domingo, 13 de setembro de 2009

ECONOMIA EM CRISE - UM ANO DEPOIS

E para concluir esta análise de quatro diferentes visões sobre a crise econômica, lemos no caderno MAIS deste domingo na FOLHA, a resposta de LUIZ GONZAGA BELLUZZO, economista e professor aposentado da Unicamp e autor de "Ensaios Sobre o Capitalismo no Século 20" (ed. Unesp), para a questão: Há alternativas, novos temas ou enfoques que devam ser incorporados ao ensino de economia?
Ao longo do século 19, a economia abandonou definitivamente os constrangimentos da política e inventou o Homo oeconomicus.
Dotado de conhecimento perfeito, esse ser, produto da mais absurda abstração, busca maximizar sua utilidade ou os seus ganhos, diante das restrições de recursos que lhe são impostas pela natureza ou pelo estado da técnica.
Os sistemas sociais nascidos desse paradigma dominante em economia não dispõem de uma estrutura intrínseca, isto é, esgotam-se nas propriedades atribuídas aos indivíduos racionais e maximizadores, partículas que definem a natureza da ação utilitarista e que jamais alteram seu comportamento na interação com as outras partículas carregadas de "racionalidade".
Os manuais de economia mais badalados acatam as chamadas teorias novo-clássicas, com expectativas racionais.
Elas afirmam que a estrutura do sistema econômico no futuro já está determinada agora. Isso porque a função de probabilidades que governou a economia no passado tem a mesma distribuição que a governa no presente e a governará no futuro. A historicidade da vida social vaza pelo ralo.
Para os que dissentem dessa visão, a economia é um saber que está obrigado a formular suas hipóteses levando em consideração o tempo histórico, dimensão em que se desen- rola a ação humana.
Ela deve se entregar ao estudo do comportamento dos agentes privados em busca da riqueza, no marco de instituições sociais e políticas construídas pelas ações e decisões coletivas do passado, ou seja, pela história.

Um comentário:

VW disse...

Fala João!

Essas discussões sobre o futuro da ciência econômica são cíclicas, não é mesmo? Elas se correlacionam com as grandes depressões da economia mundial....

Particularmente, acho válido que elas sejam feitas, mas não vejo com bons olhos quem diz que a economia ortodoxa está exterminada. Até porque, como bem sabemos, o projeto neoclássico iniciado com Walras, Jevons e Marshal pode possuir inúmeros defeitos, mas é inegavelmente um avanço em termos científicos...

É claro que os novos modelos, como a teoria novo-clássica e sua opção por axiomas extremamente complexos e irreais, deverão repensar sua postura daqui para frente. Nenhuma escola de pensamento está isenta de críticas, até porque não existe verdade absoluta na ciência, apenas teorias...

Abç
VW