quinta-feira, 21 de julho de 2011

Educação é tudo.

Este é o tipo de notícia que deveríamos sempre ler. Que prazer saber que ainda existe educação neste país. Hoje na FOLHA DE S. PAULO:

Cinco horas de estudo fora da jornada do ensino médio -"mas numa vida normal"- levaram Gustavo Haddad Braga, 16, a ser o primeiro brasileiro a ganhar medalha de ouro na Olimpíada Internacional de Física, semana passada, na Tailândia.

Ele disputou com outros 393 representantes de 83 países. Foi o 12º ano de participação do Brasil na competição, iniciada em 1967 e que premiou com o ouro os 54 melhores da edição 2011.

Em dois dias, os estudantes resolveram três problemas teóricos e dois experimentais, "nível de terceiro ano de faculdade", diz Gustavo, que cursa o terceiro ano do ensino médio com bolsa de 100% no colégio Objetivo de São José dos Campos (SP).

"Tenho facilidade com física, matemática e astronomia, mas tive de estudar bastante", diz ele, filho de engenheiros químicos. "Descanso mesmo, só de domingo." Apesar da carga horária pesada de estudos, "em geral com livros em inglês porque há pouco material em português", ele conta que ainda conseguia jogar futebol, nadar e jogar um pouco no computador, "mas não muito".

O outro lazer fez com que ele mantivesse contato com as matérias de exatas. "Gosto de dar aulas no colégio para quem também se prepara para essas olimpíadas." Prestes a se formar no ensino médio, Gustavo analisa seu futuro na educação superior. A primeira opção é ingressar em uma universidade norte-americana de ponta, como MIT ou Harvard.

"Eles têm um bom nome e dão oportunidade para ter aulas e fazer pesquisa. Formar-se no Brasil em física é um pouco penoso, não há muitas opções de trabalho." A mãe de Gustavo, Katia Haddad Francisco Braga, conta que a decisão ainda não está fechada. "Ele tem muita preocupação em ajudar a pesquisa do Brasil." A possibilidade de Gustavo sair do país preocupa o professor Euclydes Marega Junior, coordenador da Olimpíada Brasileira de Física. "Ele pode fazer a diferença aqui. Imagina se o país tiver mil outros Gustavos pesquisando e trabalhando?", diz.

"O resultado dele pode servir como incentivo para outros estudantes. Deve haver muitos outros como ele por aí, abandonados."

De acordo com o docente, o bom resultado numa competição como a olimpíada de física vem de "10% de talento e, o restante, de dedicação".

Enquanto não chega a hora de decidir qual universidade cursar, o ouro em física embarcou ontem para Portugal, para um torneio internacional de matemática.

Nenhum comentário: