segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Robert Shiller - Nobel de Economia: entrevista NYT/FOLHA.

Recente entrevista com o Nobel Robert Shiller, aqui publicada pela FOLHA.

Robert Shiller, professor da Universidade Yale, foi informado na semana passada de que receberia o Prêmio Memorial Nobel de Ciência Econômica, em companhia de Lars Peter Hansen e Eugene Fama, da Universidade de Chicago. O comitê do Nobel descreveu Shiller como fundador do campo das finanças comportamentais e como inovador na incorporação da psicologia à Economia e citou suas análises pioneiras sobre bolhas especulativas nos mercados de ações e imóveis.

Ele também é parte do grupo de eminentes economistas que escrevem a coluna "Economic View" para o caderno dominical de negócios do "New York Times", tendo contribuído com 60 colunas de 2007 para cá. Como editor da coluna, conversei com ele muitas vezes sobre seu trabalho, e na quarta-feira passada Shiller me ligou do aeroporto, onde estava embarcando para uma palestra no banco central holandês em Amsterdã. Eis uma versão condensada e editada de nossa conversa.
*
P. Bob, parabéns! Que honra.
R. Obrigado!

P. E agora, fico imaginando em que você estará pensando como tema para sua próxima coluna.
R. Ha. Bem, certamente terei algo a dizer. Não sei, por enquanto. Você sabe que preciso escrever um discurso para a cerimônia do Nobel, e o prazo para isso é o dia 10 de dezembro. E tenho responsabilidades letivas pesadas. A pressão será grande!

P. É, parece que esse negócio do Nobel é muito difícil. Ninguém ia querer um prêmio desses.
R. Verdade, verdade. Mas é maravilhoso. Agora estarei mais e mais envolvido com o ensino. Vou preparar um novo curso online para a Coursera em janeiro, chamado "Mercados Financeiros". Fui informado de que 50 mil pessoas já se inscreveram para ele, e acho que isso é realmente importante. É uma missão para mim. Também vou lecionar o curso de introdução à Economia para os calouros de Yale, no semestre que vem, e terei 300 ou 400 alunos nessa classe. De alguma forma, conversar com os estudantes jovens ajuda a nos reconduzir à realidade. Ou pelo menos deveria.

P. Você agora terá de resumir a sua obra e sua pesquisa de uma vida inteira em algumas poucas sentenças. Sei que é pedir demais. Mas gostaria de tentar?
R. Bem. Trabalho com isso há muito tempo. Você está interessado em temas? Um deles é algo que aprendi com meu pai: o apreço pela invenção. Eu sempre quis desenvolver novos instrumentos. O primeiro trabalho que publiquei era sobre um "estimador" - era um procedimento estatístico, uma espécie de invenção. Meu pai conseguiu uma patente e abriu uma empresa; não foi um sucesso, mas talvez eu tenha algo dele em mim.

P. Ao longo de sua carreira, você trabalhou muito com métodos de mensuração - vasculhar dados e decidir o que pode ser mensurado, e como. Você foi um dos criadores dos índices Case-Shiller, que medem preços de imóveis. E seu trabalho é conhecido, entre o pessoal das finanças, pelo que eles chamam de "Razão P/L de Shiller" - uma maneira de utilizar dados sobre preços e lucros a fim de determinar se o mercado de ações está supervalorizado. Você colabora com a Fundação Cowles de Pesquisa Econômica há 31 anos, e ela é uma instituição que trabalha muito com a coleta de dados. Por que essas mensurações são importantes?
R. Nosso fundador, Alfred Cowles, era um administrador de investimentos que se desiludiu e se tornou cético. A administração de fundos era uma profissão que envolvia muita falsidade - pessoas que diziam ser capazes de obter retornos superiores à média do mercado quando na verdade não o eram. Ele suspeitava de que seus colegas em Wall Street estivessem simplesmente mentido, que não tivessem capacidade de prever o mercado. Queria dispor de pesquisas econômicas verdadeiras, pesquisas genuínas. E coletava dados.
Tenho a mesma natureza cética. Quando era criança, meu professor na escola dominical se queixou aos meus pais que eu tinha uma atitude negativa. Não acreditava em nada do que aquele cara dizia.

P. Bem, você fez isso em companhia de muitas outras coisas - trabalhou no campo teórico e com dados. Combinou diversos campos.
R. Sim, parte considerável do meu melhor trabalho teórico surgiu depois de eu me envolver com projetos de coleta de dados, porque dessa forma você se torna consciente de outra realidade.

P. E em companhia de Richard Thaler, da Universidade de Chicago, outro dos colaboradores da coluna Economic View, você foi uma das pessoas que introduziu a psicologia na teoria dos mercados. Como isso aconteceu?
R. Bem, me casei com uma psicóloga [Virginia Shiller, psicóloga com consultório em New Haven e instrutora clínica no Centro de Estudo da Criança em Yale], o que certamente influenciou! Também descobri que existiam certas lacunas na teoria do mercado eficiente, que era a ortodoxia no mundo das finanças, e elas simplesmente não faziam qualquer sentido.
Os economistas que desenvolveram essa teoria diziam que todas as pessoas que participavam dos mercados estavam fazendo cálculos, cálculos sobre valor presente dos ativos. Isso é loucura, porque você sabe que 90% da população nem mesmo sabe que esse conceito existe. Não estão fazendo cálculo algum. E a isso os economistas respondiam que, bem, não é que todo mundo esteja fazendo todos os cálculos, mas o mercado está se comportando de maneira eficiente porque as pessoas recebem conselhos de especialistas e de administradores de fundos.
Isso também está evidentemente errado. Na realidade, algumas pessoas talvez estejam agindo assim. Mas nem todas, ou nem mesmo uma maioria delas. A coisa se torna ritual - temos um dado modelo em que as pessoas acreditam porque outras pessoas acreditam nele, e assim por diante.

P. Como a "exuberância irracional", título de um de seus livros, afeta o mercado de ações, e como ela se enquadra à teoria do mercado eficiente?
R. Bem, a teoria do mercado eficiente é uma meia-verdade. A meia-verdade é que não é fácil ganhar muito dinheiro muito rápido, e que você pode passar anos perdendo dinheiro, mesmo que seja uma pessoa muito inteligente.
Onde a teoria erra é em afirmar que você deve presumir que não há interesse em tentar superar o mercado - ou que a política econômica deveria ser orientada sob a suposição de que não existem bolhas de mercado.

P. Portanto, bolhas existem.
R. Sim, elas acontecem o tempo todo. A maior parte da ação no mercado de capitais, em termos agregados, consiste de bolhas. Isso não se aplica a ações individuais, mas se aplica ao mercado como um todo.

P. Em suas colunas, você já escreveu muito sobre bolhas no mercado imobiliário - como a que estourou alguns anos atrás e conduziu à crise financeira da qual ainda estamos nos recuperando. Você constatou que os preços dos imóveis em geral se movem mais devagar que os das ações. Por que isso acontece?
R. Isso vem se provando verdade até agora, ao menos. Um motivo é que os imóveis são no geral um mercado de amadores; não é fácil para as pessoas agir rapidamente. Mas os profissionais estão chegando, e isso pode mudar.

P. Eugene Fama é muitas vezes mencionado como fundador da teoria do mercado eficiente e, como estivemos discutindo, você é um crítico dessa teoria. Não me surpreende que Fama tenha ganho o Nobel ou que você tenha ganho o Nobel. Mas é estranho que o tenham feito juntos.

R. Bem, Gene e eu temos muito em comum. Mais do que você poderia imaginar. Ele recolhe dados e os divulga, e eu os utiliza o tempo todo, e uso muitas de suas teorias. Nem todas elas, claro. Mas ele é um ótimo sujeito. É como ter um excelente amigo que acredita firmemente em uma religião diferente da sua. Você pode aprender muito com ele, mesmo que não ore em sua igreja. 

Nenhum comentário: