sábado, 3 de dezembro de 2016

Economia do Nordeste continuou retraída pelo terceiro trimestre consecutivo neste 2016.

Os índices econômicos do Nordeste destacam o desempenho positivo do setor industrial como um início de estabilidade e uma possível retomada de crescimento no setor para a região. A informação é do Banco Central do Brasil (BC), que divulgou ontem, sexta-feira (2), em Salvador, o Boletim Regional, com dados e indicadores econômicos de cada região do país.

A produção industrial da Região Nordeste recuou 0,9% no trimestre encerrado em agosto, após a expansão de 3% no trimestre anterior, índice considerado como positivo no relatório do Banco Central e que pode resultar em possíveis repercussões positivas sobre as demais atividades econômicas do Nordeste, como a agricultura, o comércio e a construção civil, que tiveram desempenho negativo.

Na indústria relatório destacou índices negativos nas atividades de metalurgia e coque, produtos derivados de petróleo e biocombustíveis, na Bahia, no entanto, outros dois importantes estados da região no setor industrial - Ceará e Pernambuco - cresceram no trimestre encerrado em agosto.


Apesar do bom desempenho no setor da indústria, a economia do Nordeste continuou retraída pelo terceiro trimestre consecutivo deste ano, interferindo diretamente no comércio, na agricultura e na construção civil. O comércio varejista da região obteve queda de 2,3% no trimestre encerrado em agosto, por exemplo. No mesmo período, o comércio ampliado - relacionado à demanda do consumo das famílias - obteve recuo de 2%.

Nenhum comentário: