quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Heterodoxos.


ANTONIO DELFIM NETTO escreveu hoje sobre os “Heterodoxos”. Neste caso, vale a minha pergunta: como ficamos os ortodoxos?

Entre outras vantagens, a recente decisão do Copom de reduzir -de surpresa e para espanto geral- 50 pontos na taxa Selic, teve a virtude de reabrir uma vexatória questão que cerca os economistas. Há, mesmo, duas teorias, uma ortodoxa e outra heterodoxa: a primeira professada pelos "bons e oniscientes" e a outra pelos "maus e mal informados" economistas?

O problema inicial é reconhecer que só existem "heterodoxos" se o instrumento de aferição for um "modelo" que resistiu, até o presente, a todos os desafios empíricos, o que não é o caso.

Por outro lado, por exemplo, temos a interpretação quântica da realidade física que ninguém sabe bem o que é, mas funciona maravilhosamente! Ora, com relação à macroeconomia é exatamente o contrário: todo mundo pensa que sabe o que é, mas não funciona! O problema da microeconomia é menos grave: com métodos estatísticos confiáveis é possível, em certas circunstâncias, fazer experimentos "críticos".

Alguém, em sã consciência, pode afirmar que antes de 2009 existia uma macroeconomia canônica que incorporava os efeitos "não intencionais" da auto-organização das redes estimuladas pelas inovações financeiras?

Na macroeconomia, a única "ortodoxia" reside nas identidades da Contabilidade Nacional porque elas são resultado de convenientes definições. Tentar violá-las é, sim, um ato de "heterodoxia", mas não se trata de uma "teoria", é apenas ignorância de um princípio lógico inexorável: a soma das partes não pode ser maior do que o todo!

Existe algo na famosa Teoria Monetária, da qual se acreditam portadores alguns brilhantes economistas, que se possa aceitar como o intransponível cânone da ortodoxia? Claramente, não!

O regime de "metas inflacionárias", indiscutivelmente útil para a boa gestão do processo econômico e para a redução dos atritos entre o capital e o trabalho na distribuição dos ganhos de produtividade, é apenas um expediente.

Controlado por três equações que exigem o conhecimento de dois parâmetros altamente ilusíveis (e, portanto, sujeitos a discussão): a taxa real de juro neutra e o produto potencial, que pode ser discutido sem que isso possa ser classificado como heresia.

Lembremo-nos, apenas, que os mesmos economistas, há pouco tempo, acreditavam na mágica das "expectativas racionais" como o "estado da arte" da ortodoxia!

Podemos e devemos divergir (porque é assim que aumenta nosso conhecimento), mas é ridículo dizer que a política do Banco Central namora a "heterodoxia". Por quê? Pela simples e boa razão religiosa que, infelizmente, a "ortodoxia" não existe...

Um comentário:

Menina Economia disse...

Interessante o questinamento