Pular para o conteúdo principal

Miriam Leitao e o seu novo livro.

Tem livro novo na praca. MIRIAM LEITAO escreve sobre economia, of course, notadamente a nossa sempre lembrada hiperinflacao. Abaixo resenha postada pelo colega PERSIO ARIDA. .

Em seu novo livro, Míriam Leitão recupera, com a leveza e simplicidade do excelente jornalismo que a caracteriza, a longa saga através da qual o Brasil logrou finalmente livrar-se da hiperinflação. Num país como o nosso, que não tem como um de seus pontos altos a memória e a reflexão sobre sua própria história, isso já seria em si um feito digno de nota e admiração. Mas Míriam Leitão foi além ao chamar a atenção para um ator por muitos ignorado: nosso próprio povo. Todos sabemos que inflação não é criada pelos mercados, mas sim o resultado de políticas econômicas equivocadas. O que poucos se dão conta é que, para que a estabilização econômica seja bem sucedida, tem que haver, além de um bom governo, um pacto social de apoio e adesão.

Conto aqui um episódio que ilustrará bem o que quero dizer. Em 1984, dez anos antes do Plano Real e dois anos antes do Plano Cruzado, fiz uma apresentação no MIT, do trabalho que havíamos escrito, André Lara Resende e eu, sugerindo uma reforma monetária para terminar com a inflação no Brasil. Mário Henrique Simonsen e um professor de Harvard, que, mais tarde, seria figura importante no governo americano, eram os debatedores.

Expliquei o melhor que consegui a ideia do que mais tarde foi a URV, no trabalho aparecia como ORTN pró-rata dia, uma moeda virtual de transição. Simonsen, que era um gênio da didática, me ajudou - "o Persio não explica bem suas próprias ideias", disse ele brincando. O professor de Harvard, polemista por vocação, mas excelente economista, terminou por entender, mas vaticinou: uma abordagem originalíssima, mas sem chances de funcionar. Explicou: primeiro, por que as pessoas fariam uma conversão voluntária dos contratos na nova moeda, o que elas ganhariam com isso? Segundo, se a inflação acabar de repente, numa reforma monetária, sem um enorme desemprego, todo mundo vai achar que é fácil acabar com a inflação. Como os políticos gostam de gastar, a tentação de reinflacionar a economia será irresistível.

Não foi o que aconteceu no Plano Real. A primeira tentativa, o Plano Cruzado, falhou, mas conseguiu incrustar no imaginário coletivo a ideia de que a estabilidade monetária era possível. Quando do Plano Real, a população espontaneamente tratou de converter contratos em URV. E depois de lançado o programa, reafirmou, em todas as eleições, que políticos que não levassem a estabilidade a sério não teriam seu voto. Sem o pacto social de apoio, o Plano Real não teria dado certo.

Míriam Leitão conta-nos a história da nossa moeda entremeando conversas de bastidores, depoimentos pessoais, erros e acertos de política econômica. Longe dos muitas vezes aborrecidos textos acadêmicos, o que se lê é uma história viva, fluente. Recomendo vivamente a leitura. Os que experimentaram a hiperinflação poderão saborear episódios que acompanharam de perto; os mais jovens, afortunados por terem escapado do Brasil antigo, poderão se familiarizar com uma história que, em muitos momentos, lhes parecerá surreal.

* PERSIO ARIDA é economista e ex-presidente do Banco Central e do BNDES.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...