domingo, 29 de novembro de 2009

JOSÉ SERRA E O PÓS LULA

Este post vai para o meu colega Vitor Wilher http://www.vitorwilher.com, quando li a pouco na Folha de S. Paulo, na coluna do Gaspari: Felizmente acaba de sair o livro "Retrato de Grupo", comemorativo do 40º aniversário do Cebrap, o centro de pesquisas criado em torno de Fernando Henrique Cardoso. Nele há uma boa entrevista de Serra, dada em julho do ano passado. Ele reclama dos juros caros, do dólar barato, dos gastos do governo e resume uma vaga plataforma econômica:
"Temos de pensar o seguinte: o Brasil deve ter hoje 190 milhões de habitantes, perto disso; daqui a dez anos, teremos dezenas de milhões de pessoas a mais no mercado de trabalho. O modelo primário exportador, para onde o país está caminhando, não é capaz de gerar empregos com o dinamismo que a oferta de trabalho exige. Ele não vai gerar desenvolvimento sustentado (e sustentável), e o país está caminhando para isso. Então é um grande desafio reinventar o desenvolvimento, como se dizia na linguagem da Cepal, hacia dentro [para dentro], junto com hacia fuera [para fora], porque voltar o desenvolvimento só hacia fuera, que é o que está acontecendo, não vai dar conta dos problemas principais do país".

Um comentário:

VW disse...

Olá João! Eu li quase há pouco o Elio Gaspari (de O GLOBO) citando o mesmo trecho que você coloca no seu blog.

Gaspari atenta para o fato de Serra estar quieto há pouco menos de 1 ano das eleições. Eu, entretanto, sou daqueles que defende o ex-ministro. Acho que Serra deve governar SP e deixar o debate para o ano que vem mesmo.

Além disso, não sou dos empolgados com Serra. O acho uma versão melhorada desse tal "ptero-desenvolvimentismo". Quando falo em "pós-lulismo", dou o recado a todos os opositores de Lula - e não apenas ao ex-ministro.

Mas vamos em frente, porque 2010 se aproxima. A agenda econômica para o próximo governo já deveria estar em pauta e não vejo sombra dela nem na imprensa nem na blogosfera. Vamos propor alguma?

Abç
VW