberdade maior de ir e vir, as remessas aumentadas de dinheiro dos cubanos da diáspora, tudo isso criou um horizonte mais desanuviado.
É certo que nem em todos os contatos mais recentes que tive com pessoas de nossa região senti o mesmo ânimo. Antes de viajar recebi a ligação telefônica da mãe de Leopoldo Lopes, oposicionista venezuelano que cumpriu um ano de cadeia no dia 18 de fevereiro. Ponderada e firme, a senhora me pediu que os brasileiros façamos algo para evitar a continuidade do arbítrio. Ainda mantém esperanças de que, ademais dos protestos no Congresso e na mídia, alguém do governo entenda nosso papel histórico e grite pela liberdade e pela democracia.
Esta semana foi a vez de Henrique Capriles me telefonar para pedir solidariedade diante de novos atos de arbítrio e truculência em seu país: o prefeito Antonio Ledezma, eleito ao governo do Distrito Metropolitano de Caracas pelo voto popular,havia sido preso dias antes em pleno exercício de suas funções. Não bastasse, em seguida houve a invasão de vários diretórios de um partido oposicionista. Note-se, como me disse Capriles, que Ledezma não é um político exaltado, que faz propostas tresloucadas: ele, como muitos, deseja apenas manter viva a chama democrática e mudar pela pressão popular, não pelas armas, o nefasto governo de Nicolás Maduro. Esperamos todos que o desrespeito aos direitos humanos provoque reações de repúdio ao que acontece na Venezuela.

Até mesmo os colombianos, depois de meio século de luta armada, vão construindo veredas para a pacificação. As FARC e o governo vêm há meses, lenta, penosa mas esperançadamente abrindo frestas por onde possa passar um futuro melhor. Amanhã, segunda-feira, 2 de março, o presidente Santos e outras personalidades, entre as quais Felipe González, estarão reunidos em Madri num encontro promovido por EL PAÍS (ao qual não comparecerei por motivos de força maior) para reafirmar a fé na paz colombiana.
Enquanto isso, nós que estamos longe de sofrer as restrições econômicas que maltratam o povo cubano ou os arbítrios de poder que machucam os venezuelanos, eles também submetidos à escassez de muitos produtos e serviços, nos afogamos em copo d’água.
Por que isso, diante de uma situação infinitamente menos complexa? Por que Lula, em lugar de se erguer ao patamar que a história requer, insiste em esbravejar, como fez ao final de fevereiro, dizendo que colocará nas ruas as hostes do MST (pior, ele falou nos “exércitos”...) para defender o que ninguém ataca, a democracia e — incrível — para salvar a Petrobras de uma privatização que tucano algum deseja? Por que a presidente Dilma deu-se ao ridículo de fazer declarações atribuindo a mim a culpa do Petrolão? Não sabem ambos que quem está arruinando a Petrobras (espero que passageiramente) é o PT que, no afã de manter o poder, criou tubulações entre os cofres da estatal e sua tesouraria? Será que a lógica do marquetismo eleitoral continuará a guiar os passos da Presidente e de seu partido? Não percebem que a situação nacional requer novos consensos, que não significam adesão ao governo, mas viabilidade para o Brasil não perder suas oportunidades históricas?

Confesso que tenho dúvidas se o sentimento nacional, o interesse popular, serão suficientes para dar maior têmpera e grandeza a tais líderes, mesmo diante das circunstâncias potencialmente dramáticas das quais nos aproximamos. Num momento que exigiria grandeza, o que se vê é a miséria da política. 

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

A "primavera" de Delfim Netto.

ANTONIO DELFIM NETTO, como sempre, recentemente na FOLHA DE S. PAULO, compartilha a sua visão do mundo econômico e político brasileiro, com a experiência de quem realmente conhece todos os lados da moeda e sinaliza o que pode realmente vir por aí. Pelo menos nos próximos dois anos, a situação não estará fácil.    
Uma ótima leitura para os meus quase dois (milhões de) fiéis leitores.    

Quem foi premiado com uma longa experiência pública com o setor privado (financeiro e real) sabe 1º) que, para o empresário, o nível de volatilidade do seu humor é proporcional à perspectiva de flutuação da sua conta bancária, o que o torna um curto-prazista e 2º) que a inquietação que ataca os trabalhadores é a perspectiva de aumento do nível de desemprego.
As dificuldades de manter a coesão de suas famílias e sua integração na empresa, a ausência de reservas de poupança, o nível de seu endividamento e a precariedade do auxílio ao desemprego explicam a angústia por resultados imediatos, o que os torna, também, curto-prazistas.
Esses fatos explicam por que o "ajuste", mesmo quando sabidamente indispensável para que num prazo mais longo se recupere o aumento da taxa de crescimento do PIB e a continuidade da inclusão social, é frequentemente retardado e sempre sujeito às vicissitudes do período eleitoral.
É porque o seu sucesso depende essencialmente da arte política de convencer a sociedade que o "ajuste" será o mais inteligente possível (minimiza os seus custos econômicos e sociais) e o mais equânime (distribui os custos proporcionalmente a quem pode e deve pagá-los) para maximizar a sua moralidade.
Como é absolutamente evidente, as condições necessárias para que o "ajuste" seja bem-sucedido são a credibilidade e "convicção" do poder incumbente, a qualidade do programa e a reconhecida competência dos encarregados de sua execução. Não há condição suficiente para garantir o seu sucesso, a não ser, talvez, a sorte...
Por maiores e mais preconceituosas que sejam as desconfianças de parte da sociedade em relação à presidente Dilma, é preciso reconhecer a sua coragem. Diante das dificuldades de 2011-2014, ela escolheu uma nova política econômica e chamou os ministros Joaquim Levy, Nelson Barbosa, Armando Monteiro e Kátia Abreu para executá-la.
Trata-se de um programa razoável dentro das limitações políticas vigentes, que, sem diminuir a ênfase na igualdade de oportunidades, apresenta um caminho realista para nos aproximar da administração "normal" dos países mais bem-sucedidos.
Mas ele não será percorrido em menos de dois anos.

Se a sociedade não for convencida politicamente dos benefícios da troca de algum sacrifício no curto prazo pelas condições de crescimento mais robusto e equilibrado no futuro e não tiver a paciência de esperar os seus frutos, o curto-prazismo acabará prevalecendo. E, quando a primavera chegar, em setembro, se eu conheço os empresários e os trabalhadores, nós os veremos pedindo a troca do programa e dos ministros...

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Uma aula de economia com Ilan Goldfajn.

Li recentemente no site do Banco ITAÚ uma excelente entrevista com o Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco. A matéria é extremamente rica e importante para a leitura e avaliação dos colegas, bem como para entendermos o que acontece e pode acontecer com a economia brasileira.

Boa leitura aos meus dois (milhões de) ainda fiéis leitores.

O risco cada vez mais iminente da adoção de racionamento de energia e a crise na Petrobras podem levar o Brasil a registrar retração de 1% do PIB em 2015, prevê Ilan Goldfajn, economista-chefe do Itaú Unibanco. Para Goldfajn, que foi diretor de Política Econômica do BC (2000-2003) e economista do FMI (1996-1999), o país vive uma "turbulência perfeita" com uma série de notícias negativas que mantém os índices de confiança baixos e dificultam a retomada dos investimentos. A seguir, os principais trechos da entrevista.

Valor: Qual a perspectiva para o crescimento do PIB neste ano?
Ilan Goldfajn: Basicamente o que estamos observando é uma conjunção de fatores que devem levar a um crescimento negativo (recessão) neste ano. Dos fatores importantes para essa desaceleração, o primeiro é que os índices de confiança estão muito baixos, não estamos vendo uma retomada do investimento. Tínhamos a esperança que, na medida em que se tem o começo do segundo mandato, o investimento pudesse retomar, mas isso não aconteceu. Isso tem a ver também com a questão da Petrobras, com os problemas políticos que dificultam ter uma visão mais clara sobre o que vem pela frente. Além disso, há impactos diretos de algumas variáveis, por exemplo, no setor de petróleo devemos ter menos investimentos. Os setores de construção e infraestrutura provavelmente terão algum impacto de menor produção também, nem que seja na reorganização de novos projetos, que vão demorar para começar. Considerando esses fatores, revisamos a projeção para o PIB de 0% para - 0,5%. Mas não para por aí, temos o risco de racionamento de energia elétrica e de água [no Estado de São Paulo]. O racionamento de energia elétrica tem impacto no PIB, o de água é mais difícil de calcular. Mas fazendo a nossa melhor estimativa, se for decretado racionamento de energia, pode ter uma queda de mais 0,5% do PIB, levando a uma retração de 1% em 2015. É um começo do que, até brinco, seria uma turbulência perfeita. São os riscos se materializando.

Valor: Qual o impacto da crise da Petrobras e da Operação Lava-Jato para o PIB e para o resultado fiscal?
Goldfajn: A Petrobras é a maior empresa do setor de petróleo. De forma geral no setor, estimamos queda de 20% nos investimentos e de 15% na produção. Já do lado fiscal, o impacto tem de ser calculado. Você produz menos, tem menos dividendos, menos royalties.

Valor: A troca de comando na Petrobras será suficiente para retomar a credibilidade junto aos investidores?
Goldfajn: Para ter aumento de confiança, tem de ter confiança em tudo. A questão dos escândalos, das dúvidas, dos problemas legais afetam o investimento. Temos de levar em consideração que os processos legais, que são feitos de forma institucional, reforçam a democracia, as instituições e, lá na frente, podem contribuir para um país mais forte. No caso, não é uma questão só de substituição de nomes, mas de mostrar que de fato há uma mudança na gestão, que a empresa começa a dar a volta por cima e isso é relevante.

Valor: O governo conseguirá entregar a meta de superávit primário de 1,2% do PIB neste ano?
Goldfajn: Há um desafio extra. Quando a meta para este ano foi anunciada, o déficit esperado para o ano passado era perto de 0%. Nós tínhamos 0,2% do PIB. O resultado do ano passado foi negativo em 0,6%, ou seja, estamos falando de uma diferença de 0,8%. Para uma mesma meta de 1,2%, você precisava fazer 1% de ajuste e agora precisa fazer 1,8%. É um desafio grande. Agora, eu vejo a equipe econômica comprometida em atingir a meta, comprometida em reduzir o déficit primário para um superávit primário, em reduzir o déficit nominal que foi 6,3%, um dos maiores do mundo no ano passado, preocupada com a dinâmica da dívida bruta e em levá-la para baixo. A minha expectativa é que venham mais medidas. O governo vai cortar despesa corrente, investimento, aumentar tributos, tudo isso que já está aí, na esperança de lá na frente retomar o crescimento.

Valor: Há a possibilidade de retomar o crescimento em 2016?
Goldfajn: Acho que 2016 ainda está no jogo. Prevemos que o PIB pode crescer em torno de 1%, se o governo conseguir a retomada. Mas tem que ter todo mundo comprometido e outras medidas, como reformas, melhorar a produtividade, reduzir o custo de se fazer negócios, ou seja, a retomada da credibilidade fiscal é importantíssima, mas para crescer em 2016 é preciso mais do que isso.

Valor: Qual o cenário para inflação neste ano? O BC conseguirá alcançar o objetivo de levar a inflação para perto do centro da meta em 2016?
Goldfajn: Acho que este ano, com um aumento dos preços administrados acima de 10%, vai ser difícil ficar com inflação abaixo do teto da meta de 6,5%, nossa projeção é de 7,1%. Mas uma parte dessa expectativa tem a ver com o aumento de 30% a 40% de energia elétrica. Esse aumento já reflete a escassez de energia. Por outro lado, quando você olha os preços livres, os preços de serviços, eles já estão começando a ir na direção correta, ou seja, já começa a se imaginar que a partir de 2016 a inflação começa a convergir. Estamos prevendo inflação abaixo de 5,5% para 2016, porque hoje há uma demanda muito menor, uma economia crescendo abaixo do potencial, um cenário internacional desinflacionário, com quase todos os bancos centrais reduzindo juros, estimulando a economia através de programas de quantitative easing [afrouxamento monetário] como o do Banco Central Europeu. No entanto, temos uma corcova dos preços administrados. Hoje estamos pagando pela política de congelamento de preços que se adotou nos últimos anos. Desta forma, nosso cenário é de elevação final de 0,25 ponto percentual da taxa básica de juros na próxima reunião do Comitê de Política Monetária [Copom], levando a taxa Selic para 12,50%.

Valor: Na semana passada foi anunciada a mudança na diretoria do BC, com saída do diretor de Política Econômica, Carlos Hamilton, e a indicação de um executivo de mercado, Tony Volpon. O que esperar da nova diretoria?
Goldfajn: As decisões vão continuar sendo tomadas por um comitê, a mudança de um outro membro não tem essa força toda, para mudar completamente a forma de pensar. Quem está ocupando a diretoria de Política Econômica é alguém que já estava lá [Luiz Awazu Pereira da Silva], a diretoria tem dois novos membros, acho que são bem-vindos. Voltar a ter um membro que vem do mercado é bem-vindo, mas não vejo nem melhor nem pior que um membro bom dos quadros do BC. O Carlos Hamilton foi um diretor muito bom. Ele não se furtou a contribuir, sempre estava disposto a ter um diálogo aberto com todas as frentes da sociedade. Tenho certeza que foi um colega que sempre contribuiu com o resto dos membros e também não se furtou a discordar quando foi necessário, e essa característica é interessante manter.

Valor: O sr. esteve em Davos, no Fórum Econômico. Qual a avaliação da percepção dos investidores estrangeiros em relação ao Brasil?
Goldfajn: A minha impressão é que a recepção à equipe econômica foi muito boa, o discurso foi muito bom, abriu-se espaço para a volta da confiança. Agora, logo depois de Davos tivemos vários choques aqui, a tempestade perfeita, desde racionamento, à questão da Lava-Jato, do déficit [fiscal]. Então, há uma confiança maior na equipe econômica e há a percepção de mais dificuldade com respeito à realidade. Agora, um fator que todos nos perguntaram é o apoio do conjunto do governo a essas medidas [fiscais], não só da equipe econômica, mas do resto dos ministros, presidente, dos partidos de coalização. E isso é relevante para confiança. A aprovação das medidas no Congresso vai ser muito importante como primeiro sinal.

Valor: Como o sr. avalia o risco de um rebaixamento do rating do Brasil após o anúncio das medidas fiscais?
Goldfajn: Eu diria que assim que foram anunciadas a meta e as medidas fiscais, as agências de classificação de risco ficaram mais relaxadas. Começou o ano, os números piores do ano passado vieram e acendeu o alerta de volta. Na medida em que começa a ficar difícil atingir a meta, porque no ano passado foi a festa fiscal, faz com que mesmo com todos os esforços fique alguma dúvida sobre a capacidade de atingir [a meta], e, portanto, dúvida com relação às agências.

Valor: Na semana passada, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, trouxe dúvidas sobre a continuação das atuações do BC no câmbio. Há espaço para reduzir as intervenções?

Goldfajn: Eu entendo que no discurso em novembro, quando a equipe econômica foi anunciada, eles deixaram claro que o estoque de proteção cambial, os famosos swaps e o hedge que estava sendo vendido, em torno de US$ 100 bilhões é um tamanho adequado, e, portanto, isso significa que não vai aumentar esse estoque muito mais, mas também não vai reduzi-lo de forma acentuada. Acho que o mercado pode ter a tranquilidade que algum estoque de proteção vai se manter, mas também de que esse estoque não é infinito, que possa comprometer as finanças do BC e do resto do setor público. Você pode manter o estoque rolando 100%, ou rolando 80% e com um programa pequeno, mas a intenção de manter o estoque me parece parte relevante da política cambial. De qualquer forma, não imagino o real se apreciando muito mais ao longo do tempo. Acho que ele deve fechar o ano em R$ 2,90, caminhando mais ou menos com a inflação.