sábado, 8 de setembro de 2012

UFPA - 24ª posição - Parabéns!


Recentemente, foi divulgado o "Ranking Universitário Folha" (RUF), uma listagem inédita das universidades brasileiras, elaborada de acordo com a qualidade das instituições. Para chegar à classificação, foram utilizados indicadores de pesquisa e de inovação e opinião do mercado de trabalho e de pesquisadores renomados. Na avaliação, a Universidade Federal do Pará (UFPA) ficou na 24ª posição entre as 191 instituições analisadas. O resultado foi recebido com ânimo pelos membros da Instituição, inclusive pelo reitor Carlos Maneschy.

Para a pró-reitora de Ensino de Graduação, Marlene Freitas, o resultado do "Ranking" é condizente com o trabalho que a UFPA vem fazendo. “Considero que estamos relativamente bem situados, embora creia que a nossa situação pode ser até mais vantajosa que aquela revelada, de qualquer modo, o resultado é motivo de alegria. Nós temos um nível de qualificação docente bastante elevado, a UFPA tem uma liderança entre as suas congêneres da região, não só no nível de qualificação docente, como também em pesquisa e tecnologia, tanto no âmbito da graduação como no da pós-graduação”, disse a professora, a qual também afirma que tudo isso reflete no produto da Universidade, este produto é o número de egressos que ela consegue encaminhar ao mercado de trabalho.

Trabalho árduo – “Não existe uma universidade ideal, nós enfrentamos uma série de problemas diariamente, mas essa é uma construção contínua e é um dever nosso seguir em frente”, diz a pró-reitora. Quanto ao resultado, Marlene consegue vê-lo como um reflexo do trabalho que os professores realizam, do nível da produção acadêmica e científica e das relações com a comunidade, de um modo geral, seja a comunidade mais vulnerável, do ponto de vista econômico, ou mesmo da relação com o mundo empresarial.

A professora afirma que, de modo geral, há um bom olhar sobre a UFPA. “Posso dizer que, por exemplo, nas seleções para pós-graduação, seja no Estado, seja fora dele, são raros os casos que os alunos daqui não conseguem seus objetivos.

Marlene Freitas destaca que ainda há muito a se fazer nesse trabalho contínuo de melhorar a qualidade de ensino e de formação, de fazer com que o professor descubra como é importante a adoção de novas tecnologias, apropriando-se das tecnologias de informação e comunicação para que sejam cada vez mais bem conduzidas. “Nós, como pró-reitoria de Graduação, temos insistido nisso, a tal ponto que criamos um Programa de Formação Continuada para que o professor esteja sempre preparado e para que mantenha essa sede por inovação permanente”, diz a pró-reitora.

Interiorização – Segundo Marlene Freitas, o Programa de Interiorização é um dos contribuintes para o crescimento da UFPA. “A Universidade cresceu de uma forma surpreendente. O Programa surgiu há mais de 25 anos e foi uma estratégia revolucionária, pois, se não fosse isso, hoje, não teríamos os campi consolidados, fazendo ensino, pesquisa e extensão na graduação e pós-graduação. Hoje, temos campi com mestrado e doutorado.”

A Federal do Pará tem 11 campi no Estado, os quais descentralizam a oferta de cursos e promovem a criação de novas universidades, como o Campus de Marabá, que está para se tornar a Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará", diz o reitor Carlos Edilson de Almeida Maneschy.

Pesquisa - Quem também não possui dúvidas de que a UFPA está entre as melhores universidades do Brasil é o pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Emmanuel Tourinho.  “Este "Ranking" é uma referência interessante, pois nos leva a olhar para os nossos indicadores e vermos o que podemos fazer para melhorar”, afirma.

A questão da pesquisa foi levada em conta na construção do "Ranking", este foi um dos indicadores usados na pesquisa. “A pesquisa científica, aqui, é cada vez mais forte em todas as áreas do conhecimento, e isso tem refletido inclusive na expansão da pós-graduação. Para se ter ideia, em três anos, foram abertos 24 cursos de mestrado e doutorado. Isso mostra o amadurecimento muito rápido da pesquisa, não só na capital, como também no interior. Além disso, nossos grupos de pesquisa são muito internacionalizados, temos muitas cooperações com instituições do mundo inteiro. “Esse salto na pesquisa, com certeza, colaborou para esta boa colocação na UFPA”, considera o pró-reitor.


Fonte: UFPA.

Nenhum comentário: