domingo, 13 de setembro de 2009

PREVISÃO PIB 2009 - QUEM ACERTA?

Para os meus quase dois leitores ainda fiéis, leiam com vontade este outro editorial do ESTADÃO sobre o CRESCIMENTO SEM INVESTIMENTOS no Brasil. E vamos esperar o resultado do PIB de 2009 e ver quem está com a razão.

O crescimento de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre, em relação ao primeiro, confirmou que o Brasil saiu da crise.

No entanto, alguns dados preocupam, pois indicam que não se trata de uma recuperação durável e mostram que o governo não aproveitou a oportunidade da crise para tomar medidas recomendadas em tempo de recessão.

Nos dados do semestre isso fica mais claro. O governo privilegiou o consumo, que, em relação ao primeiro semestre do ano anterior, cresceu 2,3%, para as famílias, e 2,6%, para o governo, enquanto o PIB caía 1,5%. No entanto houve declínio de 15,6% na Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), ou seja, nos investimentos.

Ao comparar dados do segundo trimestre com dados do primeiro, verificamos também alguns resultados preocupantes. O consumo das famílias foi alimentado pelo aumento de 3,3% da massa salarial (ao contrário do que ocorreu nos países industrializados), pelo crescimento nominal de 20,3% do crédito para pessoas físicas e pelos incentivos fiscais.

Houve redução do consumo da administração pública, especialmente nos Estados e municípios, pois os impostos diretos aumentaram 3,8%, em valor, apesar dos incentivos.

O dado mais preocupante é que o crescimento do PIB em relação ao trimestre anterior não foi acompanhado de aumento dos investimentos, que não registraram variação e que, no primeiro semestre, caíram 15,6%.

A taxa de crescimento dos investimentos em relação ao PIB ficou em 15,7% - a menor desde 2003 e que havia atingido 18,5% no segundo trimestre de 2008.

A explicação para isso é a queda da poupança em relação ao PIB, que neste ano, no segundo trimestre, ficou em 15%, ante 19% no mesmo trimestre do ano passado.

A FBCF é composta em cerca de 50% por máquinas e equipamentos, em 40% pela construção civil, que inclui parte dos investimentos na infraestrutura, e em 10% por fatores de menor peso.

Sabemos que a Petrobrás realiza investimentos elevados, mas que a indústria reduziu os seus diante da incerteza sobre a evolução da demanda. Mas, ao contrário do que se esperava com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), os investimentos na infraestrutura diminuíram.

O crescimento futuro enfrentará pontos de estrangulamento decorrentes de uma infraestrutura obsoleta para atender à demanda doméstica e à exportação, assim que a demanda externa se restabelecer.

4 comentários:

Anônimo disse...

Uma pergunta: O dolar vai continuar caindo (em relação ao Real) ou vai subir?

Quem investiu (ou pretende investir) na Petrobras vai fazer um bom negócio? A tendência é subir?

JOÃO MELO disse...

Consultoria free não tem, mas para meu leitor anônimo consultei as cartas e elas demonstram que o dólar vai continuar caindo até atingir um piso de R$ 1,75 por dólar em 2010. Afinal REAL VALORIZADO, PIB EM ALTA é o que estamos vendo desde 01/2003 a 06/2009. O real valorizou 25% e o PIB cresceu 27%.
Já com relação a comprar ações da Petrobrás, lembro que desde o inicio deste ano a bolsa brasileira teve o melhor desempenho do MUNDO e Petrobrás, agora com pré-sal é sempre uma boa aposta.
Saudações anônimas,

Anônimo disse...

Valeu Obrigado pelas respostas!!!
Sou estudante de Blumenau - SC, e é sempre bom ficar sabendo um pouco, abraços!!

JOÃO MELO disse...

Mesmo "um pouco" distante, no que precisar, `conte conosco.
Abraço,
João Melo