Pular para o conteúdo principal

INFLAÇÃO X GLOBALIZAÇÃO?

Recentemente, dia 14 passado, fui surpreendido por um texto do Dani Rodrik com o definitivo título “A morte do consenso da globalização”. Em que pese nossa diferença acadêmica com seu imenso conhecimento econômico, não tenho motivos para considerar o que ele escreve como verdade verdadeira, apesar do respeito que lhe tenho. Eu continuo sendo defensor dos “dez mandamentos” que constam no paper “What Washington Means by Policy Reform” do John Williamson, principalmente nas partes que falam de disciplina fiscal e controle dos gastos públicos. Hoje temos mundialmente uma preocupação com o retorno da inflação, com sugestões das mais diversas causas, tais como o crescimento da China, o aumento do preço do petróleo, aumento no consumo, principalmente da demanda por alimentos etc. Porém, não basta apenas aumentar a taxa de juros, como deverá ocorrer na próxima reunião do Copom. Compete ao governo não aumentar seus gastos, notadamente neste ano eleitoral e ao gastar o seu, o meu, o nosso dinheiro, fazê-lo com competência. Vide o texto original no http://www.iie.com/publications/papers/paper.cfm?researchid=486

Comentários

Elaine Luz disse…
Caro Jonh,
O que pensamos e o que queremos nem sempre é o que se pode ou deveria ser feito quando se esta no "poder".
Velho ditado:"Dançamos conforme a música"
E a "maioria" das vezes quando se tem o "poder" nas mãos há inversão de valores e praticamente nenhum bom senso.

Bjs

Bom domingo

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...