sexta-feira, 19 de agosto de 2011

VEJA entrevista o Nobel EDWARD PRESCOTT.


Hoje na VEJA, entrevista com o Nobel EDWARD PRESCOTT.

Os Estados Unidos correm o risco de enfrentar uma “década perdida” se reformas urgentes não forem colocadas em andamento. O alerta é do economista e matemático norte-americano Edward Prescott, ganhador do Prêmio Nobel de Economia em 2004 e conselheiro do banco central dos EUA (Fed).
Prescott defende que o presidente americano, Barack Obama, diminua gastos e impostos, além de relaxar a regulação nos mercados. Ele também argumentou que a Casa Branca tem de eliminar o que classifica como subsídios “ineficientes”, como aqueles concedidos aos produtores americanos de etanol feito de milho. “O etanol brasileiro é muito mais barato”, afirma.
O conselheiro do Fed declarou apoio às medidas tomadas pela instituição no combate à inflação, mas criticou a política de resgatar antecipadamente títulos do Tesouro americano com o objetivo de injetar liquidez na economia – prática que ficou conhecida como “afrouxamento quantitativo” (QE, do inglês quantitative easing) “Eram somente subsídios disfarçados”, afirma.
O economista rechaça a visão de que esse afrouxamento teria colaborado para valorizar as moedas nos países emergentes. Na avaliação dele, a apreciação ocorreu em função do crescimento rápido dessas economias. Edward Prescott visita o Brasil nesta semana. Ele conversou com o site de VEJA no evento “Economia global: riscos e oportunidades”, realizado pelo Principal Financial Group.

O senhor tem se destacado como um crítico contumaz das escolhas realizadas pelo governo Barack Obama. Por que?
Tenho sido crítico assim porque tenho uma convicção: o que acontece num determinado país depende muito mais do que seus governantes fazem do que de fatores externos. Só algumas partes do mundo estão muito mal atualmente. Canadá, México, América Latina, o norte da Europa, a China e a Índia vão muito bem. Os Estados Unidos foram tão bem por tanto tempo que as pessoas enjoaram e quiseram mudanças (risos). Por isso, houve uma grande guinada na composição dos legisladores no Congresso, particularmente no Senado. Nos últimos dois anos, a economia americana vai muito mal por absoluta culpa de nossos governantes. Corremos o risco de enfrentar uma “década perdida” de crescimento, como aconteceu no Japão nos anos 90, se reformas urgentes não forem feitas.

A administração Obama poderia fazer mais para estimular o crescimento e não correr o risco de perder uma década?
Já seria bom se o presidente fizesse menos, isto é, parasse de bloquear o crescimento. Os gastos da administração Obama, por exemplo, são assustadores e têm de ser contidos. Precisamos de menos regulação nos mercados, mais competição e menos subsídios a ineficiências. Os subsídios aos produtores de etanol de milho são um exemplo. Eles mantiveram por muito tempo o álcool brasileiro de fora do jogo no mercado americano. E o etanol brasileiro, produzido de cana-de-açúcar, é muito mais barato. Subsídios são ruins. O Japão e a Itália fizeram o mesmo e perderam uma década. Precisamos discutir já as reformas necessárias e chegar a um consenso sobre como implementá-las.

Há um problema diante desta tarefa: o antagonismo político piorou muito nos EUA. O acordo de último minuto sobre o aumento do teto da dívida foi um claro exemplo disso. Considerando esse ambiente, como facilitar o consenso para adoção de reformas?
Esse antagonismo não é novidade. Nos Estados Unidos, sempre existiram dois grupos: um que quer aumentar os gastos públicos e ter mais distribuição de renda; e outro que quer cortar despesas e impostos. A divisão só ganhou mais publicidade desta vez. Houve debates como esse nas presidências de Nixon, Carter, Reagan e Clinton. A questão é o que vai acontecer com os gastos e os impostos. Os tributos no país já estão em um nível muito alto historicamente. Veja Singapura. O governo deles gasta um quarto menos com o sistema de saúde, o que é muito melhor. O presidente Obama está tentando implantar nos EUA um estado de bem-estar social, mas  já ficou demonstrado, pelo exemplo da Europa, que isso não funciona.
De qualquer forma, respondendo a sua pergunta, a execução das reformas dependerá muito das próximas eleições, sobretudo no Senado. É possível que ocorram mudanças. Os congressistas e a Casa Branca têm de encontrar um jeito de sair dessa situação. Contudo, coisas boas podem acontecer mesmo antes da implementação das reformas porque são as expectativas que determinam as decisões das pessoas.

O BC americano manteve as taxas de juros perto de zero por muito tempo e, na semana passada, decidiu estender esses baixos valores até 2013. Essa ferramenta aparentemente não está tendo o efeito esperado para estimular a economia. Como o senhor avalia a atuação do Fed na crise?
As autoridades do Fed determinam o nível de preços da economia e eles têm feito um bom trabalho. Tivemos uma inflação de aproximadamente 2% em doze meses, que está estável em relação à meta. Sou contrário, no entanto, a essa estratégia de se comprometer por tanto tempo com taxas de juros baixas. Não podemos nos esquecer de que o quadro inflacionário simplesmente pode mudar. A credibilidade do governo e dos bancos centrais depende de uma inflação previsivelmente baixa. E também da capacidade de lidar com crises. Quando todos ficam com medo, os empréstimos congelam, como em setembro de 2008. Naquela época, o Fed acertou em promover uma grande liquidez e evitou uma crise muito maior, que poderia ter acabado com a economia real, como a crise 1929.

Como o senhor avalia os resultados da estratégia de antecipar o pagamento de títulos do Tesouro para injetar liquidez na economia?
Esse afrouxamento monetário foi só uma forma de conceder subsídios disfarçados. Não foi uma estratégia boa. Aconteceu por razões políticas. Ao menos, não prejudicou os Estados Unidos em nada.

Mas prejudicaram o resto do mundo, não? A política monetária frouxa dos EUA não acabou colaborando para a valorização das moedas nos países emergentes?
Eu entendo que o real, assim como outras moedas de emergentes, valorizou-se muito em relação ao dólar. Entretanto, se o Brasil está em trajetória vertiginosa de crescimento, a moeda vai se valorizar de qualquer forma. Já aconteceu no Canadá, na Austrália. Não tem nada a ver com a política monetária americana.

Qual é a probabilidade de uma nova rodada de afrouxamento monetário?
Improvável. O governo tem tentado diminuir a dívida. Não soube de nenhuma estratégia para um novo QE.

Nas últimas semanas, tem havido uma onda de aversão ao risco nos mercados globais por conta da quebra de expectativas em relação à Europa e aos Estados Unidos. O senhor veio ao Brasil, não somente para falar dos riscos, mas também de oportunidades. Quais seriam?
As bolsas estão voláteis, mas historicamente elas registram muito mais ganhos no longo prazo que títulos de dívida ou poupança. Os mercados estão muito abaixo de seu valor fundamental – por isso as chances de que subam são maiores. No curto prazo, é imprevisível. É claro que há riscos. Contudo, no longo prazo, é esse o lugar para estar.

Nenhum comentário: