quarta-feira, 3 de março de 2010

LEITURA INEVITÁVEL: DELFIM NETTO

Direto da FOLHA DE S. PAULO, a leitura inevitável de ANTONIO DELFIM NETTO, com o sugestivo título de Discussão extemporânea:

A discussão sobre se o Banco Central deve ou não elevar a taxa nominal de juros (a Selic) diante de uma ameaça de aumento da taxa de inflação está fora do lugar. Por dois motivos: 1º) Porque o Brasil adotou a política econômica canônica utilizada na maioria dos países: a) relativo equilíbrio fiscal e controle da relação dívida pública/PIB; b) política monetária controlada por um Banco Central autônomo que manipula a taxa básica de juros para controlar a taxa de inflação; c) relativa liberdade de movimento de capitais e um sistema de câmbio flutuante; 2º) Porque podemos discutir, "pour épater les bourgeois", se o "Consenso de Beijing" (incompatível com a nossa concepção de vida) não seria melhor do ponto de vista exclusivamente econômico.

O fato concreto é que escolhemos o modelo de administração da nossa economia. Tudo é relativo, mas a verdade é que com ele temos nos saído relativamente bem! E o que ele recomenda quando aumenta a expectativa inflacionária? Que o Banco Central autônomo (e é "autônomo" para isso!) eleve, preventivamente, a taxa de juros nominal acima do aumento da expectativa de inflação, para aumentar o juro real. A discussão é, portanto, extemporânea: fora do tempo desejável ou apropriado.

O que devemos e podemos discutir é a relevância do modelo do Banco Central. Ele depende, essencialmente, de dois parâmetros variáveis estatisticamente fugidios: o PIB potencial e a taxa de juro real de equilíbrio.

Os modelos que utilizamos só explicitam (quando corretamente manipulados) as conclusões já contidas nas hipóteses neles incorporadas. Eles não garantem que as hipóteses ou as evidências empíricas internalizadas têm relação com a "realidade". Os modelos macroeconômicos de demanda e oferta globais para determinar empiricamente a taxa de juro real de "equilíbrio" contrabandeiam, para dentro deles, as crenças e os erros do passado incorporados nos dados disponíveis.

Tais modelos podem indicar que tivemos no passado uma taxa de juro real de "equilíbrio" igual ao dobro da do resto do mundo. O que não podem "provar" é a sua necessidade ou inferir a sua validade empírica para o futuro.

Esta, obviamente, não é uma crítica ao uso dos modelos. Todos nós os usamos a vida inteira. É só uma advertência sobre os cuidados que temos de ter ao encará-los. São instrumentos úteis e mesmo indispensáveis, mas não são oráculos que respondem às perguntas dos crentes!

O que devemos esperar é que o Banco Central aja com moderação e leve em conta a natureza do aumento dos preços e os efeitos colaterais sobre o crescimento, o emprego e a taxa de câmbio.

Nenhum comentário: