Pular para o conteúdo principal

As preocupações erradas.

PAUL KRUGMAN, no ESTADÃO, comenta sobre a situação atual da crise americana. É preocupante, mas verdadeira a sua crítica ao que hoje ocorre por lá...

Para reverter um desastre econômico, muitas pessoas terão de admitir que estiveram erradas e que precisam mudar imediatamente suas prioridades.

A queda de mais de 500 pontos no índice Dow Jones na quinta-feira e a queda dos juros para patamares quase nunca vistos confirmaram a notícia: a economia não está se recuperando e Washington esteve se preocupando com os fatores errados. Não se trata apenas do fato de a ameaça de um duplo mergulho recessivo ter se tornado muito real: tornou-se agora impossível negar o óbvio, ou seja, que não estamos e nunca estivemos no caminho da recuperação.

Faz dois anos que os funcionários do Federal Reserve, das organizações internacionais e do governo Obama insistem que a economia estava saindo do buraco. Cada má notícia foi atribuída a fatores temporários. E o foco da política econômica foi desviado da criação de empregos e do crescimento para o problema da redução do déficit. Mas a economia não estava saindo do buraco. É verdade que a recessão chegou ao fim dois anos atrás e a economia escapou de uma derrapada assustadora. Mas em nenhum momento o crescimento se mostrou adequado levando-se em consideração a profundidade do mergulho inicial. Quando o desemprego aumenta tanto quanto o que vimos de 2007 a 2009, é preciso criar muitos empregos para compensar. E isso não ocorreu.

Levemos em consideração um indicador fundamental: a proporção empregada da população. Em junho de 2007, cerca de 63% da população adulta dos Estados Unidos estava empregada. Em junho de 2009, momento considerado o fim oficial da recessão, esse número tinha caído para 59,4%. Em junho de 2011, dois anos depois do início da suposta recuperação, esse número era de 58,2%.

Isso pode soar como uma estatística insossa, mas reflete uma realidade terrível. Além do grande número de americanos desempregados e subempregados, pela primeira vez desde a Grande Depressão muitos trabalhadores americanos estão enfrentando a perspectiva de um desemprego de prazo longuíssimo – talvez até permanente. Entre outras coisas, o aumento no desemprego de longo prazo vai reduzir a arrecadação fiscal futura do governo, de modo que não estamos agindo de maneira racional nem mesmo em termos puramente fiscais.

Mas o mais importante é que se trata de uma catástrofe humana.

Que motivo teríamos para nos mostrar surpresos com essa catástrofe? De onde o crescimento deveria vir? Os consumidores, ainda pressionados pelo fardo da dívida acumulada durante a bolha imobiliária, não estão prontos para gastar. As empresas não encontram motivos para a expansão diante da fraca demanda do consumidor. E, graças à obsessão com a questão do déficit, o governo, que poderia e deveria estar apoiando a economia nesse momento de necessidade, está cortando gastos.

E agora parece que tudo vai ficar pior. Qual seria a resposta possível? Para reverter este desastre, muitas pessoas terão de admitir que estiveram erradas e que precisam mudar suas prioridades. É claro que há aqueles que simplesmente não vão mudar. Os republicanos não vão parar de gritar a respeito do déficit porque nunca foram sinceros em relação a isso: sua preocupação com o déficit foi um porrete com o qual golpearam seus oponentes políticos.

Mas a desastrosa política econômica dos últimos dois anos não foi apenas o resultado do obstrucionismo do Partido Republicano, que não teria tanta força se a elite dos governantes – incluindo-se nela alguns nomes do governo Obama – não tivesse concordado que a redução do déficit, e não a criação de empregos, deveria ser nossa grande prioridade. E não devemos isentar Ben Bernanke e seus colegas. O Fed não fez tudo o que podia, parte por estar preocupado com uma inflação hipotética do que com o desemprego real, parte por ter se intimidado por tipos como Ron Paul.

Bem, é hora de dar um basta nisso tudo. Essa queda nos juros e no preço das ações diz que os mercados não estão preocupados com a solvência dos EUA e nem com a inflação. O que eles temem é a falta de crescimento nos EUA. E eles têm razão, mesmo que na quarta-feira o assessor de imprensa da Casa Branca tenha optado por declarar que não havia risco de um duplo mergulho recessivo. No início da semana, dizia-se que o governo Obama daria uma “guinada”, dedicando sua atenção à criação de empregos, agora, que o teto da dívida foi aumentado. Mas, ao que me parece, esta guinada consistiria apenas em propor medidas menores. E, a essa altura, propostas desse tipo só fariam o presidente Obama passar por ridículo.A questão é que chegou a hora – já passa da hora – de tratar com seriedade a crise que a economia enfrenta. O Fed precisa parar de apresentar desculpas, e o presidente precisa elaborar verdadeiras propostas para a criação de empregos. E, se os republicanos vetarem tais propostas, ele precisa embarcar numa campanha contra a obstrução do Partido Republicano ao estilo daquela promovida por Harry Truman. Isso pode funcionar ou não. Mas os milhões de americanos que deveriam estar empregados – mas não estão – já sabem o que é que não está funcionando: a política econômica dos últimos dois anos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...