Pular para o conteúdo principal

DICA DE LIVRO - ECONOMIA COM NIALL FERGUSON

O historiador NIALL FERGUSON, Professor de Harvard e pesquisador de Oxford e Stanford é também um polemista. De perfil conservador, argumenta que impérios podem ser benéficos para a humanidade, tese que defendeu em "Empire", sobre a Inglaterra, e em "Colossus", sobre os EUA. Suas obras costumam ser transformadas em séries de televisão, como aconteceu também com "A Ascensão do Dinheiro", que foi ao ar no Reino Unido. O livro que fez decolar a sua carreira internacional, chamado "The Pity of War", de 1998, trata da Primeira Guerra Mundial.

É justamente o entrelaçamento eficaz entre história econômica e política que o alçou à fama mundial: ele foi eleito em 2004 uma das cem pessoas mais influentes do mundo pela revista americana "Time Para ele "Por trás de todos os grandes eventos da história humana, existe uma história financeira". Neste mês está lançando no BRASIL o seu livro “A ascensão do dinheiro”. Em entrevista a FOLHA, vejam o detalhe de uma resposta .

FOLHA - O senhor cria a "Chimérica" no seu livro, o que é isso?
FERGUSON - Meu argumento é que, para entender a economia mundial, é necessário entender a relação entre a China e a América [EUA]. A China exportadora, a América importadora. A China poupadora, a América gastadora. Essa relação esteve no centro da economia global nos últimos dez anos, e o interessante é perguntar se a crise levará ao fim da "Chimérica". A China tem reclamado cada vez mais do modo como os EUA lidam com a crise.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...