segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Nobel de Economia 2015: previsão.

A Real Academia de Ciências Sueca vai divulgar nesta segunda-feira o vencedor do Prêmio Nobel de Economia. O frenesi em torno da revelação do vencedor (ou dos vencedores) nas semanas que antecedem o anúncio leva muitos economistas a fazer - mais por curiosidade do que por real necessidade de ofício - o que fazem a sério todos os dias: contas.

Na agência Reuters, um grupo de analistas atualiza anualmente uma lista de possíveis vencedores. O trabalho dos analistas da Reuters não chega a ser uma ciência exata: desde 1990, quando foi elaborada pela primeira vez, a lista acertou o nome de nove ganhadores.

Os analistas da Reuters levam em consideração informações que incluem citações em artigos acadêmicos e notas de rodapé dos potenciais vencedores em artigos de terceiros. Com base nesses critérios, as apostas dos analistas da agência para 2015 incluem o britânico Richard Blundell, e os americanos John List e Charles Manski.

O trabalho de Blundell, da Universidade College London (parte integrante da Universidade de Londres), é voltado a pesquisas sobre mercado de trabalho e comportamento do consumidor. List, da Universidade de Chicago, tem interesses múltiplos, entre eles a economia comportamental. Manski, por sua vez, professor da Northwestern University, tem trabalhado em pesquisas ligadas à teoria da escolha racional, que tenta determinar a lógica de decisão de um indivíduo em diferentes cenários econômicos.

O jornal americano The Wall Street Journal também tem sua lista de apostas. Ela inclui, entre outros, os americanos Paul Romer (Universidade de Nova York) e Robert Barro (Harvard), economistas dedicados a pesquisas sobre a teoria dos jogos. Esse ramo da matemática que já garantiu o Nobel de Economia em pelo menos duas oportunidades: 1994 (premiação que incluiu o americano John Nash, retratado no filme "Uma Mente Brilhante", de 2001) e na edição de 2005.


Nesta segunda-feira, às 8h (horário de Brasília), os economistas-apostadores vão testar a eficácia de suas previsões.

Fonte: Revista VEJA.  

Nenhum comentário: