domingo, 21 de fevereiro de 2010

ECONOMIA: MERCADO X ESTADO?

ANDRÉ PETRY, escrevendo direto de NYC na VEJA desta semana, conclui que:
"Na visão simplista das coisas, toda regulação é contra o mercado, e todo mercado regulado é contra o capitalismo. Nem Adam Smith (1723-1790), pai do liberalismo, era totalmente contra a regulação, a intervenção do estado. Smith desancava banqueiros e via pelo menos duas dezenas de funções insubstituíveis a ser cumpridas pelo estado. John Maynard Keynes (1883-1946), santo padroeiro dos estatistas, tampouco desprezava o livre mercado, cujo primado na criação da riqueza ele reconhecia. Smith escreveu sua obra maior em 1776 e se insurgiu contra um estado em que o rei decidia se um industrial podia abrir uma segunda fábrica ou não; em que um desempregado de Manchester que ousasse tentar uma colocação em Londres poderia ser preso e condenado à morte. A força teórica de Keynes não está na negação da livre-iniciativa, mas na demolição da crença de que as pessoas agem racional e previsivelmente em suas relações econômicas e, portanto, tudo pode ser explicado por lógica e estatística. Ou, como magistralmente resumiu o economista americano Hyman Minsky (1919-1996): "Keynes sem o conceito de incerteza é como Hamlet sem o príncipe da Dinamarca". A atualidade de Keynes pode ser resumida no conceito: "Nós não existimos para os mercados. Os mercados é que existem para nós". Ela ficou ainda mais evidente depois que o trem especulativo de Wall Street esmagou as pernas das forças produtivas. A de Smith fica clara também se adaptarmos para ele o conceito keynesiano: "Nós não existimos para os governos. Os governos é que existem para nós"."

Um comentário:

Anônimo disse...

CARTÃO DE BANCO CLONADO OU GOLPE DE BANCO???!!!



Geralmente, sempre ocorre de alguém receber um telefonema, em que a pessoa do outro lado diz ser do banco. E geralmente muitos acabam sendo vitimas desse tipo de situação.

A pergunta que fica é a seguinte: existe dois cartões magneticos com o mesmo chip eletronico???!!! Ou isso é golpe de banco???!!! Ou, para justificar algum funcionário que passou a mão indevidamente em dinheiro de cliente???!!! Ou, fazer pressão para o cliente mudar de banco ou agência???!!! Alguém já se fez essa pergunta???!!! Porque geralmente sempre se houve esse tipo de história . E geralmente esse tipo de história já é bem velha.

Ou será que pelo fato de ficarem quase um mês inteiro de greve, como foi o mês de setembro/2016 faltou dinheiro para alguma coisa???!!! Alguém já se fez essas perguntas???!!!



Jupira Lucas Zucchetti
(Contabilista em Campinas-SP)