domingo, 7 de abril de 2013

Capitalismo de Estado ganha mais força no Brasil.


NOURIEL ROUBINI - ESPECIAL PARA O PROJECT SYNDICATE

Na FOLHA DE S. PAULO, NOURIEL ROUBINI, professor de Economia da Escola Stern de Administração de Empresas, Universidade de Nova York e presidente da Roubini Global Economics (www.roubini.com), escreve e critica o capitalismo de estado, inclusive no Brasil.

Nas quatro últimas semanas, visitei Sófia, Kuala Lumpur, Dubai, Londres, Milão, Frankfurt, Berlim, Paris, Pequim, Tóquio, Istambul e EUA. Os inúmeros desafios que a economia mundial enfrenta estavam por perto.

Na Europa, o risco de uma dissolução da zona do euro caiu depois da decisão do Banco Central Europeu, no terceiro trimestre de 2012, de intervir para sustentar os títulos de dívida nacional.

Mas os problemas fundamentais da UE - baixo potencial de crescimento, recessão continuada, perda de competitividade e endividamento - não foram resolvidos.

Além disso, o acordo entre os países centrais da zona do euro, o BCE e as nações periféricas - dolorosa austeridade em troca de apoio financeiro - está se desfazendo porque o cansaço quanto à austeridade nos países periféricos contrasta com o cansaço de resgatar dos países centrais, como a Alemanha.

Na China, a transição de líder aconteceu sem solavancos. Mas o modelo econômico continua, na definição do ex-premiê Wen Jiabao, "instável, desequilibrado, descoordenado e insustentável".

Os problemas da China são muitos: os desequilíbrios regionais; o excesso de poupança e o baixo consumo; a alta da renda e da desigualdade de renda; e a imensa degradação ambiental.

Os novos líderes do país falam convictamente da necessidade de aprofundar as reformas e reequilibrar a economia, mas continuam cautelosos e conservadores.

Como resultado, as reformas necessárias para reequilibrar a economia podem não acontecer com rapidez suficiente para impedir uma aterrissagem dura quando a contração do investimento chegar, o que deve vir no primeiro trimestre de 2014.

Na China e na Rússia (e em parte no Brasil e na Índia), o capitalismo de Estado ganhou mais força, e isso é mau sinal para o crescimento.

No geral, esses quatro países (o grupo Bric) vêm recebendo elogios exagerados, e outros emergentes podem se sair melhor na década que vem - Malásia, Filipinas e Indonésia, na Ásia; Chile, Colômbia e Peru, na América Latina; e Cazaquistão, Azerbaijão e Polônia, na Europa Oriental e na Ásia Central.

Mais a leste, o Japão inicia uma nova experiência econômica para conter a deflação, estimular o crescimento e restaurar a confiança.

O modelo econômico tem diversos componentes: estímulo monetário agressivo; um estímulo fiscal neste ano para forçar uma retomada da demanda, seguido por austeridade fiscal em 2014; reformas estruturais; e novos acordos de livre comércio.

Mas os desafios são assustadores. Não está claro que a deflação possa ser vencida por meio de política monetária; um estímulo fiscal excessivo e a postergação das medidas de austeridade podem tornar a dívida insustentável; e a reforma está indefinida.

Temos também o Oriente Médio, que continua a ser um arco de instabilidade da África do Norte ao Paquistão. A Turquia quer se tornar uma grande potência regional. Mas o país tem muitos desafios nacionais a enfrentar. O deficit em conta-corrente é alto e a política monetária parece confusa, já que o estímulo ao crescimento tromba com o controle da inflação.

Nesse ambiente mundial frágil, será que os EUA se tornaram um farol de esperança? Eles experimentam diversas tendências econômicas positivas: o mercado de habitação se recupera, a exploração de petróleo e gás em campos de xisto reduzirá os custos da energia; a criação de empregos avança; os custos trabalhistas crescentes na Ásia estimulam o renascimento da indústria; e as medidas agressivas de relaxamento quantitativo ajudam tanto a economia real quanto os mercados financeiros.

Mas ainda há riscos. O desemprego e a dívida domiciliar continuam altos. O arrasto fiscal causado pelo aumento de impostos e cortes de gastos prejudicará o crescimento, e o sistema político é disfuncional, com a polarização entre os partidos impedindo soluções sobre o deficit fiscal, imigração, política de energia e outras questões que afetam o crescimento.

A zona do euro e o Reino Unido continuam afundados em recessão, agravada pelas política monetária e fiscal dura. Entre as economias emergentes, a China pode enfrentar uma aterrissagem dura, por volta do final de 2014, se as reformas estruturais essenciais forem adiadas, e os demais países do grupo Bric precisam deixar para trás o capitalismo de Estado.

Embora outros mercados emergentes na Ásia e na América Latina estejam mostrando mais dinamismo que o grupo Bric, sua força não bastará para virar a maré mundial.

Nenhum comentário: