Pular para o conteúdo principal

Dilma, sem ordem econômica a casa cai! !"Lembrai-vos de 37".


Hoje em sua coluna no ESTADÃO, a competente Eliana Cantanhêde nos recorda o Brasil de 1930/31 ao escrever sobre a situação do ministro Joaquim Levy.
De maneira geral, os péssimos números atuais da economia brasileira não são de responsabilidade do Levy, mas, sim, resultado da condução política ou, provavelmente, da ausência de um gestor político capaz de monopolizar as difíceis decisões que o Executivo deve tomar, sem preocupações com partidos ou tutores.
Qualquer governo não tem sustentação política se a situação econômica não oferece à sociedade bons números. E aí, também como Cantanhêde, temos que recordar dos tempos de Getúlio Vargas.  
Ao final de 1952, os “trabalhadores do Brasil” conviviam com uma inflação de 12,7% ao ano, com viés de alta e a balança comercial amargava um déficit de US$ 280 milhões. O “Diário de Notícias” informava que “o custo de vida disparou no rodopio da espiral inflacionária”.
Com razão, na campanha presidencial de Bill Clinton em 1992, seu marqueteiro produziu a hoje conhecida e verdadeira frase: “É a economia, estúpido! ”.
Por isso, é imperioso que Dilma faça o que deve ser feito no sentido de estabelecer uma economia saudável com a inflação em até 4,5% ao ano, contas públicas em ordem e o câmbio flutuante. Será que isso é pedir demais?     

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...