Pular para o conteúdo principal

Seminário em SP: Economia em 2013.


InterNews promove em 30 de novembro de 2012 em São Paulo, seminário para melhor identificar os fatores que irão influenciar o desempenho da economia em 2013.  

A economia brasileira terá um crescimento, já praticamente assegurado, de 3% a 4% em 2013. O ambiente de negócios deve melhorar para a maioria das empresas. A economia está em aquecimento neste 4º trimestre de 2012, o que estabelecerá um novo patamar para as atividades econômicas.

No entanto, os desafios estruturais que o país não consegue superar impõem um teto neste crescimento. As expectativas de um desempenho mais dinâmico, que existiam em 2009 e em 2010, tornaram-se altamente improváveis. Mesmo o crescimento ainda baixo que se espera no Brasil para 2013 é vulnerável à possibilidade de agravamento da crise da zona do euro, de uma piora na economia americana ou de um pouso forçado do crescimento chinês.

Para ter um crescimento mais dinâmico e sustentável, o governo terá que melhorar a qualidade dos seus gastos correntes, criar condições para o aumento de produtividade, aprimorar os marcos regulatórios, promover uma reforma tributária, investir na educação e na qualificação de mão de obra e criar condições para a efetiva eliminação de gargalos de infraestrutura.

O crescimento do PIB em 2013 está limitado em 3,5%?

Qual o risco de um choque externo frustrar o crescimento esperado para o ano que vem?

O Brasil tem condições de resolver os entraves que impedem um crescimento mais dinâmico?
Quais as condições para a estabilidade nos patamares atuais das taxas de câmbio, juros e inflação?

Tudo isso e muito mais será respondido pelos conferencistas abaixo:

Amaury Bier
Presidente da Gávea Investimentos. Ex-diretor executivo do Banco Mundial, IFC e MIGA, foi secretário-executivo e secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda. Doutor em Economia pela USP.

Luiz Roberto Cunha
Professor da PUC-RJ, especialista em inflação, mestre em Economia pela Universidade de Vanderbilt (EUA).

Raul Velloso
Consultor econômico especializado em Contas Públicas Brasileiras. É sócio-diretor da ARD Consultores Associados. PhD em Economia pela Universidade de Yale, foi secretário-adjunto da Secretaria Nacional de Planejamento do Ministério da Economia.

Roberto Padovani
Economista –chefe da Votorantim Corretora. Mestre em Economia pela FGV-SP. Foi assessor do Ministério da Fazenda durante o Plano Real, sócio da consultoria Tendências e economista para América Latina do Banco WestLB.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...