Pular para o conteúdo principal

Direto ao ponto a postagem de MIRIAM LEITÃO sobre o resultado da reunião de ontem do Copom:

O Banco Central foi atropelado pela coalizão dos ministérios da área econômica, BNDES, e conselheiros externos da presidente e reduziu os juros sem haver condições técnicas para isso. Toda a análise dos dados mostra que a inflação ainda está alta e há várias pressões inflacionárias pela frente. Nos últimos dias, o Ministério da Fazenda encabeçou uma pressão explícita sobre o Banco Central para que ele reduzisse os juros já. Ao fim, o BC cedeu e reduziu meio ponto percentual.
É claro que os juros estão altos, todos sabem disso, mas o país escolheu o pior dos mundos: tirar a autonomia do BC, reduzir juros na marra com a inflação acima do teto da meta, fingir que está fazendo ajuste fiscal e aceitar mais inflação.
O BC começou hoje à noite um esforço para tentar desfazer a avaliação negativa conversando com formadores de opinião, mas adianta pouco. Os sinais de intervenção foram claros demais.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...