Pular para o conteúdo principal

Read Hillary Clinton’s Speech on Donald Trump and National Security: June 2, 2016.

As Secretary of State, Senator and First Lady, I had the honor of representing America abroad and helping shape our foreign policy at home. As a candidate for President, there’s nothing I take more seriously than our national security. I’ve offered clear strategies for how to defeat ISIS, strengthen our alliances, and make sure Iran never gets a nuclear weapon. And I’m going to keep America’s security at the heart of my campaign.
Because as you know so well, Americans aren’t just electing a President in November. We’re choosing our next commander-in-chief – the person we count on to decide questions of war and peace, life and death.
And like many across our country and around the world, I believe the person the Republicans have nominated for President cannot do the job.
Donald Trump’s ideas aren’t just different – they are dangerously incoherent. They’re not even really ideas – just a series of bizarre rants, personal feuds, and outright lies.
He is not just unprepared – he is temperamentally unfit to hold an office that requires knowledge, stability and immense responsibility.
This is not someone who should ever have the nuclear codes – because it’s not hard to imagine Donald Trump leading us into a war just because somebody got under his very thin skin.
We cannot put the security of our children and grandchildren in Donald Trump’s hands. We cannot let him roll the dice with America.
This is a man who said that more countries should have nuclear weapons, including Saudi Arabia.
This is someone who has threatened to abandon our allies in NATO – the countries that work with us to root out terrorists abroad before they strike us at home.
He believes we can treat the U.S. economy like one of his casinos and default on our debts to the rest of the world, which would cause an economic catastrophe far worse than anything we experienced in 2008.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...

Economia com Samuelson e Nordhaus - 19ª edição.

Sempre que posso procuro acompanhar os lançamentos na área de Economia. Como aqui no Pará a logística é complexa, normalmente os lançamentos demoram a chegar. Porém, hoje, para minha surpresa neste início do final de semana, localizei na Saraiva a 19º edição do clássico ECONOMIA do Paul Samuelson e do William Nordhaus, sem que tivesse lido qualquer notícia sobre esse lançamento que ocorreu em 11.06.2012. 
Uma excelente notícia e uma boa indicação de leitura ou releitura de peso, nestes tempos nos quais em diversos governos pelo mundo, existe uma disparada de gasto público. Inclusive para melhor entender se o recomendável hoje é a mão pesada do estado ou a mão invisível do mercado. A reavaliar com atenção.
A propósito, Samuelson foi o principal seguidor de Keynes nos Estados Unidos e atualmente não sai da cabeça do Obama e, por que não, da presidente Dilma.