Pular para o conteúdo principal

Michael Lewis: O projeto desfazer.


O projeto desfazer conta a envolvente história da parceria de dois psicólogos israelenses cujo trabalho deu origem ao livro Rápido e devagar: Duas formas de pensar e transbordou a psicologia, influenciando áreas como economia, medicina e gestão de negócios. Ambos tiveram carreiras importantes no meio universitário e no Exército de Israel, e suas pesquisas são profundamente conectadas às suas experiências pessoais.

Amos Tversky era o centro das atenções em qualquer lugar que estivesse, um guerreiro extrovertido e autoconfiante. Já Danny Kahneman, um filho do Holocausto, é um fugitivo da guerra que se tornou um homem introvertido, inseguro, sempre se questionando em relação às suas próprias ideias. Michael Lewis conta esta parceria se tornou uma das mais importantes da história do meio científico, e esmiúça os métodos de trabalho da dupla. O entrosamento era tamanho que eles não conseguiam saber quem havia tido determinada ideia e quem deveria ter o crédito por ela. Invariavelmente, decidiam no cara e coroa quem seria o autor principal do trabalho e apenas alternavam a autoria do artigo seguinte.

Ao contar a história desta amizade que transformou a nossa forma de pensar, Michael Lewis nos ajuda a entender a perigosa influência da memória e dos estereótipos nos nossos processos de avaliação. Além disso, nos mostra que confiar apenas no nosso instinto pode os levar à decisão errada e que a incerteza deve ser levada muito em conta quando estamos tomando decisões importantes. Assim, a história de Tversky e Kahneman nos dá lições de como fazer previsões, nos ajudando a tomar melhores decisões nas nossas vidas.

http://www.intrinseca.com.br/livro/753/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...