Pular para o conteúdo principal

NÃO APRENDEMOS COM A HISTÓRIA

Neste final de semana santa de feriadão chegou ao meu acesso dois recentes textos diversos, mas que falam do passado e do presente. Robert Fisk, do The Independent, critica os cinco anos de guerra no Iraque e fazendo um histórico de fatos militares, conclui que "É nossa presença, nosso poder, nossa arrogância, nossa recusa em aprender com a história e nosso terror sim, terror contra o Islã, que nos estão conduzindo ao abismo". Paul Krugman, do The New York Times, demonstra que a crise americana atual é muito parecida com a de 1929 e que o FED/Bernanke deveria rever as liçoes da Grande Depressão e manter o sistema financeiro sob controle. Os artigos são ótimos, merecem sua leitura na íntegra e, realmente, como acontece na Economia, na História os ciclos também se repetem e os homens nada mudam.

Comentários

Erik Figueiredo disse…
Penso diferente do Paul Krugman. Deixe o mercado equilibrar-se, nada de intervenções.
Abraços, João.
Pedreliano disse…
Kafkiano, porém contemporâneo!! Brilhante, é compreensível e singular!!

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...