quarta-feira, 9 de junho de 2010

CONTROVÉRSIA.

Em dia de divulgação de PIB, vale o prazer da leitura do texto sempre inteligente de ANTONIO DELFIM NETTO, publicado na FOLHA DE S. PAULO.

Levantamento feito pelas competentes jornalistas Ângela Bittencourt e Lucinda Pinto ("Valor Econômico", 4/6) com 31 importantes analistas do sistema financeiro revelou que, para o Copom de hoje, 9 entre cada 10 estimavam um aumento de 0,75% da taxa Selic. O outro esperava 1%!

Tal unanimidade se devia provavelmente à estimativa do crescimento entre 2,5% e 3% do PIB do primeiro trimestre de 2010 contra o último de 2009, que afinal se confirmou em 2,7%.

É verdade que teremos uma safra 2009/10 melhor que a anterior e com aumento da produtividade, que a produção industrial está chegando ao "pico" alcançado antes da crise, que foram feitos investimentos que estão maturando e que existe uma escassez de mão de obra especializada, mas sem resultar em aumento dos salários reais acima da produtividade.

Apesar dos gargalos da infraestrutura, parece claro que podemos crescer entre 5% e 6% sem maiores pressões inflacionárias.

A dificuldade do Banco Central é que as pressões inflacionárias são sorrateiras e a credibilidade da política de metas depende do seu sucesso. No último quinquênio, a "meta" foi de 4,5% ao ano, e a inflação realizada, de 4,7%, o que certamente é um sucesso.

Os Bancos Centrais são normalmente conservadores. Tendem a subestimar o famoso "PIB potencial" e a superestimar a taxa neutra de desemprego e a taxa de juro real de equilíbrio para garantir sua credibilidade.

No Brasil, o caso é grave: depois de longas lutas e derrotas, o Banco Central concede que o tal PIB potencial talvez esteja entre 4,5% e 5%, mas garante que a taxa de juro real de equilíbrio está entre 7% e 8%, tão teratológica quanto sua estimativa de que a taxa de desemprego mínima para domesticar o mercado de trabalho deva ser de 7% a 8%.

O último "Boletim Focus" (4/6) mostra que o mercado financeiro espera uma taxa de inflação de 4,8% e uma taxa de crescimento de 4,5% para 2011, depois da elevação do juro esperada para 2010.

Qual é a taxa de juro real esperada pelos analistas acima?

Os mais comedidos (16% deles) esperam a Selic de 11,50% no final de 2010 e, portanto, uma taxa de juro real de 6,4%; os que esperam a Selic entre 11,51% e 12% (39% dos informantes), 6,6%; de 12,01% a 12,50% (32% dos informantes), 7,10%; e de 12,51% a 13,00% (13% dos informantes), 7,6%. Estão todos bem domesticados pela credibilidade dos modelitos do Banco Central!

Mas há controvérsia. O setor privado brasileiro há de ser muito produtivo para gestar um robusto crescimento pagando a maior taxa real de juros do universo e suportar a supervalorização do real dela decorrente.

Nenhum comentário: