sábado, 19 de fevereiro de 2011

FOLHA DE S. PAULO - PARABENS!!!

HOJE, 19/02/2011, o meu JORNAL favorito completa NOVENTA ANOS. Sou leitor da FOLHA DE S. PAULO, antes, durante e depois de morar em Sao Paulo. Na minha opiniao trata-se do melhor jornal do BRASIL. Diante disso, abaixo o editorial da FOLHA que conta melhor esta historia.
PARABENS FOLHA DE S. PAULO!!!
Ao completar 90 anos hoje, a Folha renova seu compromisso editorial mais básico, expresso na consecução de um jornalismo crítico, pluralista e apartidário.
Espera-se de um bom jornal que as informações publicadas sejam corretas. Mas a seleção de temas e enfoques precisa estar orientada por algum critério. No caso deste jornal, trata-se de focalizar os problemas coletivos e fiscalizar a atuação dos agentes públicos, aos quais a sociedade delega a tarefa de gerir os impostos que paga. Daí decorre uma atitude de permanente interpelação jornalística das autoridades.
A sociedade brasileira é múltipla. Há décadas, este periódico procura refletir essa fecunda diversidade, seja ao abrigar opiniões variadas e contraditórias, seja ao ressaltar que cada fato admite mais de uma versão, julgando seu dever trazê-las ao conhecimento do leitor. Sem esquivar-se de emitir seu próprio ponto de vista, a Folha cultiva a pluralidade.
O leitorado tampouco é homogêneo; as mais diversas inclinações nele se encontram representadas. Até por esse motivo, o jornal reivindica uma posição apartidária, no sentido de rechaçar todo alinhamento com partidos políticos, grupos econômicos ou correntes de opinião. Considera que ceder às paixões partidárias seria abrir mão de sua autonomia para exercer um jornalismo livre.
Desde meados da década de 1990, o país foi sucessivamente governado por duas tendências políticas que, desde então, disputam a preferência popular, tucanos e petistas. Apesar da aspereza de sua rivalidade, ambas têm convergido para o que se poderia chamar de social-democracia atualizada. Buscam fomentar a economia de mercado e corrigir suas distorções por meio de ações regulatórias do Estado.
Formulado assim, em termos amplos, esse programa conta com o endosso deste diário. Nenhuma publicação terá sido, porém, mais incômoda do que esta o foi nos períodos presidenciais de Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva. Apontaram-se erros, cobraram-se compromissos assumidos, revelaram-se irregularidades. Este é um projeto editorial que acarreta desconforto também para quem o executa, pois as paixões do momento muitas vezes não permitem ver a trajetória de longo prazo.
Ao mesmo tempo, estamos cientes dos danos que um jornalismo crítico pode ocasionar de forma indevida, por precipitação ou imperícia. Daí a existência de um sistema interno de freios e contrapesos, do qual a face mais visível é a presença de um jornalista encarregado de fiscalizar e criticar a própria Folha e a publicação diária (e penosa) de uma seção de retificações -"Erramos".
O leitor acompanha o atual período de intensa transformação tecnológica que altera as relações tradicionais entre público e meios de comunicação. Acostumado a cultivar a inovação, este jornal vê na mudança sua própria razão de ser. Mas o cerne permanece na forma de compromissos que refletem, em nossa opinião, a melhor maneira de servir as centenas de milhares de pessoas que nos distinguem com sua confiança.

Um comentário:

Notícia em Verso disse...

A democracia sempre é a principal conquista de uma sociedade
Meios de comunicação: indispensáveis na divulgação da verdade
Quando um jornal completa 90 anos, temos que sim comemorar
Não pela empresa em si, mas pela contribuição que se pôde dar

Criado pela família Mesquita, o 1º nome foi “Folha da Noite”
Depois modernizada por Nabantino, que assumiu o controle
E logo tratou de apaziguar picuinha de Matarazzo e Chatô
Trazendo como trunfo a imparcialidade política para o leitor

Com o crescimento da publicação, o que era 1 jornal virou 3
Folhas da Manhã, Tarde e Noite: para todo tipo de freguês
Já em 1960, o que estava plural, transformou-se singular
Antes “Folhas”, agora Folha de São Paulo, nome a vigorar

Em 1964, com grande expressão, teve seu primeiro pecado
Ao lado dos militares, apoiou no Brasil o golpe de estado
Por covardia, aceitou a submissão, vergonha, boca fechada
Já outros veículos não admitiram suas páginas censuradas

Mas a Folha se redimiu: papel importante nas Diretas Já
No Impeachment, Mensalão e outros casos a considerar
Não é por acaso, há tempos, um dos grandes da informação
Muito mérito no passado e, certamente, nas páginas que virão

http://noticiaemverso.com
twitter: @noticiaemverso