Pular para o conteúdo principal

UM MINUTO DE SILÊNCIO POR TED KENNEDY.

Fã da família KENNEDY desde os meus auréos tempos de IBIAPINA-CEARÁ, não poderia de divulgar a coluna do jornalista ÁLVARO PEREIRA JÚNIOR, sobre a morte do TED KENNEDY. Quanta diferença dele para os nossos políticos (?), se é que podemos chamá-los assim...

Bebum, mulherengo e autodestrutivo, Ted Kennedy, senador americano morto aos 77 anos na semana passada, era um político com todas as letras maiúsculas. P-O-L-Í-T-I-C-O.
Seu obituário tomou sete páginas do "New York Times" on-line. Não há nem houve ninguém parecido no Brasil.
De família riquíssima, Ted era o Kennedy caçula. Viu o irmão, John, presidente, ser assassinado em 1963. Outro irmão, mais velho, tinha morrido na Segunda Guerra. Em 1968, um maluco matou mais um irmão, Robert.
Coube a Ted manter viva a chama da política entre os Kennedy. Difícil.
Foi estudante vagabundo e trapaceiro em Harvard (acabou afastado e voltou, anos depois, convertido em ótimo aluno).
Bebeu, aprontou, calcinou o filme dezenas de vezes. A pior: 18/7/1969, ilha de Chappaquiddick, litoral de Massachusetts. Depois de um churrasco, Ted "ofereceu carona" a Mary Jo Kopechne, jovem ex-secretária do mano Bob.
Numa ponte precária de uma estradinha, Ted caiu com o carro na água. Conseguiu se salvar. Mary Jo morreu afogada. Ted levou dez horas para avisar a polícia. Antes de ligar para o resgate, passou horas conversando com assessores.
Incrivelmente, não teve a carreira arruinada. Foi à TV pedir desculpas. Os eleitores o perdoaram.
Transformou-se num senador obstinado. Envolveu-se profundamente em questões políticas delicadas, com efeito direto sobre as pessoas: imigração, saúde. Votou contra a invasão do Iraque. Apoiou Obama num momento crucial. A socidade americana lhe deve muito.
Sua vida louca não afetou o desempenho como senador. Era assíduo, presente, preparado. Ia direto a vários pontos.
No obituário, assim o definiu o "New York Times" (traduzir estragaria a poesia): "He was a celebrity, sometimes a self-parody, a hearty friend, an implacable foe, a man of large faith and large flaws, a melancholy character who persevered, drank deeply and sang loudly. He was a Kennedy".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Gustavo Franco: "Precisamos falar sobre herança."

Neste domingo de outono brasileiro, Gustavo Franco é mais uma vez preciso e didático ao evidenciar a situação atual da economia brasileira. 
Segundo ele, "E não por acidente as quedas no PIB do biênio 2015 e 2016, que se espera que atinjam 3,8% e 3,8%, ultrapassam o que se observou nos anos da Grande Depressão, 1930-31, quando as quedas foram de 2,1% e 3,3%. É fundamental que se tenha clara a exata natureza e extensão da herança, para que as dores inerentes ao árduo trabalho de reconstrução financeira e fiscal do crédito público sejam associadas a quem produziu a doença, e não ao médico."
Um texto para ler e reler.
No ESTADÃO: http://opiniao.estadao.com.br/noticias/geral,precisamos-falar-sobre-heranca,10000053939

Revista EXAME: Como roubar uma empresa.

Brasil: PIB 2007 - 2017 com previsões otimistas? Melhor não...

Para iniciar esta semana, neste domingo de sol no nosso outono brasileiro e considerando que o primeiro trimestre de 2016 já é passado, vide acima os resultados do PIB brasileiro para o período de 2007 - 2017, evidentemente com as previsões para os anos de 2016 e 2017. 

Diante desses números e da complexa situação econômica e política brasileira, consideramos muito otimismo um resultado de 1,5% do PIB para 2017.
Porém, como sonhar ainda não está sendo tributado...