Pular para o conteúdo principal

Delfim Netto: "Ad gustum".

O professor Delfim Netto, hoje na Folha de S. Paulo: 

Os resultado sociais e econômicos do último quinquênio (2011-2015) revelam o desastre: 

1º) um aumento do desemprego que agora atinge mais de 11 milhões de trabalhadores; 
2º) uma regressão na distribuição de renda; 
3º) uma estagnação do PIB total, mas uma queda de 4% no PIB per capita; 
4º) uma taxa de inflação de 40%, quando a meta era de 25%; 
5º) um deficit acumulado em conta corrente que somou quase US$ 400 bilhões e destruiu o setor industrial; 
6) um deficit fiscal de 6% em 2014 e 10% em 2015; 
7º) um aumento da relação dívida bruta/PIB de 52% para 66% e, por fim, mas não por último,
8º) a perda do "rating" soberano que havíamos obtido em 2011!

Na íntegra: 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...