Pular para o conteúdo principal

Os Economistas de Marina Silva.

Leio na FOLHA de S. PAULO, matéria sobre a equipe econômica que colabora com a candidata Marina Silva.

André Lara Resende e Eduardo Giannetti da Fonseca são as estrelas principais, mas a equipe que assessora Marina Silva na área econômica reúne pelo menos outros três profissionais respeitados no meio, embora pouco conhecidos fora da academia.
Os professores Alexandre Rands, da Universidade Federal de Pernambuco, Marco Bonomo, do Insper, e Tiago Cavalcanti, da Universidade de Cambridge, estão na linha de frente da campanha.
Os três contribuíram com a elaboração do programa do PSB antes da morte do ex-governador Eduardo Campos. Mais recentemente, foram convocados a participar ativamente da campanha.
A ascensão de Marina nas pesquisas de intenção de voto tem provocado forte assédio de empresários e investidores interessados em conhecer melhor as propostas da candidata para a economia.
A equipe, enxuta, se desdobra para dar conta dos convites para palestras e encontros com o setor privado.
Um desses eventos, organizado pelo Bank of America/Merrill Lynch na última segunda-feira (8) em São Paulo, foi pensado originalmente para cerca de cem convidados e acabou com uma plateia de quase 500 pessoas.
O número de representantes de Marina aumentou de forma proporcional ao interesse. Inicialmente, falariam apenas Walter Feldman e Bazileu Margarido, coordenadores da campanha de Marina.
A dupla acabou sendo reforçada por quase todo o núcleo da campanha, incluindo o candidato a vice da chapa, Beto Albuquerque, Lara Resende, os irmãos Alexandre e Maurício Rands e o biólogo João Paulo Capobianco.
Bonomo, que até agora vinha atuando apenas na concepção do programa, foi recrutado na semana passada para também representar Marina em eventos públicos.
Acadêmico respeitado --está entre os 20 economistas brasileiros com maior número de artigos em publicações acadêmicas--, Bonomo não está acostumado com os holofotes do debate público.
Ele conta ter conhecido Marina em 2010 e diz que logo se identificou com suas ideias. Mas chegou à campanha pelas mãos de Tiago Cavalcanti e Alexandre Rands, economistas que eram próximos de Eduardo Campos.
Bonomo foi um dos autores das propostas do programa relacionadas ao mercado de crédito. É defensor da redução do papel dos bancos públicos, que, segundo ele, deveriam atuar com foco em nichos específicos, como pequenas empresas e inovação.
"Mas tudo isso deve ser feito com muito cuidado, vagarosamente", disse Bonomo.
Cavalcanti também é crítico do protagonismo assumido pelos bancos públicos na oferta de crédito subsidiado. Seu estudo mais recente afirma que a política de subsídios não tem efeito positivo significativo para a produção e não ajuda os salários.

Assim como Rands, os dois economistas são defensores da importância da avaliação permanente dos resultados de políticas públicas. "Não quero discutir o tamanho do Estado, mas podemos discutir a sua eficiência", afirmou Cavalcanti.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...