sábado, 1 de outubro de 2011

Fator medo fajuto


PAUL KRUGMAN, hoje na FOLHA DE S. PAULO. 

A boa notícia: depois de passar um ano e meio falando sobre deficits, quando deveríamos estar falando de empregos, finalmente voltamos a discutir a questão certa.
A má notícia: os republicanos estão fixados em uma visão sobre o bloqueio à geração de empregos que se encaixa em seus preconceitos e atende a interesses de seus patrocinadores ricos. Mas essa visão não guarda relação com a realidade.
Em qualquer discurso de um pré-candidato presidencial republicano, você ouvirá declarações de que a administração Obama é responsável pelo pouco aumento na oferta de empregos.
Por quê? A resposta, reiterada sempre, é que as empresas têm medo de se expandir e gerar empregos porque temem regulamentos caros e impostos mais altos.
Não há provas que substanciem essa afirmação. Há muitas provas que a desmentem.
O ponto de partida de muitas alegações de que políticas antiempresas estariam prejudicando a economia é a afirmação de que o vagar da recuperação econômica após a recessão é algo sem precedentes. Mas, como documenta artigo de Lawrence Mishel, do Instituto de Política Econômica, isso não é verdade.
Períodos extensos de "recuperação sem empregos" depois de recessões vêm sendo a regra nas duas últimas décadas. Na realidade, o crescimento do emprego no setor privado desde a recessão de 2007-2009 vem sendo melhor do que foi após a recessão de 2001.
Mesmo assim, não há algo de estranho no fato de as empresas estarem auferindo lucros, mas não estarem gastando para ampliar sua capacidade e gerar empregos? Não.
Afinal, por que as empresas deveriam se expandir se não estão utilizando a capacidade que já possuem? O estouro da bolha imobiliária e a dívida das famílias vêm levando os consumidores a gastar menos e deixaram muitas empresas com mais capacidade ociosa.
Os investimentos das empresas sempre reagem ao estado da economia e, considerando quão fraca a economia dos EUA ainda está, não deve surpreender que os investimentos continuem baixos.
Mas os empresários não andam reclamando do ônus de impostos e regulamentos? Sim, mas não mais do que de costume. Mishel observa que a Federação Nacional de Empresas Independentes vem fazendo sondagens com pequenas empresas há quase 40 anos, pedindo que identifiquem seu problema mais importante. Os impostos e regulamentos sempre se destacam na lista de queixas, mas o que chama a atenção agora são as vendas fracas -o que sugere que seja a falta de demanda, e não o medo do governo, o que vem freando as empresas.
Logo, as declarações republicanas sobre o que está atrapalhando a economia são pura fantasia.
Isso também reflete a necessidade política da direita de fazer crer que tudo de ruim que acontece na América é culpa do presidente Barack Obama.
Não importa que bolha imobiliária, explosão da dívida e crise financeira tenham acontecido durante o governo de um presidente conservador; é o democrata que está na Casa Branca agora quem leva a culpa. A verdade é que estamos nesta confusão porque tivemos regulamentação de menos, não demais.

Nenhum comentário: