Pular para o conteúdo principal

Previsões econômicas.


O Estado de S. Paulo entrevistou hoje a economista Monica Baumgarten de Bolle, da Galanto Consultoria conforme abaixo:


Apesar do agravamento do cenário internacional, Monica Baumgarten de Bolle, economista-chefe da Galanto Consultoria, não acredita em desaceleração profunda da economia brasileira neste ano.


Como vê a queda do IBC-BR?
Está em linha com os últimos dados da atividade no Brasil, que já têm vindo muito ruins. Não há desaceleração forte das vendas no varejo, mas já tem alguma. Além disso, o último mês foi marcado pelo agravamento do quadro internacional. Acho que o recuo do IBC-Br é um reflexo de todas essas coisas, mas não acho que aponte para desaceleração mais grave, como em 2008. Agora a desaceleração é decorrência das medidas mais restritivas, da aceleração da inflação e do quadro global mais conturbado.


Diante disso, você refaz sua previsão para o PIB de 2011?
Não, porque meus cenários estavam sempre entre 3,5% e 4%. O IBC-Br continua perfeitamente condizente com esse cenário.


O recuo já era esperado?
Eu já esperava crescimento mais baixo por causa das medidas do governo. Por outro lado, meu cenário para a política mundial sempre foi pior do que as pessoas trabalhavam porque esse problema que o mundo está enfrentando, particularmente as economias avançadas, é um problema de dívidas elevadas, muito difícil de resolver. O que está acontecendo é mais preocupante do que imaginávamos. Nesse contexto, não conseguia ver como o Brasil ia crescer 4,5% ou até 5%, que era a projeção do próprio governo no início do ano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...