domingo, 30 de outubro de 2011

7.000.000.000.000


JOSÉ EUSTÁQUIO DINIZ ALVES, professor da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, escreveu este artigo "Esperança de vida sobe junto com a população", especialmente para a FOLHA DE S. PAULO.

Quando nasci, em agosto de 1953, fui o habitante de número 2.610.233.456. Quando minha filha veio ao mundo, em março de 1985, ela foi o habitante de número 4.710.843.383.

Em 58 anos, a população mundial aumentou em 4,4 bilhões de habitantes. Durante os 26 anos de vida de minha filha caçula, o aumento foi de 2,3 bilhões. Nos próximos 32 anos, teremos mais 2 bilhões de pessoas, e a população mundial deve chegar a 9 bilhões em 2043.

Existem duas boas noticias acompanhando esses números. A primeira é que a população mundial cresceu, aumentando conjuntamente a esperança de vida, que era de 48 anos no quinquênio 1950-55 e passou para 68 anos no período 2005-2010. A segunda é que o ritmo de crescimento demográfico está em declínio e existe grande probabilidade de a população mundial se estabilizar na segunda metade do século 21.

O número de nascimentos no mundo ficou estabilizado em torno de 136 milhões de crianças entre 1990 e 2010. Porém esse número já começou a cair.

Com a redução da base da pirâmide populacional, a razão de dependência demográfica vai ficar abaixo de 60% entre o ano 2000 e 2050. A mudança na estrutura etária, em geral, traz um bônus demográfico que pode ajudar na redução da pobreza no mundo.

Mas essa janela de oportunidade só será aproveitada se mudar o modelo de produção e consumo que tem provocado o aumento da pegada ecológica da humanidade. O nível atual de exploração do ambiente já ultrapassou em 50% a capacidade de regeneração do planeta. Estima-se em US$ 1,3 trilhão o custo anual da transição para uma economia verde, sustentável e de baixo carbono. É 30% menos que o gasto militar do mundo anualmente.

Vamos dar as boas vindas ao habitante de número 7 bilhões. Mas, principalmente, vamos nos esforçar para deixar uma herança positiva para que esse bebê de hoje não se torne um jovem frustrado.

2 comentários:

Roberto Cesar disse...

Eu não acredito em estabilização da população, acho que haverá um declinio ou mesmo um colapso. O motivo não é a queda na taxa de fertilidade mas sim o esgotamento dos recursos naturais, especialmente água e petróleo. As fontes de água doce estão secando e petróleo vai ficar cada vez mais caro devido as dificuldades de extração. Isso terá um impácto enorme na agricultura mundial que hoje mal consegue alimentar 6 bilhões (1 bilhão passa fome).
http://rcesar.net/2011/10/terra-2100-populacao-15-bilhoes/

Decio Goodnews disse...

O 7.000.000.000.000° Filhote de Cação

Eu só queria dizer/Que os atuais Srs./Ministros da Educa/Ação e do És porte/Disputam entre si/O privilégio: qual/É o 7° Bilionésimo/Bebê do Planeta?/Eles não sabem de/Nada. Não viram
Nada. Quem é RT?/Por que o ENEM
Nunca dá certo?/E o salário deles?
Eles professores/Os que ensinam
Sem ganhar nada/Os salários quase
Nada e nunca ah/Dizem Não. Os q
Ensinam as crias/Do planeta a ser
Gente não filhos/E filhotes do pré
Predador tubarão/No pré-primário
Aprendem: não/Bebem água
Potável, lares/E saneamento
Insano e a é do/Cação para gu
Gu gusano né?/Nenhum botar
Defeito./ O pé de onde/A planta
Petróleo nasce/Está rareando
E a agricultura/Faz dos sete, 1
Bilhão passar/Fome. Nenê Não falta, para/Alimentar as/Galeras dos és/Estádios rola/Bósnia, quero
Dizer: rola bos/Bola. Vamos tô/Todos os tolos/Comes e bebes
Morar e fazer/Rolar a bosta/Nos esgotos/Do senhor/Mercado que
Deságuam nas/Praias linda/Abençoadas/Por Deus &/Bonitas por
Natureza. Ma/Ma, mas que/Beleza, em fé/Fevereiro tem/Carnaval. Afim/
Afinal esses/Recém-naná//Nascidos mo/Moram num/Papaís tropipi/Tropical. De Filhas da puta/Bandidos/Corruptor/Ladrão!!!/
Comemorar o quê?/Mais Peixe miúdo/
Pra boca do/Tubarão?