terça-feira, 22 de setembro de 2015

Dólar a R$ 4,00 e sem previsão de baixa!!!



Lamentavelmente o Brasil é TETRA!!!


Iniciar o dia com dólar suavemente passando dos R$ 4,00 e sem destino, realmente é somente para os fortes!

Saber que no período de um ano a moeda norte-americana já valorizou quase 70%, isso tem um preço muito alto. 

Brasil, afinal, qual é o teu destino?

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Focus - Relatório de Mercado: 18/09/2015.

E o Relatório Focus desta semana divulgado pelo BACEN estima que a inflação e a taxa de câmbio continuarão em elevação, o PIB em sequência de retração, mantendo-se sem alterações apenas a taxa Selic.


Mercado futuro realmente difícil de prever boas notícias!

Fonte: 

Capitalismo: Modo de usar - Fabio Giambiagi.


É muito bom o “Capitalismo: Modo de usar”, o novo livro do economista Fabio Giambiagi.  

Melhor ainda quando o Fernando Gabeira reconhece no prefácio que “O confronto histórico com o socialismo realmente existente já revelou a superioridade esmagadora do capitalismo”. 

E em seu blog http://blogs.oglobo.globo.com/merval-pereira/post/pelo-capitalismo.html, o acadêmico Merval Pereira escreve que o livro de Giambiagi vem em um momento histórico, do esgotamento de um ciclo econômico e político marcado pelo populismo e pela corrupção.


Uma excelente leitura nestes dias que precisamos entender aonde realmente vai parar o Brasil! 

domingo, 13 de setembro de 2015

Dilma Rousseff: Última change.

Editorial de primeira página na FOLHA DE S. PAULO evidencia a gravidade da situação brasileira hoje:

Às voltas com uma gravíssima crise político-econômica, que ajudou a criar e a que tem respondido de forma errática e descoordenada; vivendo a corrosão vertiginosa de seu apoio popular e parlamentar, a que se soma o desmantelamento ético do PT e dos partidos que lhe prestaram apoio, a administração Dilma Rousseff está por um fio.

A presidente abusou do direito de errar. Em menos de dez meses de segundo mandato, perdeu a credibilidade e esgotou as reservas de paciência que a sociedade lhe tinha a conferir. Precisa, agora, demonstrar que ainda tem capacidade política de apresentar rumos para o país no tempo que lhe resta de governo.

Trata-se de reconhecer as alarmantes dimensões da atual crise e, sem hesitação, responder às emergências produzidas acima de tudo pela irresponsabilidade generalizada que se verificou nos últimos anos.

Medidas extremas precisam ser tomadas. Impõe-se que a presidente as leve quanto antes ao Congresso - e a este, que abandone a provocação e a chantagem em prol da estabilidade econômica e social.

Também dos parlamentares depende o fim desta aflição; deputados e senadores não podem se eximir de suas responsabilidades, muito menos imaginar que serão preservados caso o país sucumba.

É imprescindível conter o aumento da dívida pública e a degradação econômica. Cortes nos gastos terão de ser feitos com radicalidade sem precedentes, sob pena de que se tornem realidade pesadelos ainda piores, como o fantasma da inflação descontrolada.

A contenção de despesas deve se concentrar em benefícios perdulários da Previdência, cujas regras estão em descompasso não só com a conjuntura mas também com a evolução demográfica nacional. Deve mirar ainda subsídios a setores específicos da economia e desembolsos para parte dos programas sociais.

As circunstâncias dramáticas também demandam uma desobrigação parcial e temporária de gastos compulsórios em saúde e educação, que se acompanharia de criteriosa revisão desses dispêndios no futuro.

Além de adotar iniciativas de fácil legibilidade, como a simbólica redução de ministérios e dos cargos comissionados, devem-se providenciar mecanismos legais que resultem em efetivo controle das despesas - incluindo salários para o funcionalismo -, condicionando sua expansão ao crescimento do PIB.

Embora drásticas, tais medidas serão insuficientes para tapar o rombo orçamentário cavado pela inépcia presidencial. Uma vez implementadas, porém, darão ao governo crédito para demandar outro sacrífico - a saber, alguma elevação da já obscena carga tributária, um fardo a ser repartido do modo mais justo possível entre as diversas camadas da população.

Não há, infelizmente, como fugir de um aumento de impostos, recorrendo-se a novas alíquotas sobre a renda dos mais privilegiados e à ampliação emergencial de taxas sobre combustíveis, por exemplo.


Serão imensas, escusado dizer, as resistências da sociedade a iniciativas desse tipo. O país, contudo, não tem escolha. A presidente Dilma Rousseff tampouco: não lhe restará, caso se dobre sob o peso da crise, senão abandonar suas responsabilidades presidenciais e, eventualmente, o cargo

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

FHC: O grito parado no ar.

Fernando Henrique e a sua análise que li neste feriado nacional. 

A vertigem da política brasileira é tamanha que não dá vontade de ler as páginas dos jornais que dela se ocupam. O pior é que acabo caindo na armadilha de falar sobre a política corrente, a respeito da qual já quase tudo foi dito. Se eu escrever, como teria vontade, sobre a crise (horrorosa) da Venezuela e o mutismo do Brasil diante dela, ou sobre a tragédia das migrações dos fugitivos da guerra ou da miséria que encontram as portas fechadas na Europa, pode-se imaginar que estou me esquivando de enfrentar o desafiador cotidiano brasileiro...

Sendo assim, vamos lá, outra vez. Há poucos dias escrevi uma frase no meu facebook que resumia a angústia com que nos defrontamos. Diante do que vem acontecendo, disse: ou a presidente Dilma renuncia ou assume uma inesperada liderança nacional. Caso contrário, acrescentei, continuaremos no ramerrão deixando que a operação Lava Jato e a crise econômica sacudam o país ao sabor de cada nova delação ou de cada nova estatística publicada. Deixei de lado, de propósito, os pedidos de nulidade das últimas eleições presidenciais, que correm no Tribunal Superior Eleitoral e um eventual pedido de impeachment por conta da eventual rejeição das contas da União pelo Tribunal de Contas.

Para minha surpresa, a leitura quase unânime foi a de que eu “mudara de posição” e pedia a renúncia da presidente. Os seus torcedores (poucos), alguns líderes do PT à frente, não precisavam de mais nada para me “desmascarar”: afinal, quem é esse senhor para ousar pedir a renúncia da presidente, quanta insolência! Também os que defendem o fim antecipado do atual mandato presidencial, não viram no que escrevi senão o apelo à renúncia, um ato exclusivo de quem ocupa o cargo.

Por que me referi à renúncia? Porque, no fundo, é este o grito parado no ar. Não foi a alternativa única que coloquei, mas foi a que, subconscientemente, à maioria dos que me leram pareceu ser a solução mais simples e menos custosa para sairmos do impasse. Não me parece a mais provável, dada a personalidade de quem teria de fazer o gesto de grandeza. É certo que a dinâmica das renúncias raramente se move por impulsos íntimos. São as condições políticas que as suscitam. Teremos chegado a este ponto? Ao colocar as alternativas respondi implicitamente que ainda não.

Entretanto, como a vida segue e não se vê a presidente assumir as rédeas do governo nem muito menos refazer seus laços com a sociedade, o mais provável é que os dois motores da conjuntura atual, ambos sem o controle dos políticos, continuem a ceifar esperanças: os processos judiciais, que ao implicar uns e outros e cada vez mais numerosos, vão enterrando a aspiração à impunidade de gregos e troianos; e a crise econômica que destrói empregos, arrasa lucros, aumenta o sofrimento do povo e não permite apontar para um horizonte de retomada de crescimento.

Mal comparando com conhecidos textos sobre este tipo de conjuntura, têm-se a impressão de que o antigo já morreu, e o novo ainda não surgiu. Este é o impasse. De que o governo cambaleia, não há dúvidas. A cada semana uma demonstração nova, a última foi o desencontro com a “nova” CPMF. Mal começavam os defensores do governo a justificá-la, de repente, a presidente diz que é e sempre foi contra a CPMF...

Se não há CPMF ou que nome se queira dar ao tributo, como fechar as contas no Orçamento? E lá vem nova barbeiragem: mostra-se o déficit e o Congresso que se arranje! O poder presidencial já se tinha diluído nas mãos de um ministro da Fazenda, que não reza pela cartilha da presidente, e nas mãos do vice-presidente, que é de outro partido. Por acaso desapareceu de nossa Constituição a separação entre as obrigações do Executivo e as do Legislativo? Será isso a antecipação de um debate salutar sobre a implantação, em futuro não muito longínquo, do parlamentarismo? No presidencialismo, contudo, cabe ao Executivo apontar os caminhos, e ao Legislativo corrigi-los, mas não desenhá-los. Não tem cabimento no presidencialismo tal tipo de delegação de poderes.

O fato é que este ziguezague político é prenúncio de que o fracasso atual não é só o de um governo — que inegavelmente tem a responsabilidade maior por ele —, mas de um sistema político que, mal manejado — por falta de traquejo, cegueira ideológica ou incompetência administrativa (que vem de mandatos anteriores do PT, diga-se) —, acabou por se esgotar e carregar consigo as finanças públicas. Disso se trata agora: o país quebrou, a economia vem sendo arrastada para o fundo do poço, e a desilusão da sociedade só faz aumentar.

Sendo assim, a solução da crise não decorrerá apenas da remoção do obstáculo mais visível a um reordenamento político, simbolizado por quem exerce o Executivo e pelo partido de apoio ao governo, mas da formação de um novo bloco de poder que tenha força suficiente para reconstruir o Estado brasileiro, livrando-o do endividamento crescente e já contratado pelas leis aprovadas. Bloco de poder não é um partido, nem mesmo um conjunto deles, é algo que engloba, além dos partidos, os produtores e os consumidores, os empresários e os assalariados, e que se apoia também nos importantes segmentos burocráticos do estado, civis e militares.

Não é de um golpe que se precisa, dele não se cogita, porque inaceitável. Precisa-se do reconhecimento explícito da situação pré-falimentar em que nos encontramos. Precisa-se de dispositivos constitucionais que regulem a expansão do gasto público, de regras que limitem o endividamento do Estado, assegurando o equilíbrio de longo prazo das contas públicas, em favor do investimento, tanto público como privado. Precisa-se de uma reforma profunda das regras eleitorais e partidárias que, sem grandes complicações, reduza a proliferação de falsos partidos, moralize o financiamento eleitoral e diminua os gastos de campanha. Precisa-se de um pacto federativo que, reformando o sistema tributário, nem sufoque os contribuintes nem deixe os estados à míngua. Para isso é preciso rever o que a sociedade espera do governo e está disposta a pagar para que o estado possa melhorar a vida povo.

domingo, 6 de setembro de 2015

"Alea jacta est!" - 06/09/2015.


Em tempos de crises econômicas, políticas e sociais, somente o humor cearense para salvar o dia!



Brasil: ambiente de risco.

Editorial da FOLHA neste domingão expõe o descrédito quanto à capacidade do governo de pagar suas dívidas, numa  situação que pode provocar mais um ano de recessão profunda. 

Em 20 anos de relativa estabilidade da moeda, houve apenas um momento em que a desvalorização do real superou a verificada nos últimos 12 meses, de 72%. Foi em março de 1999, quando o país deixava atabalhoadamente o regime de câmbio quase fixo, uma perda de valor exagerada em parte pela própria natureza dessas transições.

A depreciação que se registra desde a eleição da presidente Dilma Rousseff (PT) excede mesmo aquela que se deveu ao pânico da eleição de Lula (PT), em ambiente econômico outra vez crítico.

No momento, parece não haver limite para a perda de valor do real, assim como não têm âncora as taxas de juros do mercado financeiro.

As tentativas do governo de apaziguar o ânimo dos agentes econômicos são cada vez mais desacreditadas, seja pelo descasamento de palavras e ações, seja pelas próprias declarações presidenciais, que se desdizem a respeito do ajuste das contas públicas.

Tal degradação realimenta a crise recessiva. A grande e contínua desvalorização do real pode reavivar a alta da inflação e travar a queda dos juros no início de 2016. A deterioração aguda das condições financeiras pode levar a um outro ano de recessão profunda.

Embora o Banco Central nesta semana não tenha alterado a Selic, taxa que regula o mercado de dinheiro no curto prazo, os juros futuros e de empréstimos mais longos sobem de modo preocupante.
A desorientação era tamanha que o Tesouro suspendeu um leilão de títulos prefixados. Ou seja, o governo deixou de tomar empréstimos a taxas de juros fixas, pois o custo estava alto demais.

O dólar em alta sem dúvida reflete também instabilidades na economia mundial. Mas a discrepância da desvalorização da moeda brasileira e a de países equivalentes indica um crescente descrédito na capacidade do governo e do Brasil de pagar suas contas.

Não é outro o sentido da elevação das taxas de juros, movimento em parte associado ao do dólar.

Em suma, o Brasil, seu governo e suas empresas são considerados um risco cada vez maior para os investidores, o que começa a tornar róseos os cenários de apenas estagnação em 2016.

Esse é o resultado direto das ações disparatadas do governo Dilma Rousseff, das notícias de que o plano de ajuste foi praticamente abandonado e, enfim, do rumor de que sua administração voltaria a ser conduzida pelas ideias que causaram o presente drama.

Caso continue a demonstrar descaso pelo tumulto que tem gerado, maior o risco de provocar um colapso, uma crise financeira aguda e uma recessão ainda mais desastrosa do que ora se imagina.

Papa Francisco: no mundo real. Hoje, no Vaticano, ele falou e fez!


Hoje, na Cidade do Vaticano, ele falou e fez. Amém.  

Cari fratelli e sorelle,

la Misericordia di Dio viene riconosciuta attraverso le nostre opere, come ci ha testimoniato la vita della beata Madre Teresa di Calcutta, di cui ieri abbiamo ricordato l’anniversario della morte.

Di fronte alla tragedia di decine di migliaia di profughi che fuggono dalla morte per la guerra e per la fame, e sono in cammino verso una speranza di vita, il Vangelo ci chiama, ci chiede di essere “prossimi”, dei più piccoli e abbandonati. A dare loro una speranza concreta. Non soltanto dire: “Coraggio, pazienza!...”. La speranza cristiana è combattiva, con la tenacia di chi va verso una meta sicura.

Pertanto, in prossimità del Giubileo della Misericordia, rivolgo un appello alle parrocchie, alle comunità religiose, ai monasteri e ai santuari di tutta Europa ad esprimere la concretezza del Vangelo e accogliere una famiglia di profughi. Un gesto concreto in preparazione all’Anno Santo della Misericordia.

Ogni parrocchia, ogni comunità religiosa, ogni monastero, ogni santuario d’Europa ospiti una famiglia, incominciando dalla mia diocesi di Roma.

Mi rivolgo ai miei fratelli Vescovi d’Europa, veri pastori, perché nelle loro diocesi sostengano questo mio appello, ricordando che Misericordia è il secondo nome dell’Amore: «Tutto quello che avete fatto a uno solo di questi miei fratelli più piccoli, l’avete fatto a me» (Mt 25,40).


Anche le due parrocchie del Vaticano accoglieranno in questi giorni due famiglie di profughi.

Queen Elizabeth II: 63 years on the throne!


A rainha britânica Vitória (1819-1901) ficou 63 anos, sete meses e dois dias no trono. Na próxima quarta-feira 9/9/2015, sua tataraneta, Elizabeth 2ª, quebra esse recorde com a disposição de quem, aos 89 anos, aderiu há pouco ao Twitter e posou para fotos ao lado do novo casal de bisnetos —o príncipe George e a princesa Charlotte.

Em suas aparições públicas, quase sempre em trajes de cores insólitas que fazem conjunto com um chapéu, Elizabeth 2ª não parece dar mostras de que pretenda abdicar em favor do seu filho, o príncipe Charles, herdeiro presumido da Coroa.

A então princesa se tornou rainha com a morte do pai, George 6º, em fevereiro de 1952, mas só foi entronizada em 2 de junho de 1953, em cerimônia registrada pelo fotógrafo britânico "sir" Cecil Beaton.

Elizabeth 2ª é, também, a rainha de 16 dos 53 Estados-membros da Comunidade Britânica de Nações ("Commonwealth"), incluindo o Canadá, a Austrália, a África do Sul, o Paquistão e a Jamaica, entre outros. Além disso, é governadora suprema da Igreja da Inglaterra.

Hoje, há quem conteste os gastos da manutenção da monarquia e de toda a sua pompa mesmo em solo britânico, mas a rainha ostenta índices de popularidade que passam dos 70%. A monarquia perdura desde o século 10 no Reino Unido, e, sob Elizabeth 2ª, tornou-se um fenômeno midiático, avançou pelo pop e pelo BritPop, transformou em "sir" músicos como Paul McCartney e Mick Jagger.

No último dia 13 de junho, quando a rainha celebrou seu 89º aniversário, houve um desfile militar em Londres e mais de mil soldados, com uniformes de gala, marcharam na comemoração.

O curioso é que Elizabeth 2ª nasceu no dia 21 de abril de 1926, mas seu aniversário é comemorado em público no segundo sábado de junho —quando, espera-se, o clima deve favorecer a ida de súditos e turistas curiosos às ruas, para acompanhar os desfiles e ver a rainha passar pelas ruas de Londres, em carruagem aberta.

Muito além de mais um fotógrafo britânico que virou "sir", Cecil Beaton (1904-1980), o preferido da rainha Elizabeth 2ª, já foi descrito como esnobe, refinado, exuberante e indiscreto.

Ele teve o privilégio de ser o único a clicá-la sozinha, horas antes da sua coroação, em 2 de junho de 1953, numa abadia de Westminster ainda sem público.

Mas Beaton foi também o fotógrafo que fez a ponte entre a realeza britânica e a vida mundana.

Entre os retratados de Beaton, que foi fotógrafo da revista "Vogue" britânica no pós-guerra e virou "sir" em 1972, estão personalidades como a rainha-mãe Elizabeth Bowes-Lyon Windsor, a própria Elizabeth 2ª e figuras tão díspares como Greta Garbo, Coco Chanel, Pablo Picasso, Mick Jagger, Johnny Weissmuler, Marlene Dietrich e Elizabeth Taylor. 

Fonte: Folha de S. Paulo. 

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Setembro/2015: a primavera chegou!!!


Qual é a alternativa?

No ESTADÃO de 01/9/2015, o texto do competente Ilan Goldfajn, economista-chefe e sócio do Itaú Unibanco:

O Brasil está deprimido, clinicamente. Não consegue ver nenhuma saída para seus problemas. Percebe o problema fiscal como insolúvel. Tinha metas no passado? Não conseguiu atingir. Tem metas menores no presente? Já não são factíveis. E as metas futuras, basta prometer, não? Já ninguém acredita. Mas, e se for pra valer, cortando gastos? Dizem que estamos no osso (mesmo gastando mais de 40% do PIB). E aumentar impostos, como no passado? Ninguém mais se submete a isso. A solução, então, é aceitar o déficit primário? É a pior saída. Significaria mais inflação, recessão, queda de salário real e piora na distribuição de renda.

Indicar um déficit primário no Orçamento (em vez de superávit) para o ano que vem significa admitir que o País não consegue decidir-se por um caminho que evite o pior. E significa também que não há consenso para transformar um desequilíbrio no presente em equilíbrio futuro. O resultado será uma dívida crescente. E um risco Brasil maior. Nesse caso, as agências de classificação provavelmente reduziriam o grau de investimento do País. Os investidores reprecificariam os ativos brasileiros no mercado, o que resultaria em queda na bolsa, depreciação do câmbio e juros maiores nos mercados.

A inflação viraria a solução, na falta de opção. A depreciação do real aumentaria a inflação, o que reduziria as rendas, em termos reais. Os salários não conseguiriam acompanhar a inflação, em razão da fraqueza no mercado de trabalho. As rendas mais baixas sofreriam mais com o aumento da inflação por estarem menos protegidas e consumirem parcela maior da renda.

A inflação é o imposto regressivo que fecha as contas, à força. É a solução clássica no Brasil do passado. As diversas lideranças neste país se recusam a optar por outra solução.

E a solução do passado vai enfrentar as instituições do presente: há metas de inflação e um Banco Central com responsabilidade para cumpri-las. Para evitar uma inflação maior a atividade poderá sofrer mais. Na ausência do ajuste via preços, a economia pode precisar ajustar ainda mais via quantidade.

O próprio risco Brasil maior reduz o investimento, que derruba a atividade, enfraquecendo o mercado de trabalho. Essa fraqueza destrói empregos e induz a queda do salário real, o que diminui a massa salarial e o consumo. A recessão poderia aprofundar-se.

A perda de renda real, que afeta desproporcionalmente os mais pobres, impactaria a distribuição de renda e a nova classe média. O tão festejado PIB do povo - dos dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) -, infelizmente, alcançaria o PIB dos economistas, como já era de esperar. A nova classe média sofreria sendo empurrada para classe baixa, uma volta traumática.

O desenrolar acima seria a efetiva saída por não optar. Mas qual é a verdadeira alternativa?

No presente, cortar mais gastos é visto como muito difícil, assim como diminuir benefícios é visto como impopular e quase impossível. Mas aumentar a inflação, perder o grau de investimento, aprofundar a recessão e piorar a distribuição de renda, essa é uma opção válida?

Recuso-me a acreditar que num país com tanto gasto e tanta ineficiência não seja possível achar espaço para melhorar. Certamente há frutas baixas a serem colhidas. O contra-argumento é que, ao contrário da colheita de frutas nos trópicos, a melhora na economia precisa de um mínimo de organização, liderança e certo consenso.

É claro que temos problemas considerados “estruturais” (entenda-se, que vêm de longa data e são considerados de difícil resolução). Acredita-se que a sociedade tenha adotado um grande “contrato social” desde pelo menos a Constituição de 1988, cujos benefícios concedidos a vários grupos já não cabem no PIB. A carga tributária necessária para pagar esse Estado social já paralisa a economia. A dívida criada para financiar os gastos atingiu um teto, e o risco de perda do grau de investimento atesta isso.

Dizem que não se pode desperdiçar uma crise para fazer as duras mudanças. O medo do pior torna o custo da mudança o mal menor. Entre duas opções ruins, o natural em tempos normais é acreditar numa terceira mais benigna que ainda virá. Adia-se a decisão à espera dessa opção benigna, que não aparece. As opções realistas ficam piores. A crise obriga a uma decisão, contanto que haja um mínimo de organização e liderança.

Há certamente escolhas duras a fazer, revendo benefícios, adequando o Estado à renda disponível. Nada trivial. É mais fácil dar do que tirar, se autoenganar do que aceitar a realidade do possível. Mas essa dura realidade não deve ser interpretada como um convite à falta de posicionamento e a delegar a um futuro distante a tarefa de consertar os problemas estruturais, a ser resolvida depois de um grande consenso abstrato da sociedade. A dura tarefa terá de ser feita aqui, e a partir de agora, na forma como o Brasil se organiza, pelo Congresso e pelo Executivo (neste e nos próximos). As políticas adotadas hoje não são neutras: pioram ou melhoram os problemas estruturais.

Alguns ajustes estão a caminho. O câmbio mais depreciado ajuda a diminuir o déficit em conta corrente e estimula o crescimento dos setores exportadores e que competem com importados. É uma das poucas fontes de crescimento.

O realismo tarifário aliviou setores e descongelou preços, tirando distorções relevantes e ajudando a economia. O ajuste parafiscal reviu programas insustentáveis e diminuiu subsídios. O investimento na infraestrutura e as reformas do PIS-Cofins e da unificação do ICMS, se aprovadas, são esforços na direção certa.

Mas é necessário equacionar o problema fiscal, sem o que será difícil enxergar a retomada da economia e um caminho estável à frente. Para isso será necessário optar, por exemplo, por um corte maior no curto prazo (e depois buscar uma reforma que limite o crescimento de gastos no longo prazo). Evita-se assim a crise que, implicitamente, é escolher a pior opção.