quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Economia doente. Somente na Argentina?

Matéria do economista Daniel Altman na FOREIGN POLICY e publicada hoje no ESTADÃO afirma que é difícil saber se o peso argentino aguentará até a chegada de um novo presidente, em 2015; e se o governo chegará até lá.  

A dois anos de deixar o cargo, a presidente Cristina Kirchner mantém a economia argentina à beira de uma crise cambial. Conseguirá o peso sobreviver até a chegada de um novo presidente? O governo vem gastando rios de dinheiro com o efeito colateral de uma inflação anual acima de 20%, o que tem sido repetidamente negado de maneira quase cômica.

Como que para provar que a inflação não poderia estar tão alta, o Banco Central (BC) argentino defendeu o peso numa taxa de câmbio artificialmente forte ante o dólar. Essa política fez o BC dilapidar suas reservas, vendendo dólares para sustentar o peso, enquanto o governo limitava rigidamente a capacidade de os argentinos comprarem dólares a uma taxa favorável e tirá-los do país. Surgiu um mercado negro - o dólar valia ontem 5,83 pesos, e no paralelo chegava a 9,62.

Nos últimos anos, o BC apoiou-se nos superávits comerciais para sustentar suas reservas. Mas esses superávits, que chegaram a 2,5% do PIB em 2009, basicamente desapareceram. Aliás, o FMI prevê que a Argentina enfrentará déficits comerciais em todos os anos de 2013 a 2018.

Esses déficits continuarão a corroer as reservas, assim como os pagamentos de juros de dívidas pendentes da Argentina, para os quais o governo recorreu ultimamente ao BC. O investimento estrangeiro na Argentina ajudaria a trazer mais moedas fortes, mas o país tem ficado atrás de seus vizinhos Chile e Uruguai na atração de dinheiro.

Na primavera de 2009, as reservas equivaliam a cerca de 1,8 vez a base monetária da taxa de câmbio oficial. Desde então, a relação se reduziu acentuadamente, estabilizando-se em cerca de 0,65 em setembro. Ironicamente, talvez, esse valor está pouco abaixo do nível de 0,67 que o BC foi encarregado de manter antes da desastrosa crise que começou em 2001.

Evidentemente, a taxa de câmbio atual é insustentável no longo prazo. Mas será sustentável até 2015? Se o BC conseguir chegar lá, a Argentina poderia conseguir um raro pouso suave. Todos os prováveis candidatos presidenciais - Mauricio Macri, Sergio Massa, Daniel Scioli e Elisa Carrió (ou um de seus aliados) - condenaram a inflação galopante que está destruindo o valor do peso. Em graus variados, eles estão todos comprometidos com a conversão da economia de um laboratório de cientista louco em uma parte mais transparente e integrada do sistema financeiro global.

Uma eleição bem-sucedida trará uma inundação de capital estrangeiro e um fortalecimento da economia, fortalecendo as reservas do BC e o peso. Os gastos públicos, a impressão de dinheiro e a inflação diminuiriam. Os preços das ações e valores dos ativos aumentariam. Seria preciso apenas, talvez, uma desvalorização gradual do peso. 

Nenhum comentário: