terça-feira, 13 de outubro de 2015

Voo MH17: com 298 mortos, um crime monstruoso sem autor?


As notícias, todas, estão disputando para ver qual a pior do dia, que deixamos passar sem uma reflexão, a queda de um avião com 298 pessoas a bordo, todas mortas por um míssil disparado por... ninguém???!!!


E a vida continua, num mundo essencialmente confuso e cruel! 

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Angus Deaton - 2015's Nobel Prize for Economics.


Angus Deaton is the winner of 2015's Nobel Prize for Economics.

Angus Deaton is the winner of 2015's Nobel Prize for Economics, with the committee praising his "analysis of consumption, poverty, and welfare".

“To design economic policy that promotes welfare and reduces poverty, we must first understand individual consumption choices,” the academy wrote. “More than anyone else, Angus Deaton has enhanced this understanding. By linking detailed individual choices and aggregate outcomes, his research has helped transform the fields of microeconomics, macroeconomics, and development economics.”

During a call at the press conference, Deaton declined to comment on whether his work on gender inequality and other issues could lead to fixing those problems. But historically the recognition that the prize brings has brought economists' ideas to the fore, and allowed them to become more involved in policy making.

Deaton describes his research as focusing on “the determinants of health in rich and poor countries, as well as on the measurement of poverty in India and around the world”, on his page on the Princeton University website. He is the Dwight D. Eisenhower Professor of Economics and International Affairs at the university’s public and international affairs and economist departments.


Deaton is one of the few 2015 Nobel laureates who won’t have to share his prize with anyone. He is also the last winner to be announced — though his prize isn't strictly a Nobel but rather the "Sveriges Riksbank Prize in Economic Sciences in Memory of Alfred Nobel".

Nobel in Economics is Given to Angus Deaton - 2015.

Angus Deaton, a renowned microeconomist, was awarded the Nobel Memorial Prize in Economic Science on Monday for his studies of consumption, poverty and welfare.

Mr. Deaton, 69, a professor at Princeton, is best known for his studies of the choices of individual consumers. “By linking detailed individual choices and aggregate outcomes, his research has helped transform the fields of microeconomics, macroeconomics, and development economics,” the Royal Swedish Academy of Sciences said in its citation.

The prize was announced in Stockholm by Goran K. Hansson, the academy’s permanent secretary.

The committee in recent years has honored a number of academics for work showing either that markets are inefficient or how to deal with that reality. Last year, the committee picked Jean Tirole, a French economist, for his work on the effective regulation of imperfect markets. In 2013, it honored Eugene F. Fama, Lars Peter Hansen and Robert J. Shiller for their research on the movements of financial markets.

The economics prize is the newest of the Nobels, established in 1968, in Alfred Nobel’s memory, to celebrate the 300th anniversary of the Sweden’s central bank, the world’s first. Mr. Deaton joins 75 laureates — includingMilton FriedmanFriedrich von Hayek and Amartya Sen — who have been honored since the prize was first awarded, in 1969. The prize is 8 million Swedish kronor (about $976,000).


More than 80 percent of the economics laureates have been American citizens. Only one woman has won: the political scientist Elinor Ostrom, in 2009.

Economic Sciences Nobel 2015: Angus Deaton.

The Sveriges Riksbank Prize in Economic Sciences in Memory of Alfred Nobel 2015 was awarded to Angus Deaton "for his analysis of consumption, poverty, and welfare".

Nobel de Economia 2015: previsão.

A Real Academia de Ciências Sueca vai divulgar nesta segunda-feira o vencedor do Prêmio Nobel de Economia. O frenesi em torno da revelação do vencedor (ou dos vencedores) nas semanas que antecedem o anúncio leva muitos economistas a fazer - mais por curiosidade do que por real necessidade de ofício - o que fazem a sério todos os dias: contas.

Na agência Reuters, um grupo de analistas atualiza anualmente uma lista de possíveis vencedores. O trabalho dos analistas da Reuters não chega a ser uma ciência exata: desde 1990, quando foi elaborada pela primeira vez, a lista acertou o nome de nove ganhadores.

Os analistas da Reuters levam em consideração informações que incluem citações em artigos acadêmicos e notas de rodapé dos potenciais vencedores em artigos de terceiros. Com base nesses critérios, as apostas dos analistas da agência para 2015 incluem o britânico Richard Blundell, e os americanos John List e Charles Manski.

O trabalho de Blundell, da Universidade College London (parte integrante da Universidade de Londres), é voltado a pesquisas sobre mercado de trabalho e comportamento do consumidor. List, da Universidade de Chicago, tem interesses múltiplos, entre eles a economia comportamental. Manski, por sua vez, professor da Northwestern University, tem trabalhado em pesquisas ligadas à teoria da escolha racional, que tenta determinar a lógica de decisão de um indivíduo em diferentes cenários econômicos.

O jornal americano The Wall Street Journal também tem sua lista de apostas. Ela inclui, entre outros, os americanos Paul Romer (Universidade de Nova York) e Robert Barro (Harvard), economistas dedicados a pesquisas sobre a teoria dos jogos. Esse ramo da matemática que já garantiu o Nobel de Economia em pelo menos duas oportunidades: 1994 (premiação que incluiu o americano John Nash, retratado no filme "Uma Mente Brilhante", de 2001) e na edição de 2005.


Nesta segunda-feira, às 8h (horário de Brasília), os economistas-apostadores vão testar a eficácia de suas previsões.

Fonte: Revista VEJA.  

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

USP: ainda a melhor do Brasil, mas em queda no mundo!

Leio na FOLHA, matéria da SABINE RIGHETTI, sobre a USP. 

A USP teve o pior desempenho dos últimos anos na avaliação internacional de universidades THE (Times Higher Education), que elabora o principal ranking universitário da atualidade. Na listagem de 2016, lançada nesta quarta (30), a instituição está entre o 251º e o 300º lugar.

A universidade esteve entre as 200 melhores do mundo em 2012 e 2013. Caiu para o grupo 226º-250º em 2014, subiu para 201º-225º na edição seguinte e, agora, despencou (os rankings do THE existem desde 2004, mas as edições só são comparáveis a partir de 2012).

A melhor universidade do mundo, segundo o ranking global, é a Caltech, da Califórnia (EUA) –instituição que tem 31 docentes com prêmios Nobel e 40 vezes menos alunos do que a gigante paulista.

Entre as dez melhores da lista há instituições dos EUA, do Reino Unido e, pela primeira vez, uma escola suíça: a ETH de Zurique subiu de 13º lugar para 9º neste ano.

O THE se baseia em cinco critérios: qualidade do ensino e da pesquisa, internacionalização e impacto da universidade na indústria e no meio científico.

A Caltech recebeu 99,8% no indicador que mede o seu impacto na atividade acadêmica mundial. Isso significa que os trabalhos publicados pelos seus docentes são amplamente mencionados em artigos científicos em todo o mundo.

Já a USP amargou com 20,4% no mesmo indicador. Foi aqui, aliás, que a universidade teve o seu maior tombo: na edição do ano passado, a USP chegou a atingir 32,3%.

"É no impacto da pesquisa científica e na internacionalização que as nossas universidades mais escorregam e que precisam melhorar", analisa Carlos Henrique de Brito Cruz, diretor-científico da Fapesp (agência que financia pesquisa científica no Estado de São Paulo).

Na avaliação de internacionalização do THE, a quantidade de estudantes e de docentes estrangeiros conta pontos para a universidade. Enquanto a Caltech tem 27% dos estudantes vindos de outros países, a USP tem 4% de alunos de fora.

A universidade paulista também tem perdido pontos no indicador que avalia o ambiente de aprendizagem. Uma das métricas é a quantidade de alunos por docente. Na Caltech, são 6,9 alunos por professor; na USP, a taxa é de 14,6.

"A USP precisa entender onde está perdendo", diz Valdemir Pires, professor da Unesp com doutorado em economia da educação. "Mas vale destacar que avaliações como rankings partem de uma lógica produtivista. É isso que queremos?"

A USP declarou que não comentaria os resultados do THE. Na edição deste ano do ranking internacional QS –concorrente do THE– a USP perdeu a liderança na América Latina para a UBA (Universidade de Buenos Aires), que subiu 74 posições em relação ao ano anterior.


No Brasil, a USP figura como melhor universidade no RUF (Ranking Universitário Folha). Na quarta edição do ranking, lançada em setembro, a universidade também liderou em 29 dos 40 cursos de graduação avaliados.