Pular para o conteúdo principal

O BACEN e o atual momento econômico.

Trechos finais do pronunciamento do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil, no encerramento ontem do “Itaú Macro Vision 2016”. Mais do que nunca, neste momento de grave crise política com resultados que impactam fortemente a economia, compete ao BACEN manter-se firme na busca da estabilidade do poder de compra da moeda e na solidez do sistema financeiro.  

Senhoras e Senhores, 

Apesar das dificuldades econômicas, o Sistema Financeiro Nacional, continua sólido, bem capitalizado, líquido e pouco dependente de recursos externos. O desenvolvimento do crédito se dá em níveis adequados ao momento econômico. Nesse ambiente de baixa confiança dos tomadores e de incertezas de natureza não econômica, a própria demanda por crédito se retrai. Por outro lado, o aumento moderado dos índices de inadimplência não representa risco material para o sistema, pois as instituições contam com níveis adequados de provisionamento e o endividamento do setor privado está sendo bem gerenciado, inclusive por meio de renegociações de operações de crédito. É com base nesse cenário que tenho afirmado que a solidez do Sistema Financeiro Nacional representa importante fundamento da economia brasileira, especialmente relevante neste momento de grandes desafios nos ambientes doméstico e internacional, e, numa análise prospectiva, referida solidez será um fator crucial para a recuperação econômica do país.

Os ajustes na economia têm sido importantes, mas ainda não completaram seu ciclo. Há muito o que fazer para o resgate da confiança da sociedade na economia brasileira. Em qualquer contexto, mas especialmente quando vivenciamos alto nível de incertezas, a principal contribuição do Banco Central do Brasil é trabalhar para proteger o poder de compra da moeda e para assegurar a solidez do sistema financeiro, bases para o crescimento sustentável da economia. 

Obrigado pela atenção.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...