quarta-feira, 9 de setembro de 2009

DA SÉRIE: LEITURA INEVITÁVEL

Direto da Folha de S. Paulo, um artigo do colega ANTONIO DELFIM NETTO, com o sugestivo nome de “Lucas e a rainha”.
Em novembro de 2008, a rainha Elizabeth da Inglaterra visitou a London School of Economics. Surpreendeu seus professores reunidos com uma pergunta tão inconveniente quanto pertinente: como foi possível que, em mais de um século de dedicação ao estudo e à pesquisa do sistema econômico, a tragédia que tomou conta da economia inglesa não tivesse sido "prevista" e, tanto quanto podem os homens, evitada? Todos sabemos que a London School of Economics nasceu "heterodoxa", em 1895, pelo acidente de uma herança (da ordem de 10.000) deixada por um certo senhor Henry Hutchinson. Este fora "convertido" à doutrina da "Fabian Society" criada em 1884 (basicamente por Sidney Webb e George Bernard Shaw), que seria possível construir (pacificamente!) "uma sociedade eticamente superior à prevalente". Sidney Webb - o executor da herança - nunca foi um marxista (Marx havia morrido em 1883): sempre recusou, intuitivamente, o seu "determinismo histórico". Acreditava, entretanto, na possibilidade de que a análise científica da realidade concreta inglesa poderia sugerir uma sociedade moralmente mais decente. O ar "científico" do marxismo parecia óbvio. E os argumentos realmente antológicos do grande cientista R.B. Haldene (recolhidos depois num artigo que pode ser lido até hoje como "vacina" para prevenir a infecção do "socialismo científico") convenceram Webb (e seu grupo) de que o caminho era mesmo a análise científica da realidade.Na sua origem, ela negava o estudo da economia como parte das artes (o que faziam os "economistas") e tentava levá-lo para o campo das ciências (matemática, física e biologia). Isso encontrou séria oposição de Cambridge e Oxford (inclusive do grande Alfred Marshall). A tristeza é que mesmo esta semente (que a rigor frutificou muito pouco) foi incapaz de responder à crueza da pergunta da rainha! As respostas foram (como sempre) justificativas evasivas: a geologia também é incapaz de "prever" (e logo de "prevenir") os terremotos! A pequena diferença é que não é a ação dos geólogos que produz as flutuações das placas tectônicas! Mas talvez a maior desilusão da profissão tenha sido a resposta do que se supõe ser a "Teoria Econômica Moderna". A pobreza, a falácia, o escapismo e o cinismo da resposta de Robert Lucas (o Nobel de 1995) em "The Economist" (6/8/ 2009) sobre o assunto. O seu artigo ("Em Defesa da Ciência Trágica") foi o enterro de toda a mistificação da pseudociência que tentou substituir a humilde e útil economia política que estava na origem da London School...

Nenhum comentário: