Pular para o conteúdo principal

O MUNDO EMERGENTE - 2009

A revista EXAME enviou no final do ano passado para APENAS 8.000 pessoas no Brasil, uma edição especial sobre "Como o surgimento de novas potências está redefinindo a geografia econômica mundial." (Lamento dizer, mas não estou entre os que receberam a revista. Deve ser por falha na entrega...)

Com excelentes artigos de grandes pensadores como Joseph Nye - Moisés Naím - Hernando de Soto - David King - Paul Collier - Antoine Van Agtmael - JHim O´Neill - Jorge Castañeda - o nosso Samuel de Abreu Pessoa da FGV - Alberto Alesina e Bill Clinton entre outros. Muito além da qualidade editorial da Abril, os artigos merecem uma obrigatória leitura para todos que desejam aprofundar sua visão global.

Apenas como entrada, cito uma breve passagem do texto do Joseph Nye quando ele comenta a comparação que muitos fazem hoje entre a derrocada de Roma diante dos povos bárbaros e a de que os Estados Unidos estariam com seus dias de glória contados. Para ele "muitos previram o fim do dólar como reserva monetária primária, e a verdade é que o dólar tem se apreciado. É melhor tomar cuidado com previsões sobre o fim da economia americana. Sim, foram cometidas muiotas bobagens. Mas não, o poderio americano não acabou."

Retorno depois ao assunto, pois são artigos, como o de Moisés Naím, no qual ele cita que "esta crise financeira vai transformar profundamente a economia global e terá consequências mais profundas e duradouras que os atentados às torres gêmeas. Mas ela nem marca o fim do capitalismo nem o início do fim dos Estados Unidos."

É nisso que eu também acredito e que torço para que as atuais previsões se revertam e ao final de 2009 tenhamos um resultado muito diferente do hoje previsto.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...