segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

O 2016 na economia brasileira: por um ano diferente do previsto em 2014 para 2015.



O ano chega ao final e o otimismo continua distante do brasileiro. Pelo contrário, a política de Brasília ainda não encontrou o seu caminho e os números da economia são os piores desde o início do Plano Real.

Embora possa parecer que o Brasil chegou ao volume morto e desprovido de liderança política capaz de reverter essa situação, individualmente temos a paixão e o firme propósito para atingir os nossos objetivos programados para 2016.   

E é com este espírito que acreditamos em um novo tempo para 2016, independentemente do desastroso cenário previsto por todos os colegas. Da mesma maneira que as previsões para 2015 divulgadas ao final de 2014 não conseguiram retratar os números atuais, dessa vez, torcemos para que os números de 2016, realmente não sejam os divulgados hoje pelo Banco Central no Relatório Focus conforme abaixo.

Então, por que não, um feliz 2016?

A conferir!!!  

A mediana das expectativas para o IPCA em 2015 passou de 10,61% para 10,70%, e para 2016, subiu de 6,80% para 6,87%. As estimativas para o PIB em 2015 passaram de uma queda de 3,62% para outra de 3,70% e, para 2016, passaram de -2,67% para -2,80%. A mediana das projeções para a taxa Selic subiu de 14,63% para 14,75% no final de 2016. Por fim, as estimativas para a taxa de câmbio se mantiveram em R$/US$ 3,90 no final de 2015 e em R$/US$ 4,20 no final de 2016.    

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Nota Oficial: Saída de Joaquim Levy - 18/12/2015.

A presidenta Dilma Rousseff anunciou, hoje, dois nomes da equipe econômica do seu ministério. 
Para o Ministério da Fazenda, a presidenta indicou o sr. Nelson Barbosa. O novo titular do Ministério do Planejamento será o sr. Valdir Moysés Simão.
A presidenta agradece a dedicação do ministro Joaquim Levy, que teve papel fundamental no enfrentamento da crise econômica, e deseja muito sucesso nos seus desafios futuros.
Assume interinamente, como ministro-chefe da CGU, o sr. Carlos Higino Ribeiro de Alencar.
Secretaria de Imprensa
Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República

Nelson Barbosa: O desafio macroeconômico de 2015-2018.

Para quem tem interesse em melhor conhecer o pensamento do novo Ministro da Fazenda NELSON BARBOSA FILHO, recomendo a leitura de seu artigo "O desafio macroeconômico de 2015-2018" publicado na Revista de Economia Política. 

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

The Economist: Enfim, acabou 2015.


Brasil: em mais de 500 anos, nada mudou?

Definitivamente, reconhecemos que o Brasil não é para principiantes, como bem lembrou o maestro Tom Jobim. Senão vejamos:
Somente numa única quarta-feira do último mês do ano, a sociedade acompanha paralelamente os seguintes assuntos, dentre os milhares que ocorrem na data:
Ministros do Supremo Tribunal Federal discutem o rito do eventual impeachment da Presidente da República;
Depois de quase uma década, o FED - Banco Central americano, eleva a taxa de juros e sinaliza aumento gradual;
A Fitch Ratings rebaixa a avaliação do Brasil citando o quadro fiscal e a incerteza política e o país perde o grau de investimento;
A meta fiscal do governo para 2016 foi reduzida para 0,5% do PIB e mesmo assim, provavelmente, não será atingida;
E o probo Joaquim Levy deve deixar o Ministério da Fazenda.
Com a economia em queda nos principais indicadores e com um cenário complicado, no momento, para 2016, quando poderemos respirar sem a ajuda de aparelhos?  
E nem vamos comentar da tragédia em Mariana, da crise na saúde e na segurança pública, no que ainda falta apurar na Operação Lava Jato etc!
Que venha então, a nova temporada de House of Cards!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Brasil: IDH 2014 0,755 - 75º do mundo!

Sem surpresa o resultado do Índice de Desenvolvimento Humano - IDH do Brasil divulgado hoje pela Organização das Nações Unidas - ONU o IDH brasileiro passou de 0,752 em 2013 para 0,755 no ano passado. Dentre os 188 países avaliados, o Brasil ocupa a 75ª posição.
O Brasil ainda está muito distante de ser um país onde a sociedade tenha renda, saúde e educação de primeiro mundo.
E que venha 2017!

A lucidez de Armínio Fraga no meio do caos brasileiro.

Hoje assisti a entrevista de Armínio Fraga à Miriam Leitão sobre a situação econômica e política brasileira. É extraordinário o conhecimento e a visão do ex-presidente do Banco Central no período de 1999 a 2003, aliada a sua percepção do que deve ser feito para tirar o Brasil deste caos econômico e político. Na conversa, ele reconhece a competência do Joaquim Levy e sinaliza que tudo tende a piorar caso o governo não retorne as boas práticas da política econômica já praticada anteriormente.       
A entrevista completa está no GloboNews Play.


sábado, 12 de dezembro de 2015

The Voice: Celebrate Frank Sinatra's 100th birthday.

 

Em 2015, o melhor continua sendo Frank Sinatra. 

Revendo hoje uma apresentação do mesmo que foi ao ar em 13 de Novembro de 1966, cantando com Ella Fitzgerald e o único encontro filmado com Antonio Carlos Jobim, evidencio como "A VOZ" é imortal.

100 anos, um personagem inesquecível! 

   

quarta-feira, 9 de dezembro de 2015

Moody's ameça rebaixar a nota do Brasil. E 2015 ainda nem acabou...

New York, December 09, 2015.

Moody's Investors Service has placed Brazil's Baa3 issuer and bond ratings on review for downgrade. The review for downgrade is driven by i) rapidly and materially deteriorating macroeconomic and fiscal trends and diminished likelihood of trend reversal in the next 2-3 years; and ii) worsening governability conditions and increased risk of policy paralysis. During the review, Moody's will assess the likelihood of further deterioration in the government's fiscal position against the agency's baseline assumptions supporting the current Baa3 rating, and the prospect of a faster and more significant rise in the government's debt trajectory, in the context of heightened political uncertainty, declining investor confidence and deeper than expected recession.

Time: Angela Merkel - Person of the year 2015.


sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Ruy Castro: A coisa pública - o belo exemplo de Dom Pedro II.

Ruy Castro e o excelente exemplo de Dom Pedro II, hoje na FSP. 
Ao contemplar de lá de cima (ou de onde quer que esteja, se estiver) o país que foi obrigado a deixar há 126 anos, D. Pedro 2º deve se perguntar como o Brasil conseguiu avacalhar até o fundamento básico da República: o conceito de "res publica", a coisa pública, que, por ser de todos, não é de ninguém. E como um país tão grande aceita se curvar à mesquinha disputa entre Dilma Rousseff e Eduardo Cunha, ambos tentando salvar a pele pelas lambanças que fizeram com o dinheiro público.
Ele, D. Pedro, foi impecável nesse departamento. Imperou de verdade durante 48 anos, de 1841 a 1889, sem deixar que aumentassem sua dotação. Era com este dinheiro que sustentava a si próprio e à sua família, pagava os estudos no Exterior de brasileirinhos em quem acreditava (como o músico Carlos Gomes e o pintor Pedro Américo) e financiou suas duas viagens aos EUA, Europa e Oriente Médio, com comitivas de apenas quatro ou cinco pessoas –para a segunda dessas viagens, teve de tomar dinheiro emprestado.
Em vez de criar impostos, cortava despesas. Seu palácio imperial, em São Cristóvão, era o mais desmobiliado do planeta. Seus trajes oficiais, puídos de fazer dó. Ao ser deposto pelos militares e ter de ir embora em 24 horas, D. Pedro recusou o dinheiro que o governo da República lhe ofereceu para seu exílio em Paris. E ainda lhes passou uma descompostura por estarem dispondo de recursos que não lhes pertenciam, mas ao povo brasileiro.
Poucos dos sucessores republicanos de D. Pedro seguiram o seu exemplo de austeridade. Prevaleceu a ideia de que a coisa pública é para isto mesmo –para se meter a mão em benefício pessoal (Cunha) ou para falsificar contas, disfarçar a incompetência e avalizar mentiras (Dilma).

D. Pedro nasceu há 190 anos na última quarta-feira. Fará 124 de morte amanhã. 

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Antologia da Maldade: Gustavo Franco e Fabio Giambiagi.

Aproveitando os feriados deste final de ano, recomendo a leitura do ótimo "Antologia da Maldade - Um dicionário de citações, associações ilícitas e ligações perigosas", livro organizado pelos economistas Gustavo Franco e Fabio Giambiagi

Uma leitura para fazer bem a mente e a alma!