sexta-feira, 30 de setembro de 2016

169 bilhões é o saldo devedor do governo nos últimos 12 meses!

O setor público consolidado registrou deficit primário de R$ 22,3 bilhões em agosto. O Governo Central e os governos regionais apresentaram deficits primários de R$ 22,1 bilhões e R$ 653 milhões, respectivamente, enquanto as empresas estatais registraram superavit primário de R$ 529 milhões.

No ano, o deficit primário acumulado foi de R$ 58,9 bilhões, ante deficit de R$ 1,1 bilhão no mesmo período de 2015. No acumulado em doze meses, registrou-se deficit primário de R$ 169 bilhões (2,77% do PIB), elevando-se 0,23 p.p. do PIB em relação ao mês anterior.

Os juros nominais apropriados por competência alcançaram R$ 40,7 bilhões em agosto, praticamente no mesmo patamar observado em julho. Observou-se, por um lado, ganho de R$ 4,3 bilhões nas operações de swap cambial no mês (comparativamente a perda de R$1,8 bilhão em julho) e, em sentido contrário, elevação no volume de juros apropriados em decorrência de um maior número de dias úteis em agosto. No acumulado no ano, os juros nominais totalizaram R$ 254,6 bilhões, ante R$ 338,3 bilhões no mesmo período do ano anterior. Em doze meses, os juros nominais atingiram R$ 418 bilhões (6,86% do PIB), reduzindo-se 0,19 p.p. do PIB em relação ao observado em julho.

O resultado nominal, que inclui o resultado primário e os juros nominais apropriados, foi deficitário em R$ 62,9 bilhões em agosto. No ano, o deficit nominal totalizou R$ 313,4 bilhões, comparativamente a deficit de R$ 339,4 bilhões no mesmo período do ano anterior. Já no acumulado em doze meses, o deficit nominal alcançou R$ 587 bilhões (9,64% do PIB), elevando-se 0,04 p.p. do PIB em relação ao valor registrado em junho.

deficit nominal do mês foi financiado mediante expansões de R$ 50,6 bilhões na dívida mobiliária e de R$ 17,2 bilhões na dívida bancária líquida, compensadas, parcialmente, pela redução de R$ 4,8 bilhões nas demais fontes de financiamento interno, que incluem a base monetária, e de R$ 138 milhões no financiamento externo líquido.No Boletim Focus, divulgado hoje pelo Banco Central, o mercado estima inflação menor e melhora no PIB. 

Nenhum comentário: