Pular para o conteúdo principal

A surpreendente aposta do BC.

Editorial de hoje do ESTADÃO avalia o recém-divulgado Relatório de Inflação.  

Baixo crescimento e inflação elevada ainda vão assombrar os brasileiros nos próximos dois anos, mas as contas públicas poderão melhorar, segundo as novas projeções do Banco Central (BC). Previsões sombrias sobre a evolução dos negócios e dos preços têm como contraponto um surpreendente otimismo em relação à política fiscal, no recém-divulgado Relatório de Inflação, um amplo panorama trimestral da economia. Nesta altura, e com base na experiência dos últimos anos, é mais fácil apostar nas estimativas mais sombrias do que nas hipóteses mais cor-de-rosa, apesar do provérbio chinês citado pelo diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton; "Achar é a mãe de todos os erros".

Os autores do relatório reduziram de 6% para 5,8% a inflação estimada para este ano, mas aumentaram de 5,4% para 5,7% a alta de preços ao consumidor calculada para o próximo ano. Além disso, estenderam até o terceiro trimestre de 2015 a taxa de 5,5% acumulada em quatro trimestres. Na edição de junho, essa projeção valia para o período encerrado nos primeiros três meses daquele ano. Por mais dois anos, portanto, os brasileiros deverão viver com uma inflação bem acima da meta oficial, 4,5%, já muito alta pelos padrões internacionais.

No entanto, fazer a alta de preços convergir para a meta continua sendo a missão principal do BC, segundo disse na semana passada seu presidente, Alexandre Tombin. A cada nova estimativa, no entanto, essa meta parece mais distante.

Outras projeções do BC se tornaram bem menos animadoras nos últimos três meses. O crescimento do PIB estimado para este ano caiu de 2,7% para 2,5%. De acordo com os novos cálculos, essa ainda será a expansão anual acumulada até o segundo trimestre de 2014.

Se os autores do relatório estiverem certos, a recuperação prometida pelo governo e aparentemente indicada pelos números do segundo trimestre do ano ainda será muito lenta.

Os economistas do BC também indicam uma reativação da economia puxada principalmente pelo investimento em máquinas, equipamentos, construção civil e obras de infraestrutura. O consumo, no entanto, ainda continuará em alta, puxado pelo aumento de renda dos trabalhadores e pelo crédito em expansão "moderada".

O baixo ritmo de crescimento da economia continuará associado, obviamente, ao desempenho medíocre da indústria. Como a demanda dos consumidores deverá ainda aumentar, é fácil de prever novas pressões sobre a importação de bens -tanto insumos quanto produtos finais. Por enquanto, as projeções do BC para o balanço de pagamentos terminam em dezembro. Os novos números foram publicados recentemente: exportações 0,7% menores que as do ano passado, importações 7,1% maiores e superávit comercial de U5$ 2 bilhões (US$ 7 bilhões na projeção de junho e USS 19,4 bilhões contabilizados em 2012). A estimativa do déficit em transações correntes foi mantida em US$ 75 bilhões, com a cobertura parcialmente garantida pelo investimento estrangeiro direto. O resto dependerá de investimentos financeiros, mais instáveis.

De forma um tanto inesperada, o relatório combina a estimativa de inflação elevada nos próximos dois anos com a expectativa de avanço das contas públicas na direção da neutralidade. Os técnicos do BC abandonaram há alguns meses a avaliação da política fiscal com base no resultado primário convencional. Passaram a usar como referência o resultado estrutural, expurgado das variações cíclicas e das despesas e receitas extraordinárias.


Superávits primários parecidos com aqueles "gerados recentemente" manterão a dívida pública em "trajetória sustentável", segundo o relatório. Além disso, resultados mais ou menos estáveis tenderão a ser neutros em termos de impacto sobre a demanda e, portanto, sobre a inflação. Essa expectativa é baseada em cálculos, insistiu Hamilton. Ainda assim, fica difícil de entender essa possibilidade diante dos resultados deste ano - de janeiro a agosto, um superávit primário de R$ 54 bilhões, o menor desde 2010 - e a previsível gastança da fase eleitoral.

Comentários

Marlei Faz disse…
Não tá facil mesmo...

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...