sábado, 23 de outubro de 2010

CANDIDATOS SEM POLÍTICAS FISCAIS.

O alerta abaixo foi matéria publicada no FINANCIAL TIMES e aqui no portal UOL. É fato: para agradar seus eleitores, os candidatos NÃO divulgam suas propostas de maneira formal e o futuro fica imprevisível. Coisas de Brasil...
Após meses de uma campanha frívola e de um primeiro turno inconclusivo, os eleitores que participam da eleição presidencial do Brasil finalmente deverão saber algo de concreto a respeito da escolha que farão no segundo turno, em 31 de outubro. Muitos economistas temem que o agravamento das condições econômicas globais e uma inundação de capital especulativo provocada pela política monetária expansionista no mundo desenvolvido façam com que as problemáticas contas públicas do Brasil sofram mais pressões no ano que vem. Mas os candidatos à presidência não têm se mostrado dispostos a dizer como enfrentarão tais problemas. Dilma Rousseff, a candidata governista do Partido dos Trabalhadores (PT), uma agremiação de esquerda, surpreendeu quase todo mundo no Brasil ao mostrar-se incapaz de obter uma vitória no primeiro turno da eleição em 3 de outubro. Apoiada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que conta com a aprovação de 80% dos eleitores, ela contava com uma expressiva liderança nas pesquisas de intenção de voto. José Serra, da sigla centrista de oposição, o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), empenhou-se em responder ao apoio de Lula da Silva a Rousseff e à poderosa mistura, utilizada pelo governo, de uma política monetária rígida, uma política fiscal flexível e programas baratos, mas bem aplicados, de transferência de renda. Essas políticas inseriram milhões de indivíduos no mercado consumidor pela primeira vez e poderão gerar um crescimento econômico de pelo menos 7% neste ano. A campanha de Rousseff prometeu continuidade, e evitou fazer qualquer promessa relativa a políticas governamentais. Já a campanha de Serra foi criticada até mesmo pelos seus aliados devido à falta de uma mensagem clara. Mas ele chegou ao segundo turno em parte porque uma terceira candidata, Marina da Silva, do Partido Verde, tirou votos de Rousseff. ndré César, um consultor político de Brasília, diz que agora os candidatos terão que apresentar as suas políticas. “Os eleitores querem ouvir o que os candidatos farão quanto aos problemas mais importantes enfrentados pelo Brasil”, diz André César. “Chegou a hora de eles apresentarem pelo menos alguns sinais daquilo que pretendem fazer”. Esse processo teve início no fim de semana passado, quando Paulo Bernardo, o ministro do Planejamento, declarou em uma entrevista concedida a um jornal que, caso eleita, Rousseff – que continua sendo a clara favorita – reduzirá os gastos governamentais, algo que é tido pelos economistas como essencial para que o Brasil reduza as suas altíssimas taxas de juros e alcance um crescimento sustentável. “São medidas necessárias? Creio que sim. Mas isso não representará uma mudança de direção”, disse ele ao jornal “O Estado de São Paulo”. Bernardo acrescentou que os aumentos dos salários do funcionalismo público, que representam uma das maiores parcelas dos gastos, terão que ser “compatíveis com a inflação baixa”. No entanto, muitos economistas estão céticos quanto ao compromisso de Rousseff com a disciplina fiscal e apontam para os recentes aumentos de gastos públicos, ainda que a economia tenha se recuperado após uma curta recessão no ano passado. “O governo brasileiro enxergou a necessidade de políticas anticíclicas em 2008 e 2009, mas quando deixou de considerar essas políticas necessárias, ele preferiu não reverter os padrões de gastos, apesar da virada para cima na economia”, diz Nick Chamie, diretor de pesquisas sobre mercados emergentes do RBC Capital Markets, em Toronto. Serra é tido como um conservador fiscal que teria maior possibilidade de controlar os gastos. Em uma entrevista a redes de televisão na última terça-feira, o candidato prometeu mudanças na política econômica, incluindo “a questão dos gastos públicos”, sem entretanto entrar em maiores detalhes. Ele defendeu também as privatizações, uma estratégia arriscada, já que tais medidas continuam sendo impopulares no Brasil, apesar da melhoria drástica dos serviços como as telecomunicações após as privatizações implementadas no final da década de noventa pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, que é membro do PSDB. A campanha de Rousseff está prometendo “continuar sem privatizar”. Fernando Henrique Cardoso, apesar de ser considerado o indivíduo que criou as bases para a atual prosperidade do Brasil, esteve ausente da campanha de primeiro turno de José Serra. Depois disso ele assumiu um papel mais ativo por trás dos bastidores e, segundo pessoas próximas à campanha de Serra, em breve aparecerá pessoalmente na campanha. Muitos investidores têm praticamente ignorado esta eleição, acreditando que nenhum dos dois candidatos promoveria muitas mudanças nas atuais políticas econômicas. Outros temem que as questões fiscais tornem-se cada vez mais importantes no ano que vem, especificamente à medida que os Estados Unidos afrouxarem a sua politica monetária, fazendo com que haja uma inundação de “hot money” movida pelo desejo dos investidores de tirar vantagem das altíssimas taxas de juros do Brasil, gerando assim mais desequilíbrios.

Nenhum comentário: