Pular para o conteúdo principal

Brasil: a economia sem o apoio da política.


No mês onde o mundo comemora o Dia Internacional do Trabalho, o trabalhador brasileiro, governado por um partido dito dos Trabalhadores, espera com paciência bovina a taxa média de desemprego desabar dos 4,8% a.a. em 2014 para estimados 6,8% a.a. e 8,0% a.a. ao final dos anos de 2015 e 2016, respectivamente.

Enquanto isso, a taxa básica de juros (SELIC) sobe de 12,75% a.a. para 13,25% a.a. e o PIB estimado para o final deste 2015 desaba para -1,5% a.a., depois de um 2014 estagnado.

A inflação, sempre ela, há muito tempo ultrapassou o centro da meta de 4,5% a.a. e nas compras o consumidor observa o seu dinheiro não chegar ao final do mês.  

As contas do governo registraram em março um superávit primário de R$ 1,5 bilhão, valor muito inferior ao esperado pelo mercado que era de cerca R$ 3,2 bilhões.

Para complicar, os políticos não se entendem e no horizonte ainda não temos uma liderança capaz de reverter este quadro. 

E quem podia ajudar, hoje mais atrapalha. 

Pelo menos, Joaquim Levy demonstra ser um moço calmo. 

Até quando?

Comentários

A má gestão do setor público aliada aos interesses políticos e pessoais denigrem qualquer desempenho econômico.

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...