Pular para o conteúdo principal

Brasil: cenário econômico para 2014/2015.

O cenário macroeconômico brasileiro para encerrar o ano de 2014 sinaliza um ambiente de crescimento tendendo a zero e com a inflação acima da meta.

Enquanto os Estados Unidos estimam para 2014 um PIB de 2,3% e a Zona do Euro média de 1,4%, para o Brasil, com muito otimismo, projetamos algo em torno de 0,3%. Destaque-se que a inflação americana e na Zona do Euro é bem menor que a brasileira, estimada em 6,5%.

Em dezembro ocorreu a última reunião do Copom que, na ocasião, elevou a Taxa Selic para 11,75%. Pelos comentários das autoridades monetárias, é provável que o aumento na taxa de juros perdure pelo menos para o primeiro trimestre de 2015. Lembrando que a Taxa de Juros de Longo Prazo, a TJLT, também em dezembro subiu de 5,0% para 5,5%.

Quanto à balança comercial, desde setembro/2001 não se verificava um resultado tão ruim para um ano, o que faz com que 2014 se encerre com um déficit comercial de US$ 4,7 bilhões, algo como 0,2% do PIB.

E a máquina estatal continua sua disparada de gastos, donde de um superávit de R$ 80,9 bilhões em 2013, até novembro 2014 já alcançava um déficit primário de R$ 19,6 bilhões.

Com os Estados Unidos em expectativa para um breve aumento da taxa de juros, no Brasil o dólar continuará sua trajetória de elevação, tendo fechado o mercado em 30/12/2014 no valor de R$/US$ 2,80.

Esperamos que a nova equipe econômica liderada pelo Ministro Joaquim Levy consiga manter em Brasília força política suficiente que resulte em 2015 em indicadores realmente compatíveis para um Brasil em crescimento e desenvolvimento.               

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...