terça-feira, 27 de setembro de 2016

BACEN: Em 2016 queda de 3,3% no PIB e inflação de 7,3%. A conferir!!!

O cenário básico do Comitê de Política Monetária (Copom) contempla estabilização da atividade econômica no curto prazo e possível retomada gradual ao longo dos próximos trimestres, em contexto de elevado nível de ociosidade na economia. A evolução dos preços evidencia processo de desinflação em curso. Os índices de preços, embora desacelerassem no trimestre encerrado em agosto, registraram inflação acima das expectativas para o período, refletindo arrefecimento de preços em intensidade inferior ao padrão sazonal. A despeito desse comportamento recente, as perspectivas são de continuidade do processo de desinflação nos próximos trimestres. Essa expectativa é corroborada pelas projeções produzidas pelo Copom e por medidas de expectativas de inflação apuradas pela pesquisa Focus. No entanto, a velocidade de desinflação permanece incerta. No âmbito externo, o cenário ainda apresenta interregno benigno para economias emergentes. No entanto, as incertezas sobre o crescimento da economia global e, especialmente, sobre a normalização das condições monetárias nos Estados Unidos da América (EUA) persistem. A inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) no trimestre encerrado em agosto ficou 0,48 pontos percentuais (p.p.) acima das projeções do Copom feitas à época do Relatório de junho. Identificam-se aqui os componentes que produziram as maiores discrepâncias nesse período, e apresentam-se projeções para a inflação do IPCA para os meses de setembro, outubro e novembro, de 0,19%, 0,40% e 0,45%, respectivamente. No que se refere a projeções condicionais de inflação, de acordo com os procedimentos tradicionalmente adotados, no cenário de referência projeta-se inflação de 7,3% em 2016, de 4,4% em 2017 e de 3,8% em 2018. No cenário de mercado, as projeções apontam inflação de 7,3% em 2016, de 4,9% em 2017 e de 4,6% em 2018. A extensão das projeções até o quarto trimestre de 2018 cumpre o papel de cobrir a totalidade dos anos-calendário para os quais já há definição das metas para a inflação por parte do Conselho Monetário Nacional (CMN). Este Relatório apresenta, ainda, dois cenários adicionais que combinam hipóteses dos cenários de referência e de mercado. O boxe “Projeção para o PIB de 2017 e revisão para o de 2016” apresenta projeções para o crescimento da economia. A projeção para 2016 foi mantida em -3,3%, mas sofreu pequenas mudanças de composição. Para 2017, a projeção de crescimento atinge 1,3%. O Copom avalia que uma flexibilização das condições monetárias dependerá de fatores que permitam que os membros do Comitê tenham maior confiança no alcance das metas para a inflação. Dentre os elementos que podem permitir maior confiança no alcance das metas, o Comitê destaca os seguintes fatores domésticos: (i) que a persistência dos efeitos do choque de alimentos na inflação seja limitada; (ii) que os componentes do IPCA mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica indiquem desinflação em velocidade adequada; e (iii) que ocorra redução da incerteza sobre a aprovação e a implementação dos ajustes necessários na economia, incluindo a composição das medidas de ajuste fiscal e seus respectivos impactos sobre a inflação. Em relação ao primeiro fator, evidências recentes indicam que a queda nos preços de alimentos no atacado tem se transmitido para o varejo. Além disso, projeções para subitens de alimentos parecem mostrar maior segurança no processo de reversão do choque de preços nesse setor. De fato, uma parte da resistência recente à queda da inflação corrente parece ter sido causada por choques temporários nos preços de alimentos. O Copom se manterá atento a sinais de que essa resistência também possa advir de mecanismos inerciais. No que tange ao segundo fator, ainda há sinais inconclusivos quanto à velocidade de desinflação em direção à meta, como mostra o Boxe “Inflação no setor de serviços” deste Relatório. O Copom avaliará (i) a tendência de desinflação de diversas medidas da inflação de serviços; e (ii) os efeitos secundários que a desinflação desse grupo poderá ter sobre outros componentes do IPCA. Quanto ao terceiro fator, há sinais positivos em relação ao encaminhamento e à apreciação das reformas fiscais. Entretanto, o processo de tramitação ainda está no início e as incertezas quanto à aprovação e à implementação dos ajustes necessários permanecem. Essas reformas são relevantes para o Banco Central na medida em que têm impacto sobre o balanço de riscos e a trajetória da inflação em relação ao alcance das metas.

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Boletim Focus: E o PIB 2016 em queda estimada de 3,14%.

No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado estima inflação menor e melhora no PIB. 

Previsões de melhora do PIB e inflação em leve queda.

Em síntese: 

PIB: melhorou a queda de 3,15% para 3,14%;
Inflação: IPCA em leve baixa de 7,34% para 7,25%;
Dólar: leve baixa de R$ 3,30 para R$ 3,29;
Taxa básica de juros (Selic): manteve-se em 13,75%.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

CAGED: 1.656.144 empregos perdidos nos últimos 12 meses!

O emprego formal apresentou em agosto um recuo na trajetória de perda de postos de trabalho. No mês, a retração na geração de postos de trabalho foi de 0,09% em comparação a julho, com saldo negativo de 33.953 vagas. A perda, entretanto, foi significativamente menor do que a registrada em agosto de 2015, quando houve o fechamento de 86.543 vagas formais.

Os dados são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados nesta sexta-feira (23) pelo Ministério do Trabalho. O saldo de agosto foi oriundo de 1.253.728 admissões contra 1.287.681 desligamentos. No acumulado do ano, o nível de emprego formal apresentou declínio de 1,64%, correspondendo à perda de 651.288 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses, o recuo foi da ordem de 1.656.144 empregos, retração de 4,07%. Com o resultado, o estoque de emprego para o mês alcançou 39.042 trabalhadores com carteira de trabalho assinada no país.

Setores - Segundo o levantamento, três setores de atividade econômica apresentaram saldo positivo de geração de empregos no mês. A Indústria de Transformação registrou a maior alta, com a criação de 6.294 vagas, invertendo a tendência registrada em agosto de 2015. Dos doze ramos que compõem a indústria de transformação, destaca-se a produção de alimentos, com geração de 8.687 vagas, e o setor de calçados, com 2.684 novas vagas no mês.

O setor do Comércio também apresentou saldo positivo, com geração de 888 postos no mês, seguido do setor de Extrativa Mineral, com um crescimento de 0,18% e a geração de 366 vagas de trabalho. Dentre os demais setores, os que registraram maiores perdas de emprego foram Construção Civil (-22.113 postos), Agricultura (-15.436 postos) e Serviços (-3.014 postos).

Dados estaduais - O emprego formal apresentou resultado positivo em 13 estados brasileiros, com destaque para Pernambuco (9.035), impulsionado pelo desempenho positivo da indústria de produtos alimentícios (7.016). O resultado é decorrente do impacto da alta do cultivo de cana de açúcar, que gerou 1.323 postos de trabalho em todo o país. Paraíba registrou a criação de 5.905 postos de trabalho, seguida de Alagoas (4.099) e Santa Catarina (3.014).

A maior queda no nível de emprego formal foi registrada no Rio de Janeiro, com o fechamento de 28.321 vagas, impactado pelo ramo Comércio e Administração de Imóveis (-8.395) e Serviços de Alojamento e Alimentação (-4.452), dados influenciados também pelo fim dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. Também houve também perda de vagas em Minas Gerais (-13.121), devido o fim do ciclo de produção de café, e Espírito Santo (-4.862).


Confira mais detalhes no link http://pdet.mte.gov.br/caged.

Na Bloomberg, os 50 mais influentes do mundo. Do Brasil: Moro e Lemann!


Na Bloomberg Businessweek, os nomes das 50 pessoas mais influentes do mundo neste 2016. 

Em destaque, os brasileiros Sérgio Moro e Jorge Paulo Lemann


quinta-feira, 22 de setembro de 2016

The Economist: Living in a low-rate world - Sep 24th, 2016.


Para 2016, enquanto o PIB global é estimado em 2,3% o do Brasil terá queda de 3,2%, a pior dos grandes!

No relatório divulgado pela Conferência da ONU para o Comércio e Desenvolvimento - UNCTAD, o Brasil terá, em 2016, a maior contração entre as grandes economias do mundo e a queda deve continuar em 2017. 

Para 2016, enquanto o PIB global é estimado em 2,3% o do Brasil terá queda de 3,2%, a pior dos grandes! 

Ainda existe alguém a culpar o cenário externo pela a nossa tragédia interna???


quarta-feira, 21 de setembro de 2016

No cenário complexo da economia brasileira crescimento de 0,7% e queda de 0,5%!!! Isso pode Arnaldo?

Em agosto, o Indicador Antecedente Composto da Economia (IACE) para o Brasil, que mede a atividade econômica do país e tenta antecipar a direção da economia brasileira a curto prazo, avançou 0,7%. Segundo o Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e a instituição The Conference Board, que divulgaram hoje (20) o indicador, esta foi a sétima alta consecutiva, que alcançou 98,9 pontos.

O indicador permite a comparação dos ciclos econômicos do Brasil com o de outros 11 países e regiões. “A continuidade da trajetória de avanço do Iace nos últimos meses segue sendo explicada de forma majoritária pelas expectativas favoráveis”, disse o economista e coordenador do IPC Brasil da FGV/Ibre, Paulo Picchetti.

Já o Indicador Coincidente Composto da Economia (ICCE), que mede as condições econômicas atuais e a intensidade da atividade econômica, apresentou queda de 0,5% entre julho e agosto, somando 97,2 pontos.

“Os acontecimentos políticos recentes podem viabilizar escolhas que concretizem essas expectativas, que, tal como refletido pelo comportamento do Icce nesses últimos meses, ainda não afetaram o ambiente econômico atual de forma decisiva”, concluiu Picchetti.



terça-feira, 20 de setembro de 2016

A trajetória do IBC-Br evidencia que a economia brasileira continua em recessão, porém...


O IBC-Br, indicador de atividade do Banco Central, divulgado ontem e relativo ao mês de julho/16 registrou queda de 0,09% na atividade econômica brasileira. No acumulado dos últimos 12 meses a retração é de 5,61%, evidenciando os desacertos da política econômica então adotada. Na imagem acima é visível a desaceleração a partir de janeiro de 2015, iniciando certa estabilidade em meados de maio deste ano. Porém, o Brasil atravessa uma das piores recessões da sua história e o retorno ao crescimento do PIB ainda demorará um pouco. Que venha 2018!!!    

UNIFOR: a melhor do Norte e Nordeste.


Pelo 5º ano consecutivo, a UNIFOR se consolida como a melhor do Norte e Nordeste entre as instituições privadas no ranking universitário da Folha de São Paulo (RUF).  

Somos também a número 1 nos quesitos:

- Ensino
- Mercado
- Inovação

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Senhor político, como, ainda em 2016, é possível admirar a Coreia do Norte?


Boletim Focus: base 17/09 e o PIB 2016 em queda estimada de 3,15%

No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado estima inflação menor e melhora no PIB. 

Previsões de melhora do PIB e inflação em queda somente para 2017!

Em síntese: 

PIB: melhorou a queda de 3,18% para 3,15%;
Inflação: IPCA em leve baixa de 7,36% para 7,34%;
Dólar: leve alta R$ 3,25 para R$ 3,30;
Taxa básica de juros (Selic): manteve-se em 13,75%.

sábado, 17 de setembro de 2016

Brasil: ajustes fundamentais para sair da crise neste 2016.

Em sua ótima autobiografia – A Lanterna na Popa -, o profético Roberto Campos escreveu o que avaliou como necessário fazer para no Brasil se criar um clima propício ao desenvolvimento sustentável:

 - Manter a inflação baixa e taxas cambiais competitivas;

- Investir na formação do capital humano, particularmente na educação básica;

- Criar sistemas financeiros seguros e eficientes para a proteção e alocação da poupança;

- Limitar as distorções de preços, de modo que o custo da mão de obra e as taxas de juros reflitam a escassez relativa desses fatores;

- Facilitar a absorção de tecnologia estrangeira;

- Evitar tratamento discriminatório em desfavor do setor agrícola.

Estamos em 2016 e ainda não aprendemos o óbvio... 

John Boyne: mestre na arte de escrever uma bela história!!!


sexta-feira, 16 de setembro de 2016

1.510.703 postos de trabalho perdidos em 2015: a cara do Brasil que deu errado!!!

Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) - relativos ao ano de 2015  e divulgados nesta sexta-feira (16) pelo Ministério do Trabalho - o nível de emprego formal no país apresentou queda de 3,05% em relação ao estoque de trabalhadores formais de 2014, o que corresponde em termos absolutos, uma perda de 1.510.703 postos de trabalho no ano. Com isso, o estoque de trabalhadores que era de 49,6 milhões recuou para 48,1 milhões de postos no ano. Ao todo foram 8,3 milhões de estabelecimentos que declaram a RAIS no país.

O universo de declarantes da RAIS é mais abrangente que o do CAGED, pois, além do contingente de celetistas, engloba também o conjunto de estatutários que trabalham no setor público. Em comparação a 2014, observou-se que entre os celetistas a queda do nível de emprego chegou a 3,45%, representando um declínio de 1.364.280 postos de trabalho. Já entre os estatutários a tendência de queda ocorreu com menor intensidade, uma retração de 1,51%, correspondente à eliminação de 135.738 postos de trabalho.


Com relação aos rendimentos, os dados da RAIS 2015 revelam que os rendimentos médios reais dos trabalhadores, percebidos no mês de dezembro de 2015, sofreram um recuo de 2,56% em relação a dezembro de 2014. Em termos absolutos, a remuneração média dos trabalhadores passou de R$2.725,28 em 2014 para R$ 2.655,60 em 2015.

Os dados completos da RAIS 2015 estão disponíveis na página do MTb, no link http://pdet.mte.gov.br/rais

Valor Econômico: "O milagre de Sobral".


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

Bayer e Monsanto criarão líder global na agricultura: US$ 66 bilhões!

A operação é a realização de uma visão compartilhada de ofertas agrícolas integradas que levam aos produtores soluções melhoradas, além de criar um motor em inovação para a próxima geração da agricultura; US$ 128 por ação em uma operação à vista, o que representa um prêmio de 44% para os acionistas da Monsanto e um valor agregado de US$ 66 bilhões;Criação de valor significativo, com sinergias anuais esperadas em cerca de US$ 1,5 bilhão após o terceiro ano, além de sinergias adicionais derivadas de soluções integradas em anos futuros; Os acionistas da Bayer devem se beneficiar de um acréscimo ao LPA básico no primeiro ano completo após o fechamento e de um acréscimo de dois dígitos percentuais no terceiro ano completo; Compromisso em manter forte presença nos EUA com a sede combinada global e norte-americana para o negócio de Sementes & Traits em St. Louis.

Leverkusen / St. Louis, 14 de setembro de 2016 - A Bayer e a Monsanto anunciaram hoje que assinaram um contrato de fusão definitiva sob o qual a Bayer vai adquirir a Monsanto por US$ 128 por ação em uma operação à vista. O Conselho de Administração da Monsanto, o Conselho de Administração da Bayer e o Conselho Fiscal da Bayer aprovaram o contrato por unanimidade. Com base no preço de fechamento das ações da Monsanto em 9 de maio de 2016, dia anterior à primeira proposta feita por escrito pela Bayer à Monsanto, a oferta representa um prêmio de 44% sobre tal preço.

"Temos o prazer de anunciar a combinação de nossas duas grandes organizações. Isso representa um grande passo para nosso negócio Crop Science e reforça a posição de liderança global da Bayer como empresa de Ciências da Vida, impulsionada pela inovação e que ocupa posições de liderança em seus principais segmentos, entregando valor substancial aos acionistas, clientes, funcionários e à sociedade em geral", disse Werner Baumann, CEO da Bayer AG.

"O anúncio de hoje é prova de tudo que conseguimos realizar e do valor que criamos para os nossos stakeholders na Monsanto. Acreditamos que a fusão com a Bayer traz muito valor aos nossos acionistas, principalmente por conta da contraprestação à vista", disse Hugh Grant, presidente e CEO da Monsanto.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

Ceará: a pior seca prolongada desde 1910.


Investimentos do FGTS geram 3,5 milhões de empregos diretos por ano.

Os 50 anos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) foi celebrado nesta terça-feira (13) em evento no Ministério do Trabalho com a presença do ministro, Ronaldo Nogueira, do presidente da Caixa, Gilberto Occhi, e o presidente dos Correios, Guilherme Campos, e da secretária Nacional de Habitação do Ministério das Cidades, Maria Henriqueta Alves. Na oportunidade foi lançado um selo comemorativo aos 50 anos e um bilhete especial da Loteria Federal. Ao final, o ministro fez a entrega da premiação aos vencedores do concurso de melhores monografias sobre o FGTS.

Presidente do Conselho Curador do  FGTS, Ronaldo Nogueira destacou a importância do fundo em prol do trabalhador e como fator de desenvolvimento do país. “São 3,5 milhões de empregos diretos gerados anualmente, como resultado de um orçamento direcionado às obras habitacionais, de saneamento e de infraestrutura. Somente para esse ano, a previsão é de uma aplicação de R$103,7 milhões. No quadriênio (2016/19), serão R$302 bilhões injetados na economia por meio de seus programas de financiamento”, destacou o ministro.

Ao setor de habitação popular, que contempla famílias com rendimentos de até R$ 6.500,00, serão destinados R$231,7 bilhões no quadriênio, que vão beneficiar 2,2 milhões de famílias. Outros R$ 31,5 bilhões serão direcionados a obras de saneamento básico e R$ 32 bilhões para infraestrutura urbana no mesmo período.

Com um total de R$498 bilhões em ativos e patrimônio líquido superior a R$100 bilhões, o FGTS se consolidou, nestes 50 anos, como um dos principais agentes de desenvolvimento do país. No período foram mais de R$426 bilhões injetados na economia no financiamento a obras de moradia popular, rodovias, portos, hidrovias, aeroportos, ferrovias, energia renovável e saneamento básico.

Contabilizados os últimos 20 anos, foram injetados R$408 bilhões na economia por meio de empréstimos habitacionais que possibilitaram a construção de mais de 7 milhões de moradias, beneficiando cerca de 350 mil pessoas e possibilitando a geração de 21 milhões de emprego desde 1995. “Ou seja, o papel do FGTS tem sido primordial na economia nos seus 50 anos de existência, demonstrando a importância de manutenção de suas políticas e de apoio as suas iniciativas”, avaliou Ronaldo Nogueira.

Reunião do Conselho – Após os atos comemorativos, o ministro Ronaldo Nogueira presidiu a 154ª reunião ordinária do Conselho Curador no ministério, onde foram aprovadas duas resoluções: a primeira inclui a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) e a União Geral dos Trabalhadores (UGT) no Grupo de Trabalho criado para discutir a governança e o direcionamento do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS). A segunda enquadra os financiamentos com recursos destinados aos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI) e Letras de Crédito Imobiliário (LCI) no Sistema Financeiro de Habitação. Com essa mudança, o FGTS pode investir recursos dessa modalidade dentro das normas do SFH, ou seja, em imóveis com limites até R$750 milhões.


Em fevereiro, o Conselho liberou R$10 bilhões para investimento em CRIs. Ao vender esses papéis para o FGTS, o banco conta com novos recursos para aplicar em habitação. Essas operações foram autorizadas em duas parcelas nesse ano. A primeira - de R$4 bilhões – já foi liberada em março e outra de R$6 bilhões será disponibilizada até dezembro, dentro das novas regras aprovadas nesta terça-feira (13).

Brasil: quando a confiança no governo faz a economia sair do buraco!



segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Ministro Celso de Mello no STF: "A corrupção é o cupim da República".

A política é a conquista do poder a serviço do bem comum. Logo, fica excluída a gula do poder para gôzo próprio, ou de sua família ou classe. Se ao político, no interêsse comum, é defeso o emprego de meios imorais (...), que nome terá quem, sob a capa da política, esconde apenas o apetite depravado de usufruir as vantagens do poder, monopolizando-o, degradando-o a instrumento de opressão e abastardamento de seu país? Êsse é apenas o delinqüente da política. Será tratado como tal se malograr-se o crime. (...).” (grifei) 

O saudoso Deputado ULYSSES GUIMARÃES, por sua vez, na sessão solene de promulgação da vigente Constituição, ao encerrar os trabalhos da Assembleia Nacional Constituinte que tão bem soube conduzir, repudiou, com extremo vigor, qualquer prática comprometedora da integridade ética dos agentes públicos e ultrajante da correção e lisura dos costumes políticos, administrativos e empresariais que devem prevalecer em nosso País: “A vida pública brasileira será também fiscalizada pelos cidadãos. Do presidente da República ao prefeito, do senador ao vereador. A moral é o cerne da Pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune tomba nas mãos de demagogos, que, a pretexto de salvá-la, a tiranizam. Não roubar, não deixar roubar, pôr na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública.” (grifei)

É por essa e por outras razões, Senhora Presidente, que se impõe repudiar e reprimir – sempre, porém, sob a égide dos princípios que informam o Estado Democrático de Direito e que consagram o regime dos direitos e garantias individuais – todo e qualquer ato de corrupção, pois não constitui demasia insistir no fato de que a corrupção traduz um gesto de perversão da ética do poder e de erosão da integridade da ordem jurídica, cabendo ressaltar que o dever de probidade e de comportamento honesto e transparente configura obrigação cuja observância impõe-se a todos os cidadãos desta República que não tolera o poder que corrompe nem admite o poder que se deixa corromper."

Cármen Lúcia: Presidente do Supremo Tribunal Federal - STF.



 “A personalidade, o caráter e a inquestionável vocação para a defesa da causa pública representam atributos que permitirão à eminente ministra Cármen Lúcia enfrentar muitos dos graves desafios com que se deparam, no presente momento histórico, o Poder Judiciário nacional e, em particular, o Supremo Tribunal Federal”.

Boletim Focus: base 09/09 e PIB 2016 ainda em queda estimada de 3,18%

No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado estima melhora na queda do PIB e aumento na inflação.

Previsões de melhora do PIB e inflação em queda somente para 2017!

Em síntese: 

PIB: melhorou a queda de 3,20% para 3,18%;
Inflação: IPCA em alta de 7,34% para 7,36%;
Dólar: leve quede de R$ 3,26 para R$ 3,25;

Taxa básica de juros (Selic): manteve-se em 13,75%.

sábado, 10 de setembro de 2016

Estadão: Hora de mudar - A reconstrução do Brasil.


Fonte: http://infograficos.estadao.com.br/public/politica/hora-de-mudar/

EXAME: Agora vai? - 08 de Setembro de 2016.


Brasil: apesar de tudo, ainda entre as maiores potências industriais do planeta!


Em seu relatório mais recente, a UNIDO - Organização de Desenvolvimento Industrial das Nações Unidas - também mostra que, de 2014 para 2015, não houve mudança na relação dos países entre os 15 maiores produtores industriais, embora se destaque a queda de posição do Brasil. Este foi sobrepujado pela Índia, pela Itália e pela França, caindo da 6ª para a 9ª colocação. A China, que desde 2010 tem sido a maior produtora mundial, responde atualmente por quase um quarto do total de valor adicionado pela indústria de transformação mundial. Em seguida, estão EUA (16,5%), Japão (8,9%), Alemanha (6,4%) e Coreia do Sul (3,1%).

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

A inflação medida pelo IPCA registra alta de 8,97% nos últimos 12 meses. A meta é de 4,5%!!!

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de agosto subiu 0,44% e ficou abaixo da taxa de julho (0,52%) em 0,08 ponto percentual (p.p.). O acumulado no ano (5,42%) ficou bem abaixo dos 7,06% registrados em igual período de 2015. O acumulado nos últimos doze meses (8,97%) ficou acima dos 8,74% relativos aos doze meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2015, o IPCA fora 0,22%.


Os dados completos do IPCA podem ser acessados aqui:

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

The Economist: Art of the lie - September 10th 2016.


iPhone 7 em 07 de setembro de 2016: preço $$$


Os novos aparelhos serão vendidos a partir do dia 16 de setembro, o iPhone 7 por a partir de US$ 649 (R$ 2.162) e o iPhone 7 Plus por US$ 769 (R$ 2.562). Os valores são muito similares aos dos lançamentos dos iPhones anteriores, de 2015 e 2014. Mas, dessa vez, a versão mais barata é de 32GB e não de 16GB, o que na prática deixa os aparelhos de 2016 mais "baratos" do que antes.

A previsão é que os celulares cheguem ao Brasil ainda em 2016, mas ainda não foram divulgados os valores e as datas. Nos anos anteriores, os iPhones chegaram ao mercado brasileiro em novembro, e, no ano passado, custava a partir de R$ 3.999. Será que os novos modelos custarão o mesmo preço?


What is the Keynesian multiplier?

Na The Economist, uma série de artigos explicam as ideias econômicas. O de ontem, 7 de setembro, foi sobre o genial John Maynard Keynes.



segunda-feira, 5 de setembro de 2016

USP/ESALQ: excelência em ciências agrárias.

Na edição de 31/08/2016 da EXAME, em matéria sobre agronegócio é citada, pela segunda vez, a nossa Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ), da Universidade de São Paulo (USP) como a quinta melhor do mundo em ciências agrárias.


Boletim Focus: base 02/09/2016 e PIB em queda de 3,20%.

No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado alterou para pior o resultado do PIB de 2016.

Em síntese: 

PIB: alterou a queda de 3,16% para 3,20%;
Inflação: manteve-se o IPCA em 7,34%;
Dólar: caiu de R$ 3,29 para R$ 3,26;

Taxa básica de juros (Selic): manteve-se em 13,75%.

Freddie Mercury: Asteroide no mundo da luz e estrela eterna em seus 70 anos.


quinta-feira, 1 de setembro de 2016

Copom mantém a taxa Selic em 14,25% ao ano - 31/08/2016

O Copom decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 14,25% a.a., sem viés.
O cenário básico com que o Comitê trabalha pode ser resumido pelas seguintes observações:
O conjunto dos indicadores divulgados desde a última reunião do Copom mostra evidências de que a economia brasileira tenha se estabilizado recentemente e sinais de possível retomada gradual da atividade econômica. A economia segue operando com alto nível de ociosidade;
No âmbito externo, o cenário ainda apresenta interregno benigno para economias emergentes. No entanto, as incertezas sobre o crescimento da economia global e, especialmente, sobre a normalização das condições monetárias nos EUA persistem;
A inflação corrente segue pressionada, em parte em decorrência de preços de alimentos, e vem recuando em ritmo mais lento que o esperado;
As expectativas de inflação apuradas pela pesquisa Focus para 2017 recuaram desde o último Copom, mas seguem acima da meta para a inflação, de 4,5%. As expectativas para horizontes mais distantes já se encontram em torno desse patamar; e 
As projeções do Copom para a inflação de 2016 nos cenários de referência e mercado subiram desde sua última reunião e encontram-se em torno de 7,3%. Nos horizontes relevantes para a condução da política monetária, as projeções mantiveram-se relativamente estáveis ou recuaram. Em particular, sob as hipóteses do cenário de referência, a projeção para a inflação de 2017 encontra-se em torno da meta de 4,5%. No cenário de mercado, a projeção para 2017 recuou para 5,1%.
O Comitê identifica os seguintes riscos domésticos para o cenário básico para a inflação:
Por um lado, (i) a inflação acima do esperado no curto prazo, em boa medida decorrente de preços de alimentos, pode se mostrar persistente; (ii) incertezas quanto à aprovação e implementação dos ajustes necessários na economia permanecem; e (iii) um período prolongado com inflação alta e com expectativas acima da meta pode reforçar mecanismos inerciais e retardar o processo de desinflação;
Por outro lado, (iv) índices de preços no atacado indicam possível arrefecimento do choque de preços de alimentos e um eventual efeito favorável sobre o IPCA; (v) os ajustes na economia podem ser implementados de forma mais célere, o que permitiria ganhos de confiança e reduziria as expectativas de inflação; e (vi) o nível de ociosidade na economia pode produzir desinflação mais rápida do que a refletida nas projeções do Copom.
Considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu pela manutenção da taxa básica de juros em 14,25% a.a., sem viés. O Comitê avalia que uma flexibilização das condições monetárias dependerá de fatores que permitam maior confiança no alcance das metas para a inflação nos horizontes relevantes para a condução da política monetária, em particular da meta de 4,5% em 2017. O Comitê destaca os seguintes fatores domésticos: (i) que a persistência dos efeitos do choque de alimentos na inflação seja limitada; (ii) que os componentes do IPCA mais sensíveis à política monetária e à atividade econômica indiquem desinflação em velocidade adequada; e (iii) que ocorra redução da incerteza sobre a aprovação e implementação dos ajustes necessários na economia, incluindo a composição das medidas de ajuste fiscal, e seus respectivos impactos sobre a inflação. O Comitê avaliará a evolução da combinação desses fatores.
Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Ilan Goldfajn (Presidente), Anthero de Moraes Meirelles, Carlos Viana de Carvalho, Isaac Sidney Menezes Ferreira, Luiz Edson Feltrim, Otávio Ribeiro Damaso, Reinaldo Le Grazie, Sidnei Corrêa Marques e Tiago Couto Berriel.