Pular para o conteúdo principal

O BACEN CONTINUA COM MEIRELLES!

Entendemos que a manutenção de HENRIQUE MEIRELLES no BACEN, oferece um pouco de segurança nestes tempos de eleições vale tudo.

Hoje, direto da FOLHA DE S. PAULO, Marcelo Moura, professor do Insper e especialista em bancos centrais, comenta que Henrique Meirelles tem feito um "excelente" trabalho como presidente do Banco Central, mas a instituição ainda precisa conseguir que o país viva em estabilidade de preços com juros menores.

FOLHA - Qual é a sua avaliação da gestão Meirelles no BC?

MARCELO MOURA - O BC foi eficiente. Em 2003, quando o Meirelles assumiu, o regime de metas de inflação estava sendo questionado. Os índices de preços haviam ficado acima do desejado, e ele conseguiu reverter essa alta.

FOLHA - Muitos especialistas dizem que não era preciso usar uma dose tão forte de juros.

MOURA - No começo do mandato do Meirelles, a taxa Selic estava na casa dos 20% ao ano; hoje, encontra-se em 8,75%. A tendência de longo prazo, portanto, sempre foi de queda. Comparei as políticas do BC com as dos seus pares na América Latina e vejo o brasileiro como um dos mais agressivos para controlar a inflação e reduzir os juros. Nos últimos anos, a autoridade monetária fez o melhor que poderia, considerando o histórico de hiperinflação do país.

FOLHA - O fato de Meirelles não ter conseguido a independência do BC, como desejava, deve ser considerado um fracasso?

MOURA - O Meirelles não é responsável por definir esse tipo de coisa, e sim o Poder Legislativo.

FOLHA - E quais deveriam ser as prioridades do BC agora?

MOURA - O trabalho realizado pelo Meirelles foi excelente, porém não está completo. O Brasil ainda precisa conquistar uma estabilidade de preços com juros menores. Acho que o país tem, sim, condições de viver com uma taxa Selic abaixo de 5%.

Comentários

Diego de Paula disse…
“O fato de Meirelles não ter conseguido a independência do BC, como desejava, deve ser considerado um fracasso?”

Como assim independência??

Das entidades ligadas ao estado o BC é a mais sóbria e independente.

##
trade24hrs disse…
O Meirelles fez um bom trabalho, mas ainda sim conseguimos ver que em TODOS os momentos o BC não foi preenptive. Isso provo com 3 exemplos: 1º Alta de juros tardia em abril de 2008; 2º Queda de juros tardia no final de 2008; 3º Não subiu os juros agora se utilizando de argumentos fracos, apesar de admitirem a necessidade de alta....

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...