Pular para o conteúdo principal

1.510.703 postos de trabalho perdidos em 2015: a cara do Brasil que deu errado!!!

Segundo dados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) - relativos ao ano de 2015  e divulgados nesta sexta-feira (16) pelo Ministério do Trabalho - o nível de emprego formal no país apresentou queda de 3,05% em relação ao estoque de trabalhadores formais de 2014, o que corresponde em termos absolutos, uma perda de 1.510.703 postos de trabalho no ano. Com isso, o estoque de trabalhadores que era de 49,6 milhões recuou para 48,1 milhões de postos no ano. Ao todo foram 8,3 milhões de estabelecimentos que declaram a RAIS no país.

O universo de declarantes da RAIS é mais abrangente que o do CAGED, pois, além do contingente de celetistas, engloba também o conjunto de estatutários que trabalham no setor público. Em comparação a 2014, observou-se que entre os celetistas a queda do nível de emprego chegou a 3,45%, representando um declínio de 1.364.280 postos de trabalho. Já entre os estatutários a tendência de queda ocorreu com menor intensidade, uma retração de 1,51%, correspondente à eliminação de 135.738 postos de trabalho.


Com relação aos rendimentos, os dados da RAIS 2015 revelam que os rendimentos médios reais dos trabalhadores, percebidos no mês de dezembro de 2015, sofreram um recuo de 2,56% em relação a dezembro de 2014. Em termos absolutos, a remuneração média dos trabalhadores passou de R$2.725,28 em 2014 para R$ 2.655,60 em 2015.

Os dados completos da RAIS 2015 estão disponíveis na página do MTb, no link http://pdet.mte.gov.br/rais

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...