quarta-feira, 27 de julho de 2011

Economia americana.

Lemos na FOLHA DE S. PAULO que o Federal Reserve (Fed), o banco central dos Estados Unidos, estimou que o ritmo de crescimento da maior economia mundial apresentou desaceleração recentemente.

"A atividade econômica continua crescendo, mas o ritmo se desacelerou" na maioria das regiões do país, afirmou o Fed em seu "Livro Bege", um relatório sobre suas reuniões apresentado nesta quarta-feira.

A estimativa do banco central americano foi divulgada no momento em que a saúde financeira dos Estados Unidos é colocada em prova. Democratas e republicanos estão em um impasse sobre o limite do país da dívida e sem um acordo até dia 2 de agosto o governo americano corre o risco de ficar inadimplente em algumas de suas obrigações.

Nesta data, os EUA devem ultrapassar o chamado teto de sua dívida, que é de US$ 14,3 trilhões (cerca de R$ 22,2 trilhões). Analistas afirmam que o calote da dívida americana poderia provocar um salto da taxa de juros nos Estados Unidos e potencialmente ameaçar a recuperação econômica mundial.

A oposição republicana, que controla a Câmara dos Representantes (deputados federais), exige que um acordo para elevar o teto da dívida seja vinculado a cortes no orçamento americano, para reduzir o deficit recorde, calculado em cerca de US$ 1,5 trilhão (R$ 2,3 trilhões) para o ano fiscal que termina em setembro.

Os democratas relutam em tocar em programas sociais que os republicanos querem enxugar, enquanto Obama insiste na necessidade de acabar com cortes de impostos que beneficiam a camada mais rica da população, criados ainda no governo de George W.Bush.

Nenhum comentário: