Pular para o conteúdo principal

Atenção colegas da USP e da Unicamp.


É um prazer saber que a USP e a Unicamp estão entre as 300 melhores escolas do mundo. Reconheço que ranking é um coisa complexa e muitos sempre reclamarão dos métodos adotados, mas sempre é importante estar citado entre os melhores.  

A Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) são as duas únicas representantes brasileiras entre as 300 melhores escolas do mundo segundo o ranking inglês QS World University de 2011. A lista, publicada anualmente, leva em conta a opinião de 33 mil acadêmicos de todo o mundo e 16 mil empregadores de recém-formados, além das citações científicas feitas às instituições.

A USP, que ficou na 169ª colocação, aparece entre as 200 melhores pela primeira vez desde que o ranking é feito, há sete anos. A Unicamp figura na posição 235. Completam o rol latino-americano a Universidade Nacional Autônoma do México (Unam), que ficou ao lado da USP na posição 169, a Pontificia Universidade Católica do Chile (250) e a Universidade do Chile (262).

A primeira posição continua com a Universidade de Cambridge, posto tomado de Harvard em 2010. O MIT, por sua vez, subiu da quinta para a terceira posição, ficando à frente de Yale e Oxford. Entre as 300 melhores, há escolas de 38 países. Os Estados Unidos dominam os primeiros lugares da lista - são 13 universidades entre as 20 melhores e 70 no total. O Reino Unido tem 5 representantes nas 20 primeiras posições

Comentários

Pedreliano disse…
Parabéns para as duas!!! Mas sou fã mesmo da UFRA E UFPA, estas lutam pelos povos amazônicos!!!

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...