sábado, 21 de agosto de 2010

SERÁ QUE ELE TEM RAZÃO?

Enquanto isso, na América o Nobel Paul Krugman continua sua crítica ao trabalho do Ben Bernanke, o atual presidente do Federal Reserve – Fed. Em dois recentes artigos ele comenta:

  • The lights are going out all over America — literally. Colorado Springs has made headlines with its desperate attempt to save money by turning off a third of its streetlights, but similar things are either happening or being contemplated across the nation, from Philadelphia to Fresno.
  • And while the Fed sits there in its self-inflicted paralysis, millions of Americans are losing their jobs, their homes and their hopes for the future.

ELEIÇÕES 2010!

Da sempre lúcida Míriam Leitão: "A Inglaterra acabou de passar por uma eleição cheia de paixões em que o governo trabalhista perdeu por pouco, mas não se viu lá nada do que aqui está sendo apresentado aos brasileiros com naturalidade, como parte da disputa política. Crime é crime. Luta política é um embate de propostas, estilos e visões. O perigoso é essa mistura. Como a História já cansou de demonstrar, democracia não significa apenas eleições periódicas. A manipulação da vontade do eleitor, o uso de meios ilícitos, o abuso do governante ameaçam a liberdade, tanto quanto um ato institucional."

E você e-leitor, o que acha?

FGV - FÓRUM DE ECONOMIA.

Programa imperdível na nossa FGV: de 30.08.2010 a 31.08.2010 acontece o 7º Fórum de Economia da Fundação Getulio Vargas. O fórum é coordenado pela Escola de Economia de São Paulo da FGV em parceria com FIESP, IEDI e DIEESE. Local: Fundação Getulio Vargas Rua Itapeva, nº 432 - Salão Nobre, 4º andar Tema: Qual a Estratégia de Crescimento com Estabilidade do Novo Governo?

II RSPO LATIN AMERICA CONFERENCE 2010 - BELÉM-PA.

Conference in Belém (PA) will bring together experts from different countries to discuss the sustainable growth of palm oil production in the world.

The II RSPO Latin America Conference - Roundtable on Sustainable Palm Oil takes place in Brazil precisely in the biodiversity year. Joining the goal of the meeting to the moment worldwide, the organizers of the conference – scheduled for August 24-27, at Estação das Docas in Belém (PA) - will promote actions to reduce carbon emissions related to the event. These actions will be performed by Ver te Verde, a company whose purpose, among others, is the reduction in greenhouse gases and the environmental preservation and restoration.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

BRASIL: 2,92% x 2,9% DO PIB MUNDIAL.

IVES GANDRA DA SILVA MARTINS 75, advogado, professor emérito da Universidade Mackenzie, da Escola de Comando e Estado-Maior do Exército e da Escola Superior de Guerra, presidente do Conselho Superior de Direito da Fecomercio, escreveu na FOLHA DE S. PAULO:

O Fundo Monetário Internacional prevê que, em 2010, o Brasil terá 2,9% de participação na produção de riqueza mundial, vale dizer, 2,9% do PIB (Produto Interno Bruto) do globo, mesmo considerando crescimento previsto, neste ano, de 7,1%, contra 4,6% do planeta.

Todos os economistas mais conscientes do país sabem que este crescimento de 7,1% não é sustentável por falta de infraestrutura e que será menor em 2011.

O governo tem aplicado pouco mais de 1% do PIB em investimentos e o PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), apesar das disponibilidades financeiras, ficou muito aquém do planejado e previsto, amarrando o desenvolvimento nacional.

O próprio aquecimento do mercado preocupa, pois a inflação pode retornar, sendo o aumento de juros a única arma de que dispõe o governo federal, visto que o peso da máquina estatal cresceu assustadoramente na era Lula. Foram contratados, entre administração direta e indireta, mais de 350 mil servidores públicos, concursados ou não.

Só para se ter ideia do peso burocrático, pouco mais dos 900 mil servidores aposentados da União geram um deficit na Previdência de R$ 47 bilhões, enquanto 27 milhões de aposentados do setor privado geram apenas R$ 3 bilhões!

Por outro lado, no ano de 2010, nas transações correntes, o deficit será de quase US$ 50 bilhões, o que vale dizer: com a queda do saldo previsto da balança comercial, o saldo negativo do balanço de pagamentos será, talvez, o maior da história brasileira.

Acrescente-se que, nas exportações, voltamos aos mesmos índices de produtos de valor agregado da década de 80, ou seja, exportamos em torno de 45% de produtos industrializados contra mais de 50% na década de 90. E começamos a importar de tudo por conta do real supervalorizado.

Estou convencido de que o governo federal nunca desejou uma reforma tributária, pois, detendo 70% do bolo tributário, e quase 60%, após as transferências para Estados e municípios, não pretende correr o risco de perder tal participação na arrecadação global.

O certo é que o quadro para o futuro não é brilhante, havendo pontos de estrangulamento notórios, não passíveis de análise neste curto artigo, o que levará, qualquer que seja o futuro presidente, a ter que colocar a casa em ordem.

O mais curioso, todavia, é que, em 2002, último ano do governo Fernando Henrique, a participação do Brasil no PIB global era de 2,92%, vale dizer, 0,2% a mais do que no último ano do governo Lula.

Isso significa que, apesar de o Brasil ter crescido, o mundo cresceu mais. De rigor, Fernando Henrique entregou o governo ao presidente Lula com uma participação no PIB global maior do que a que Lula entregará a seu sucessor.

É de se lembrar que, em 2000, a China tinha uma participação no PIB global de 7%, e a Índia, de 4%.

Os indianos pularão, em 2010, para 5% e a China para 13%, enquanto o Brasil regredirá para 2,9%.

Em outras palavras, nada obstante o aumento do PIB per capita, o Brasil cresceu apenas pelo "efeito maré" da economia mundial, que, apesar da monumental crise de 2008 e 2009 e da crise europeia de 2010, se comportou melhor que a economia brasileira.

Roberto Campos, ao prefaciar meu livro "Desenvolvimento Econômico e Segurança Nacional -Teoria do Limite Crítico", disse que a melhor forma de "evitar-se a fatalidade é conhecer os fatos". Infelizmente, o mundo da fantasia raramente se coaduna com a realidade do mundo.

domingo, 8 de agosto de 2010

LANÇAMENTO DE LIVRO.

Lançamento da semana: POLÍTICA MONETÁRIA: IDEIAS, EXPERIÊNCIAS E EVOLUÇÃO - Editora FGV.
Escrita por JOSÉ JÚLIO SENNA, um dos mais importantes economistas brasileiros, em linguagem dirigida não apenas a especialistas, mas também a leigos interessados em tema tão relevante, esta é uma obra de referência fundamental sobre política monetária. O livro trata da evolução da política de administração da moeda desde a Antiguidade até os dias atuais. São examinadas as principais teorias surgidas ao longo de todo esse tempo, bem como experiências importantes, algumas desastrosas, outras de sucesso, vividas no Brasil e em outros países.

sábado, 7 de agosto de 2010

TONY JUDT - LUTO!

The death was announced in a statement from New York University, where he had taught for many years. In September 2008, he learned that he had amyotrophic lateral sclerosis, known as Lou Gehrig’s disease. In a matter of months the disease left him paralyzed and able to breathe only with mechanical assistance, but he continued to lecture and write.

“In effect,” he wrote in an essay published in January in The New York Review of Books, “A.L.S. constitutes progressive imprisonment without parole.”

Mr. Judt (pronounced Jutt), who was British by birth and education but who taught at American universities for most of his career, began as a specialist in postwar French intellectual history, and for much of his life he embodied the idea of the French-style engaged intellectual.

An impassioned left-wing Zionist as a teenager, he shed his faith in agrarian socialism and Marxism early on and became, as he put it, a “universalist social democrat” with a deep suspicion of left-wing ideologues, identity politics and the emerging role of the United States as the world’s sole superpower.

A complete obituary will soon appear on nytimes.com. A column about Mr. Judt’s race to complete his work appears in Saturday’s Irish Independent.

ELEIÇÕES 2010 - O DIA SEGUINTE!

Não é nada fácil a vida de candidato (a) à Presidente da República. Na verdade, todos precisam de uma dose de SIGMUND FREUD. Diante disso, SINFRÔNIO, em total sintonia com o momento, nos brinda com a charge acima, diretamente de FORTALEZA, no jornal DIÁRIO DO NORDESTE.

terça-feira, 3 de agosto de 2010

USA: WELCOME TO THE RECOVERY

Timothy F. Geithner, the secretary of the Treasury: There is good news to report in the USA:

• Exports are booming because American companies are very competitive and lead the world in many high-tech industries.

• Private job growth has returned — not as fast as we would like, but at an earlier stage of this recovery than in the last two recoveries. Manufacturing has generated 136,000 new jobs in the past six months.

• Businesses have repaired their balance sheets and are now in a strong financial position to reinvest and grow.

• American families are saving more, paying down their debt and borrowing more responsibly. This has been a necessary adjustment because the borrow-and-spend path we were on wasn’t sustainable.

• The auto industry is coming back, and the Big Three — Chrysler, Ford and General Motors — are now leaner, generating profits despite lower annual sales.

• Major banks, forced by the stress tests to raise capital and open their books, are stronger and more competitive. Now, as businesses expand again, our banks are better positioned to finance growth.

• The government’s investment in banks has already earned more than $20 billion in profits for taxpayers, and the TARP program will be out of business earlier than expected — and costing nearly a quarter of a trillion dollars less than projected last year.

And as the president said last week, no one should bet against the American worker, American business and American ingenuity.

We suffered a terrible blow, but we are coming back.

AULA DE ECONOMIA COM DELFIM.

De excepcional inteligência e didatismo, Antônio Delfim Netto, 82 anos, um dos economistas mais ouvidos pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, foi entrevistado pelo ESTADÃO. Tenham certeza que a leitura de trechos da entrevista é uma aula de ECONOMIA. Boa leitura.

Quais são os principais desafios da economia no próximo governo?

O Brasil está hoje em uma situação muito melhor que no passado recente. Por que a partir de 2003 a coisa mudou? Porque o mundo entrou em expansão. O Brasil ligou seu plugue ao mundo e, de repente, um país que tinha problemas permanentes de financiamento de contas correntes se transformou em credor do FMI. A expansão brasileira não tem nada de especial. E isso medimos pela proporção da exportação em relação ao mundo, que continua perto de 1%. O Brasil nunca fez esforço exportador e continua com uma política cambial devastadora. O País sempre teve dois problemas que abortavam o crescimento: energia e déficit em contas correntes. A oferta de energia está crescendo 4,5% a 5% ao ano, suficiente para uma nação que precisa crescer entre 5% e 6% ao ano. Já o déficit em conta corrente está se restabelecendo e nós estamos levando isso na flauta. Estamos brincando, fingindo que não tem importância. Tem, sim. A história mostra que déficit em conta corrente produz surpresas. Hoje temos US$ 250 bilhões de reservas. Mas isso é muito relativo. Uma boa parte desaparece em pouco tempo se as condições se desintegram.

Por que o senhor está preocupado com o déficit em conta corrente?

Estamos fazendo um déficit gigantesco, com enormes prejuízos para a sofisticação do nosso processo industrial. Nós temos, hoje, 10 ou 15 exemplos concretos de empresas brasileiras e estrangeiras que têm indústria no Brasil e na China. Dentro da fábrica, a produtividade brasileira é igual à produtividade chinesa e a qualidade é um pouco melhor. Portanto, a competição com a China não tem nada a ver com setor privado. Tem a ver com o governo, que é ineficiente, gastador, não dá suporte adequado, não produz a infraestrutura. Nós temos um problema de burocracia gigantesco, mas ninguém vai resolver fazendo revolução. São medidas na margem, todos os dias. O Brasil está apropriado por uma burocracia sindical que vive nas tetas do governo. Esse déficit em conta corrente, seguramente, é em boa parte por causa do câmbio de R$ 1,78. Não vamos ter ilusão. Taxa de câmbio competitiva é fundamental para o crescimento econômico.

O senhor é favorável à intervenção no câmbio?

A valorização do câmbio é produzida por uma política monetária que mantém a taxa de juro real interna muito superior à externa. Os juros estão fora do lugar, o que põe o câmbio fora do lugar. O importante neste caso é que você tem de escolher. O BC tem de ser autônomo operacionalmente, mas independência é uma tolice. É bom trabalhar com o sistema de metas da inflação? É. Mas como o BC obtém credibilidade? Aumentando a taxa de juros real de equilíbrio e reduzindo o PIB potencial, para conseguir a meta de inflação. É por isso que o papel do BC é discutível. Você tem que discutir os parâmetros que ele usa.

Está na hora de o BC interromper a alta dos juros?

Está visível que a inflação era um surto. O pior é que o BC vai achar que foi ele que reduziu a inflação. Não foi. Ele levou um susto com a inflação caindo antes do que esperava e reduziu o aumento de juros. O sistema financeiro adquiriu um tal poder que quem produz parafuso não vale nada. Quem vale é quem tem um papel no computador. O grande drama é que levamos longe demais essa distorção cambial. O País não está sofrendo da doença holandesa. Hoje vendemos mais geladeira que antes, logo não há desindustrialização. Só que quando você olha para dentro da geladeira, o valor adicionado nacional era 80%, hoje é 30%.

O senhor disse que o governo é gastador. O Brasil precisa de ajuste fiscal?

Não precisa de revolução nem de choque de gestão. Tudo isso é conversa mole para boi dormir. O governo precisa de um programa de 10 anos em que as despesas de custeio e transferência cresçam menos que o PIB, conduzindo a diferença para o investimento. O Estado está apropriado pelo funcionalismo. A Previdência é um problema que vai ter de ser enfrentado, não só pelo aspecto financeiro mas também pela justiça. Você extrai do trabalhador para entregar ao funcionário. Basta ver o ataque ao Tesouro feito nas últimas semanas. Deu um ataque de loucura no Congresso e houve um conluio entre o Legislativo e o Judiciário para destruir as finanças do País. E isso tudo feito com alegria, samba, foguete dentro de um Congresso absolutamente irresponsável.

Um dos pontos de restrição ao crescimento é a baixa taxa de poupança. Como resolver isso?

Um dos parâmetros usados é que você precisa de 25% de investimento para produzir 5% a 6% de crescimento. Primeiro, esse parâmetro não é estável. Segundo, depende da qualidade dos investimentos. A poupança vem depois do investimento. No caso brasileiro, isso é visível. É claro que no curto prazo tem uma pressão inflacionária. É isso mesmo. Para isso temos controles. Mas também é claro que isso é um fator preocupante. Quanto maior for a taxa de poupança, melhor. Quem destruiu isso foi o setor público. Hoje a carga tributária é 35% e o governo investe 1%. O setor privado poupa: representa pouco mais de 60% do PIB e poupa 15%. Quem não poupa é o governo.

Como o senhor avalia a atuação do BNDES no governo Lula?

Passamos por momento de dificuldade e o BNDES agiu corretamente. Podemos discutir um ou outro investimento do banco, que não faz sentido, mas é uma questão menor. Vamos supor que o BNDES não tivesse agido: o PIB cairia 3% e a arrecadação também. O BNDES é um mecanismo de financiamento importante, mas o Brasil precisa de outros. Imaginar que o BNDES pode escolher os melhores investimentos sem nenhum viés é um equívoco. Agora, negar o papel do banco é ridículo. A única coisa justa é: houve sim um subsídio, que tem de ser apurado e colocado no orçamento. Evidentemente o Tesouro não deve continuar fazendo aportes do BNDES. Isso foi um incidente.

Sem reforço do Tesouro no caixa do BNDES, como o Brasil vai financiar a usina de Belo Monte, as obras do PAC, os estádios da Copa do Mundo?

Você tem aí uma soma de investimentos que eu não estou convencido que caiba no PIB. São maiores que o Brasil. É verdade que isso é feito ao longo do tempo, que depende do ritmo de crescimento do País e dos mecanismos de financiamento. Mas você não vai ter todos esses investimentos sem financiamento privado. Quem faz investimento é o setor privado. O governo, o melhor que faz é discurso. Provavelmente não vamos realizar todos esses investimentos: vamos fazer o pedaço de um, vai faltar a perna do outro. E provavelmente a maioria deles não vai ter nenhuma taxa de retorno.

Qual deve ser o papel de um economista hoje?

Alguns economistas não têm o mínimo de humildade. O nosso papel – Adam Smith (o mais importante teórico do liberalismo econômico) já dizia – é quem sabe ajudar o governo a fazer uma sociedade que cresça robustamente e seja mais justa. Mas não determinar o que a sociedade quer. Isso quem determina é a urna. Cada vez que você exagera no economicismo, a urna vem e tem põe fora. Cada vez que você exagera no populismo, a urna vem e te põe fora. É por isso que os países progridem. Ou você acha que o Chávez (o presidente da Venezuela) vai continuar errando a vida inteira? Ou ele vai para um poste ou vai pedir asilo em Cuba. O capitalismo é um processo. É por isso que sai dessa crise um novo capitalismo. O homem precisa disso e tem novas exigências. Resolveu entender agora, por exemplo, que abusou da natureza. Nos anos 70 ninguém pensava nisso. Pelo contrário. Eu lutava para importar poluição. Queriam acabar com a indústria de aço na Europa. Nós dizíamos: podem vir para o Brasil. Não acredito que a China possa continuar com essa expansão. Por uma razão simples. Para continuar a expansão, precisa importar outra terra. Os chineses compraram a África e estão tentando comprar o Brasil. Isso é uma grave miopia do governo brasileiro – permitir que um Estado soberano compre terras, minérios, recursos naturais em outro Estado soberano. Essas empresas chinesas são o próprio Estado chinês.

O senhor acha que o Brasil está a caminho de se transformar em um país desenvolvido?

O Brasil está caminhando e tem tudo para crescer 5% a 6% ao ano. Nós não temos competência para impedir esse crescimento. É claro que muitas coisas precisam ser feitas, como eliminar a burocracia. É óbvio que quem tem que ser consertado é o governo. Mas é uma idiotice dizer que precisa de governo fraco. Sem um Estado indutor, não há crescimento. Com um mínimo de inteligência, o Brasil é seguramente um país que já tem os recursos para, em 2030, ter um nível de vida equivalente ao da Europa Ocidental de hoje

domingo, 1 de agosto de 2010

MANIPULAÇÃO DO CÂMBIO?

Recentemente recebi o artigo abaixo, escrito por CELSO MING, com um assunto que merece a nossa reflexão antes de eventual desastre na nossa atual política econômica, o que espera-se não ocorrer, independente de quem vencer a eleição. Isso é possível?

O Tesouro dos Estados Unidos desistiu no dia 8 de julho de declarar a China como país que manipula sua moeda, o yuan. Se tivesse feito essa declaração oficial, o Congresso americano estaria liberado para impor represálias comerciais à China.

Não há nenhum critério objetivo que defina o que seja manipulação em câmbio. O que há são intervenções do governo ou do banco central no câmbio de maneira a obter determinada cotação ou uma certa estabilidade entre as cotações das moedas.

Logo depois da Segunda Grande Guerra, até 1972, os Estados Unidos participaram do sistema de Bretton Woods, que manteve fixas as cotações do dólar entre as principais moedas. E, nem por isso, foram considerados manipuladores da cotação do dólar. Durante a crise da Ásia, em 1998, ao contrário do que vêm repetindo as atuais autoridades econômicas americanas, o então secretário do Tesouro, Robert Rubin, louvava a estabilidade cambial administrada pela China numa paisagem de enorme turbulência.

A base teórica que define o que possam ser as políticas na área do câmbio é o chamado trilema de Mundell-Fleming (referência aos economistas Robert Mundell e Marcus Fleming). Um trilema é a situação em que alguém tem de escolher entre três opções que se excluem uma à outra ou permitem manter apenas duas tendo necessariamente que excluir a terceira.

O trilema em questão diz o seguinte: nenhum governo consegue ao mesmo tempo garantir livre fluxo de capitais, controlar o volume de moeda na economia (taxa de juros) e controlar o câmbio.

Cada uma dessas três opções apresenta inegáveis vantagens na condução de uma economia. O livre fluxo de capitais, por exemplo, facilita o financiamento dos pagamentos externos e o investimento. A administração dos juros (política monetária) garante o controle sobre a inflação. E o câmbio fixo, além de evitar a especulação com moedas, dá estabilidade aos negócios e aos contratos de longo prazo.

O problema é que não é possível ficar com as três opções. Se o banco central quer manter fixa a cotação da moeda, terá de comprar os dólares que excederem a oferta desejável e vendê-los quando faltarem no mercado. E quando compra e vende moeda estrangeira, o banco central injeta ou retira moeda nacional no/do mercado. Ou seja, não consegue manter fixos os juros, que são o preço do dinheiro, e, assim, a inflação fica sem ancoragem.

O Brasil, por exemplo, mantém relativamente livre o fluxo de capitais, controla os juros, mas tem de aceitar que a cotação do dólar flutue (no caso, flutuação suja) no mercado. E é o que também acontece com os Estados Unidos.

A China fez outra escolha. Mantém o câmbio fixo em relação ao dólar, tem um bom domínio sobre a política monetária e sobre os juros, mas teve de adotar rígido controle sobre os fluxos de capital. Os dirigentes americanos e alguns analistas econômicos de peso, como Paul Krugman, poderiam argumentar que o mix de políticas escolhido pela China diante do trilema não é o que mais convém no momento ao jogo dos Estados Unidos, embora possa ter sido conveniente durante a crise da Ásia, como ficou dito. Mas estão equivocados quando dizem que essa escolha seja manipulação do câmbio.

A EDUCAÇÃO ESQUECIDA NA CAMPANHA ELEITORAL.

Este artigo é da FERNANDA TORRES, hoje na FOLHA DE S. PAULO e foi publicado no blog do Senador Cristovam Buarque - http://buarque.org.br/?p=7959.

O Senador Cristovam Buarque declarou à Receita que seu mais precioso bem é uma biblioteca no valor de R$ 400 mil. Fernando Collor de Mello possui o carro mais caro de todo o Congresso: uma Ferrari que custa cerca de R$ 700 mil.

Não condeno o dispendioso gosto automobilístico do ex-presidente. Afinal, Collor teve recursos para adquirir o bólido. O que me comove é o tesouro de Cristovam Buarque.

O senador lembra o herói de "As Invasões Bárbaras", o filme canadense que aborda o fim do humanismo. Nele, um intelectual com câncer em estado terminal se despede do mundo sob os cuidados dos companheiros de juventude, todos eruditos e de esquerda, e do filho, um jovem economista neoliberal.

Pragmático e atencioso, o rapaz administra a morte do pai como quem comanda o fechamento do balanço de uma empresa. Sem o filho, o velho comunista acabaria seus dias em uma versão canadense do SUS. Com ele, morre confortavelmente irritado com a constatação de que todos os seus anseios juvenis de igualdade foram para o ralo. Um abismo separa o idealismo do progenitor da praticidade mercantil do rebento. A mesma discrepância que distancia a Ferrari de Collor da biblioteca de Cristovam Buarque.

Cristovam foi a Marina da última disputa presidencial, na qual se engajou com o objetivo de chamar a atenção para um tema que considerava crucial: a educação. Marina também atrela seu discurso à educação, mas as bandeiras de sua campanha, a ecologia e a sustentabilidade, são os assuntos do momento.

Eles estão presentes tanto em filmes-catástrofes de Hollywood como em livros extraordinários como "Colapso", de Jared Diamond. E seu candidato a vice é um empresário que soube transformar o discurso verde e rosa em lucros e dividendos.

Segundo indicam as pesquisas, essas bandeiras, aliadas ao carisma da senadora, podem fazê-la chegar ao primeiro turno com quase 10% do eleitorado. Já Cristovam acabou em quarto lugar na eleição de 2006, chegando atrás até de Heloísa Helena, com apenas dois vírgula nada de votos.

Em 1995, durante seu mandato como governador do Distrito Federal, ele criou o projeto Bolsa Escola. Fernando Henrique nacionalizou a ideia e Lula transformou-a na Bolsa Família. Por meio desse programa, o presidente distribuiu renda, aumentou o poder aquisitivo dos miseráveis e impulsionou a produção de bens de consumo.

Seria miraculoso se o mesmo resultado econômico alcançado com o Bolsa Família se desse agora com o outro objetivo do Bolsa Escola original, o que Cristovam chamava na campanha presidencial de "revolução da educação".

O fato de a melhora do nível do ensino ser um dado não computável em pesquisas de curto prazo é uma das razões de a educação ser a mais frágil das necessidades básicas da União e, imerecidamente, uma das mais esquecidas durante as campanhas eleitorais.

O mito de que Lula teria vencido na vida sem estudar me parece enganoso. O presidente não fez faculdade, mas alcançou notório saber durante anos de prática sindical, política e convivência com intelectuais que lutaram pela democratização. Lula teve acesso à educação.

A figura gentil, sensível e delicada do senador Cristovam Buarque é tão tocante quanto a de Dom Quixote, de Cervantes. Um solitário cavaleiro visionário em meio ao violento jogo de interesses do Planalto Central.

Se homens como Cristovam tivessem a voracidade dos que pilotam Ferraris, talvez o problema educacional brasileiro estivesse mais bem encaminhado.

O Terceiro Milênio requer uma certa dose de brutalidade, de Dom Quixotes de Ferrari.

A TIME DESTE SEMANA!

A TIME desta semana traz na capa uma imagem chocante, resultado do que o ser humano tem de mais cruel. E o que é pior, não estamos na Idade Média, mas em pleno século XXI. Até quando a barbárie vencerá as pessoas de bem?

QUE BRASIL QUEREMOS SER?

Início de Agosto/2010: O PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - divulgou relatório colocando o Brasil no terceiro pior nível de desigualdade de renda do mundo, melancolicamente empatado com o Equador. Está lá na FOLHA DE S. PAULO, na coluna de hoje da ELIANE CANTANHÊDE.

Renato Russo e sua legião do bem continuam certos na clássica canção: Que país é esse?

Enquanto isso, nossos presidenciáveis discutem dossiês, multas, caros apoios, tempo na televisão etc etc etc.

LAMENTÁVEL!