terça-feira, 3 de setembro de 2013

Delfim elogia Mantega.

Hoje, no VALOR ECONÔMICO, Delfim Netto afirma que Guido Mantega tinha razão sobre a "guerra cambial". E conclui:   

A nossa taxa de câmbio está sujeita às mesmas pressões que pesam sobre a maioria dos países emergentes, somadas aos nossos problemas internos. Em compensação dispomos: 1) de um mercado de câmbio extremamente sofisticado e bem regulado, no qual existem instrumentos de intervenção governamental (swaps) em que a operação é nominada em dólares, mas liquidada em reais. A despeito de terem custos fiscais, eles permitem a substituição do uso das reservas (que, ao contrário, reduz o custo fiscal) até que a taxa de câmbio atinja um patamar estável; e 2) de US$ 370 bilhões de reservas, o que nos dão segurança e tempo para qualquer ajuste.


O fato de o real ter sido a moeda que mais se desvalorizou recentemente é irrelevante. Ela foi, também, a que mais se valorizou artificialmente nos últimos anos, nos quais não aproveitamos os ganhos dos termos de troca para fazer reformas que devíamos. Eles foram usados, juntamente com a maior taxa de juro real do mundo, para valorizar o câmbio e controlar a inflação, o que custou a destruição do nosso sistema industrial.

Nenhum comentário: